Rússia expulsa diplomatas tchecos por causa de explosão

A República Tcheca expulsou 18 diplomatas russos no sábado.

Agentes da inteligência local tcheca dizem que os diplomatas são agentes da inteligência russa. Eles são suspeitos de envolvimento em uma explosão em um depósito de armas em 2014, que matou duas pessoas.

Os ministros das Relações Exteriores da União Europeia devem discutir a acusação durante uma reunião na segunda-feira.

Moscou deu aos diplomatas tchecos um dia para partir, enquanto a República Tcheca deu aos russos 72 horas.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia classificou a decisão tcheca de “sem precedentes” e um “ato hostil”.

“Em seu desejo de agradar os Estados Unidos no contexto das recentes sanções americanas contra a Rússia, as autoridades tchecas a esse respeito até superaram seus mestres do outro lado do oceano”, disse um comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

As autoridades tchecas dizem que os diplomatas são considerados agentes da inteligência, acusações que os russos classificaram como infundadas e absurdas.

A explosão destruiu um depósito de armazenamento de munições em uma floresta em Vrbětice, na República Tcheca, em 16 de outubro de 2014.

Janelas de prédios próximos foram destruídas e as escolas locais foram evacuadas enquanto os veículos de emergência corriam para o local. Os restos mortais de dois homens – de 56 e 69 anos – que trabalhavam no local foram encontrados mais de um mês depois.

A explosão foi considerada um acidente.

Mas o meticuloso trabalho de detetive das autoridades tchecas apontou o dedo para Moscou – e para a Unidade 29155 da agência de inteligência GRU da Rússia.

A polícia tcheca identificou dois suspeitos em conexão com a explosão – Alexander Mishkin e Anatoly Chepigov – que também são acusados ​​de envolvimento nos envenenamentos de Salisbury em 2018.

Sergei Skripal, um ex-agente russo duplo, e sua filha Yulia foram envenenados na cidade inglesa, enquanto uma mulher local, Dawn Sturgess, foi morta meses depois por Novichok de um frasco de perfume descartado.

O site de investigação Bellingcat identificou os suspeitos de Salisbury, Ruslan Boshirov, como Anatoly Chepiga, e Alexander Petrov como Alexander Mishkin, ambos oficiais do GRU.

A polícia tcheca comparou as imagens dos suspeitos da explosão com os dois acusados ​​pela Grã-Bretanha do envenenamento de Salisbury.

A pista veio de fotos de passaporte enviadas por e-mail ao Grupo Imex, empresa que operava o depósito.

O e-mail afirmava ser da Guarda Nacional do Tajiquistão. Solicitou que dois homens tivessem acesso ao local para uma visita de inspeção. Digitalizações de seus passaportes foram anexadas. Os homens seriam Ruslan Tabarov do Tajiquistão e Nicolaj Popa, um cidadão moldavo.

As fotos nos passaportes correspondem às dos dois homens acusados ​​pela Grã-Bretanha do envenenamento de Salisbury.

A explosão ocorreu no dia 16 e nesse dia a dupla seguiu para a Áustria para voar do aeroporto de Viena a Moscou. As autoridades parecem não saber exatamente como o depósito explodiu.

A República Tcheca informará a Otan e os aliados da UE sobre suas suspeitas e discutirá o assunto em uma reunião de ministros das Relações Exteriores da UE na segunda-feira, disse seu ministro das Relações Exteriores em exercício, Jan Hamacek.

O Departamento de Estado dos EUA disse estar ao lado da República Tcheca em sua “resposta firme contra as ações subversivas da Rússia em solo tcheco”.

No início desta semana, os EUA expulsaram 10 diplomatas russos e impuseram sanções em resposta ao hack da “SolarWinds” no ano passado, intimidando a Ucrânia e interferindo nas eleições de 2020 nos EUA.


Fonte BCC 

19/04/2021

legenda Os homens reservaram acomodação em Ostrava, perto do depósito de munição em 13 de outubro. Eles foram reservados para ficar até 17 de outubro.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *