JORNAL FACTOS DE ANGOLA Internacional Raúl Castro confirma sua renúncia, encerrando uma longa estada em Cuba

Raúl Castro confirma sua renúncia, encerrando uma longa estada em Cuba

Raúl Castro confirma sua renúncia, encerrando uma longa estada em Cuba

Raúl Castro, primeiro secretário do Partido Comunista e ex-presidente, participa da sessão de abertura do VIII Congresso do Partido Comunista de Cuba, no Palácio das Convenções de Havana, Cuba, sexta-feira, 16 de abril de 2021. Por Moussa Garcia

HAVANA Raúl Castro disse na sexta-feira que está renunciando ao cargo de presidente do Partido Comunista de Cuba, encerrando uma era de liderança formal por ele e seu irmão Fidel Castro que começou com a revolução de 1959.

Castro, de 89 anos, fez o anúncio na sexta-feira em um discurso na inauguração do Oitavo Congresso do partido no poder, o único permitido na ilha.

Disse que partia com a sensação de ter “cumprido a sua missão e confiante no futuro do país”.

Castro não disse quem endossaria como seu sucessor como primeiro secretário do Partido Comunista.  Mas anteriormente, ele indicou que é a favor de entregar o controle a Miguel Díaz-Canel, 60, que o sucedeu como presidente em 2018 e é o porta-estandarte para uma geração mais jovem de legalistas que tem promovido uma abertura econômica sem tocar em Cuba.  sistema partidário.

Sua aposentadoria significa que, pela primeira vez em mais de seis décadas, os cubanos não terão um Castro governando formalmente seus negócios, e isso vem em um momento difícil, com muitos na ilha ansiosos pelo que virá pela frente.

A pandemia do coronavírus, as dolorosas reformas financeiras e as restrições impostas pelo governo Trump atingiram a economia, que contraiu 11% no ano passado como resultado do colapso do turismo e das remessas.  As longas filas e a escassez de alimentos trouxeram ecos do “período especial” que se seguiu ao colapso da União Soviética no início dos anos 1990.

O descontentamento foi alimentado pela expansão da Internet e pela crescente desigualdade.

Muito do debate dentro de Cuba gira em torno do ritmo das reformas, com muitos reclamando que a chamada “geração histórica” ​​representada por Castro foi muito lenta para abrir a economia.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Post