JORNAL FACTOS DE ANGOLA AFRICANA Comandante geral da polícia Angolana Paulo da Almeida é sanguinário falso cristão

Comandante geral da polícia Angolana Paulo da Almeida é sanguinário falso cristão

 pelo menos 16 activistas mortos em Cafunfo-Lunda Norte 

Paula da Almeida o sanguinário.
Comandante geral da polícia é filho de bispo da igreja Metodista, é um verdadeiro assassino tem cumprido ordens que violam os direitos humanos contra o povo Angolano.
Repressão policial e militar matou pelo menos 16 activistas do Movimento do Protectorado da Lunda Tchokwe, que apesar da proibição, manifestaram em Cafunfo, na Lunda Norte a 30 de janerio de 2021, Movimento do Protectorado da Lunda Tchokwe, enquanto isso a polícia tem vindo a fazer crer a comunidade internacional e nacional que o acto é uma rebelião armada,neste contexto criaram falsas testemunhas e armas brancas e de fogo com objetivo de incriminar a direção do movimento Lunda Tchokwe inclusive os membros deste movimento civil.
O Movimento do Protectorado da Lunda Tchokwé apelou a manifestar este sábado, 30 de janeiro na vila mineira de Cafunfo para exigir o reconhecimento da autonomia das Lundas, manifestação que foi proíbida pelas autoridades locais, mas os activistas saíram à rua, a polícia disparou, matou 16 activistas e feriu 19, alegando “um acto de rebelião armada”, o que desmente Lungamana Tchimudi.
O Movimento do Protectorado da Lunda Tchokwé, que luta pela autonomia das Lundas, afirma que a manifestação apesar de proíbida, foi pacífica, ninguém estava armado e acusa a polícia e as forças armadas de “actos bárbaros” por terem disparado contra cidadãos indefesos, que desafiaram as autoridades e saíram às ruas este sábado, 30 de janeiro, em Cafunfo, município de Cuango, província da Lunda Norte.
O governador provincial do Cuango Félix Daniel, não autorizou a manifestação, alegando a proibição de ajuntamentos de mais de 10 pessoas devido à pandemia da Covid-19 e à não legalidade deste Movimento.
Segundo “Lungamana” Tchimuni, responsàvel pela informação em Cafunfo do Movimento que luta pela autonomia das Lundas, “a ordem [de repressão] veio do governador provincial da Lunda Norte Ernesto Muangala…são 16 mortos, 19 feridos e alguns estão na mata e não sabemos se estão vivos ou não…os manifestantes não estavam armados, nem com catanas”, como alega a polícia.
Lungamana acrescenta ainda que nas Lundas “estamos a passar mal, a estrada está mal, quando bate chuva não se consegue passar com o carro, nós aqui não temos água, não temos luz…nós queremos o nosso direito, que é a autonomia das Lundas…nós aqui não temos o benefício do governo, o governo não faz nada e tentar reclamar, aqui é problema.” 
Lungamana Tchimudi, Movimento do Protectorado da Lunda Norte
Entre os 16 mortos, figura o filho do secretário regional do Movimento Zeca Muandjaji, entre os19 feridos está o activista Nito Alves, enquanto a polícia destruiu os bens de Muene Capenda Camulemba, a autoridade tradicional local e entre o número desconhecido de pessoas que se refugiraram nas matas, está Fernando Muaco, o secretário-geral do Movimento do Protectorado da Lunda Tchokwé.
Em comunicado, a polícia afirmou que o número de mortos era de 6, 7 feridos e 16 detidos, alegando “legítima defesa” porque os manifestantes com armas de fogo do tipo AKM, caçadeiras, ferros, paus, armas brancas e pequenos engenhos explosivos artesanais, por volta das 4 horas da manhã, tentaram atacar uma esquadra da polícia, para içar uma bandeira do Movimento do Protectorado da Lunda Tchokwé e feriram dois polícias, num “um acto de rebelião armada, praticado por um grupo de aproximadamente 300 elementos, afectos ao Movimento Protectorado Lunda Tchokwe”.
Um responsável deste Movimento afirmou à RFI que “os corpos estão no comando da polícia e já levaram 6 para a tenda, para os levar para a mata e fazê-los desaparecer”.
Desde 16 de janeiro foram presos pelo menos 12 activistas do Movimento do Protectorado da Lunda Tchokwé, entre os quais: Teresa Joana, Simone Antonio Swete, Zeca Antonio, Kamba Keijo, Paulo Jorge Kulinua, Orlando Kavula, Henrique Hilinga, Simao Mukepe e Profeta Romeu.
Em 2015 a Assembleia Nacional de Angola votou contra a reivindicação de autonomia do Reino da Lunda e desde então as perseguições, ameaças de morte e repressão contra os que a reivindicam não cessaram.  
Alguns dados históricos
Esta manifestação, coíncide com o 137° aniversário do início da Conferência de Berlim, que decorreu entre 15 de novembro de 1884 e 26 de fevereiro de 1885 e delimitou as fronteiras das colónias africanas, entre os 15 países colonizadores, acto que foi ratificado pela ONU em 1963.
A conferência de Berlim atribuiu a Portugal as colónias de Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau; Moçambique, Angola e o protectorado do Reino de Cabinda, razão pela qual os responsáveis da FLEC reclamam a intervenção de Portugal, na mediação dos conflitos que opoem os independentistas do enclave a Angola.
O então Reino do Kongo, colónia do Rei Leopoldo II da Bélgica, foi dividido entre três países, após a conferência de Berlim, cujo documento final foi aprovado pelas 15 potências coloniais a 26 de fevereiro de 1886:  o Congo Português (actualmente Angola), o Congo Belga (Zaire, actualmente República Democrática do Congo) e o Congo Francês (a Actual República do Congo ou Congo Brazzaville).
O Reino de Cabinda, que era parte do antigo Reino do Congo foi atribuido a Portugal, como protectorado do Congo Portugês, através do Tratado de Simulambuco.
Portugal apresenta em 1886 um projecto denominado Mapa côr de rosa, que consistia em ligar Angola e Moçambique, mas a Inglaterra opôs-se e fez o designado Ultimato Britânico de 1890, ameaçando guerra se Portugal não acabásse com o projecto, que acabou por caír, excluindo o Império Lunda/ Moxico/Cuando Cubango, reconhecido pelo governo português em 1482, mas cujos limites geográficos só foram delimitados em 1893, não foi discutido na Conferência de Berlim. 
Mas a Lunda é protectorado internacional desde 1885, o Reino ou Império Lunda que entre 1050 e 1887, abrangia o Katanga, até ao rio Zambeze e o noroeste da actual Zâmbia, territórios situados entre Angola e o então Estado Livre do Congo, colónia do Rei Leopoldo II da Bélgica, não foi discutido na conferência de Berlim, mas em 1955 Portugal permitiu que o povo Lunda criásse o seu próprio governo.
A 3 de agosto de 2007 foi apresentado ao Presidente José Eduardo dos Santos, o Manifestto jurídico e sociológico do Protectorado da Lunda, reivindicando a automomia administrativa, económica e política da Lunda Tchokwé, movimento até hoje não reconhecido pelas autoridades angolanas fonte 
Rádio França Internacional

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Post

Welwitschia (Tchizé) dos Santos, diz ter recebido telefonemas de alguém que se identificou como pertencendo aos serviços secretos de AngolaWelwitschia (Tchizé) dos Santos, diz ter recebido telefonemas de alguém que se identificou como pertencendo aos serviços secretos de Angola

“Vão destruir a tua vida”: Tchizé dos Santos queixa-se de ameaças  Tchizé dos Santos  A ex-deputada do MPLA Tchizé dos Santos Por Fernanda Brito 12/02/2021  Londres  Em declarações enviadas à