Esquadra da polícia no Catintom em Luanda é invadida pela população armados mas a polícia não reagiu como em Cafunfo

 

Esquadra da polícia no Catintom é invadida pela população armados com AK47

A esquadra foi tomada pelos jovens armados. Partiram os bens e colocaram um morto dentro do recinto policial.

De acordo com a Polícia Nacional, os factos ocorreram na quinta-feira, por volta das 23 horas, quando um grupo de cerca de 20 elementos, entre familiares e amigos, que tentavam invadir uma residência onde vive um jovem acusado de matar, a facada, Abraão Alberto, 21 anos, foi impedido pela Polícia. 

Informações recolhidas, no bairro Catintom, dão conta que a confusão começou na terça-feira, quando dois grupos rivais de jovens envolveram-se numa rixa, com objectos contundentes, que resultou na morte de Abrão Alberto, integrante de um grupo, supostamente por motivos passionais.

Em forma de vingança, os integrantes do grupo em que pertencia o malogrado, incluindo familiares, foram à residência de um dos integrantes do grupo que supostamente assassinou o jovem Abrão e tentaram invadir e vandalizar a sua casa, criando pânico e insegurança, obrigando os moradores a se recolherem

O chefe do Departamento de Comunicação Institucional e Imprensa do Comando Provincial de Luanda da Polícia Nacional, inspector-chefe Nestor Goubel, disse que a Polícia, chamada ao local para repor a ordem, foi recebida com tiros e pedras. Na troca de tiros, disse, morreu um elemento, por sinal irmão de Abraão Alberto, que havia sido morto pelo grupo adversário, dias antes.

 Nestor Goubel explica que a ocorrência teve lugar quando um morador do bairro Catintom se deslocou à esquadra, onde informou os efectivos  que na rua da Lavagem havia uma residência que estava a ser invadida por um grupo de jovens.

Acrescentou que a Polícia fez deslocar quatro efectivos ao local, tendo encontrado cerca de 20 elementos a arremessar objectos contundentes para o interior da referida residência.

Explicou que a segurança foi reforçada com mais dois elementos da Brigada Moto e que, momentos depois, surgiram novamente os jovens, acompanhados por mais elementos da família, com um cadáver ao colo, alegando que foi morto pela Polícia.

Segundo Nestor Goubel, os jovens invadiram a esquadra e depositaram o corpo do cidadão no chão. Com objectos contundentes, danificaram três vidros das janelas do piquete e sala de operações, um holofote, um computador (monitor e teclado),bem como o vidro frontal da viatura (patrulheiro) de marca Toyota Land Cruiser e o letreiro (painel luminoso) da esquadra.

Os familiares alegam não terem condições para realizar os funerais e pretendem que a corporação assuma os custos dos óbitos.

O também porta-voz da Polícia Nacional em Luanda, Nestor Goubel, informou que a corporação não vai custear as despesas dos óbitos, uma vez que foi recebida de forma violenta quando tentava repor a tranquilidade pública no bairro Catintom.

Não é a primária vez que cidadãos tentam invadir uma esquadra de Polícia. No mês de Setembro do ano passado, populares realizaram um acto de pilhagem ao posto Policial dos Ossos, na Petrangol, por volta das 21 horas. 

Fonte Lil Pasta News 

23/02/2021 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *