A cabala jornalística contra Adalberto fracassou

A cabala jornalística contra Adalberto fracassou


A campanha midiatica de assassino de carácter contra à figura de Adalberto Costa Júnior têm gerado um efeito bumerang contra os meios de comunicação públicos.


Na última semana o Líder da UNITA maior partido da oposição, concedeu uma entrevista de forma exclusiva ao canal de mídia alternativo CAMUNDA NEWS que acabou transformando-se num fenómeno de audiência. As reações nas redes sociais foram instantáneas o presidente Adalberto se transformou no líder também das visualizações.


Uma figura carismática que cativa a juventude


O que os meios de comunicação não fazem é desmentir uma notícia falsa. Isto nunca fazem por qué quando a pessoa constatar que foi vítima de difamação, quando comprovar o desmentido de uma notícia falsa, à pessoa se vacina diante de novas e possíveis notícias falsas “FAKE NEWS” e nisto Adalberto Costa Júnior agradece a TPA, ZIMBO, RNA, ANGOP porque foi exatamente isso que acabam de causar.


As notícias falsas têm uma capacidade de gerar um comportamento social unindo muita gente que de outra forma não se comseguiria unir à favor de uma ideia, se une em torno de uma falsa notícia causando distúrbios mentais das quais é quase impossível sair de um sentido crítico sobre o que analisar, o que contestar. Isto funciona como uma bola de neve e nunca para o sentido analítico, sentido crítico para um maior debate público sempre de uma forma fascista e não por algum procedimento democrático. Esta é uma prática que remonta a existência do próprio MPLA e o nosso dever é desmantelar com um sentido crítico ser contundente e responder de acordo especialmente aos meios dos poderes público porque afinal são os que nos informam a todos.

O jornalista não é ONG que se baseia em relatórios o que estamos a observar está longe de ser liberdade de imprensa, o jornalista não deve afirmar mas pode denunciar é neste sentido que Adalberto Costa Junior têm sabido responder este jornalismo atrasado que se promove no país sem a coragem de criticar as acções do executivo, totalmente vendida ao MPLA. 

As redes sociais é o maior fenómeno do SEC XXI e o ACJ cativa maior número de internautas do País o MPLA não têm como combater está força . 


O que se busca não é informação mas sim estereótipos políticos e culturais.

Por Moussa Garcia

investigative journalist 

08 Abril,2021

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *