Carta aberta ao Presidente da República de Angola– funcionários do Supremo Tribunal Militar

 Carta aberta ao Presidente da República – funcionários do Supremo Tribunal Militar 

 janeiro 01, 2021Luanda – O ano de 2020 foi um marco  na vida do povo Angolano e do Mundo por causa do actual contexto que é a covid19, o executivo Angolano tem envidado esforços para a melhoria de vida de seus concidadãos. Infelizmente para os militares e trabalhadores civis do Supremo Tribunal Militar vivem, os piores nove meses com a chegada ao poder do General Cristo António Salvador Alberto, Juiz Presidente do Supremo Tribunal Militar. Um autêntico ditador fazendo do Supremo Tribunal Militar sua propriedade, não respeita o plenário muitas vezes os Juízes Conselheiros entram calados e saem mudos em reuniões dirigidas por ele, monopolizando as seguintes repartições Finanças, Serviços Gerais e Organização e Planeamento, Gabinete de Intercâmbio coadjuvado pelo seu vice-presidente Tenente General Gabriel João Soki e Coronel Albino Sanhega apelidado por “Kota Cafrique” este por ser o pau mal mandado  do Juiz Presidente.  Trabalhando de forma desalinhada com o objectivo do Executivo angolano, desrespeitando todos os Decretos Presidências e contrariando as orientações do Chefe Estado Maior General das FAA. O Juiz Conselheiro Presidente Cristo António Salvador Alberto é contra a equidade, direitos humanos, a melhoria das condições de vida dos trabalhadores com o corte salarial, criando condições para os trabalhadores serem aliciados e vulneráveis a corrupção, contrariando o programa do Presidente da República e do seu executivo. Excelências  Gostaríamos que nos esclarecessem se o corte do salário é justo ou injusto? Se for justo que seja feita a vossa vontade, e se for injusto provavelmente muitos dos julgamentos terão tratamentos semelhantes neste Supremo Tribunal Militar. Ano de 2020 o Supremo Tribunal Militar recebeu uma prenda que ninguém esperava “ uma raposa com a pele de cordeiro que esta a devorar as galinhas”. A situação no Supremo Tribunal Militar é grave, não aguentamos mais

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *