Analista Jurista aconselha Governo Angolano a Chumbar Proposta do Empresário falido Riquinho

 A forma de aquisição, segundo a carta de Riquinho que foi divulgada esta semana nas redes sociais, seria uma conciliação de contas através de uma alegada dívida que o empresário diz que a Sonangol possui com a sua empresa na ordem dos 3 milhões de dólares, que 11 anos depois, acrescido de juros, ela está estimada em 25 milhões de dólares. Riquinho justifica também sua decisão e pedido de direito de preferência, pelos longos anos que o mesmo trabalhou em prol da cultura e hotelaria angolana. Ao Luanda Post, o jurista Manuel Pinheiro reprova a maneira como o jurista

Pinheiro reprova a maneira como o empresário manifesta a sua intenção, dizendo que os cidadãos não devem vir com nomes para atingir certos objectivos. “Não é assim que as coisas funcionam”, disse o jurista, lembrando que o país possui leis de privatizações de empresas e elas devem ser devidamente respeitadas. Embora reconhece que Riquinho tem vindo a queixar-se, desde à era do ex-Presidente José Eduardo dos Santos, uma suposta dívida do Estado à sua empresa, mas o jurista aconselha o reclamante a saber quais são os procedimentos a se cumprir, antes de atingir seus interesses.

fonte www.makamavulonews.com

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *