Presidente da República pediu “relatórios” sobre situação laboral nas estufas agrícolas de Odemira

 Presidente da República pediu “relatórios” sobre situação laboral nas estufas agrícolas de Odemira. E em junho fará uma Presidência Aberta no Alentejo. Marcelo não comenta requisição civil de um espaço privado para acolher migrantes, mas forçou o MAI a desbloquear acesso ao local

4 Maio 2021 

Ângela Silva

Jornalista

Marcelo Rebelo de Sousa está à espera de “relatórios” com dados que encarregou as suas assessorias de recolherem sobre a situação laboral e epidemiológica dos imigrantes que vivem e trabalham no concelho de Odemira em condições degradantes. E mal os receba, confirmou ao Maka Mavulo News, falará com o primeiro-ministro. Para a segunda metade de junho, o PR tem na agenda uma incursão no Alentejo, que, não sendo exclusivamente sobre o tema, lhe permitirá reavaliar a situação.


O Presidente não quis comentar a requisição civil avançada pelo Governo junto do ZMAR – um espaço de campismo mas também com casas de madeira compradas por privados – para isolar os trabalhadores contaminados com covid. Mas na segunda-feira deu instruções à sua Casa Civil para ajudar a desbloquear o confronto que se avolumava entre Governo e privados.


O Ministério da Administração Interna terá dado instruções para bloquear a entrada no local do advogado dos privados que contestam a requisição das suas casas, e Marcelo pôs o Chefe da sua Casa Civil a explicar ao Ministério de Eduardo Cabrita que tinha que se desbloquear o acesso por estar em causa um advogado.


O Bastonário da Ordem dos Advogados tornou público que se tinha visto obrigado a recorrer ao Presidente. E embora sem querer comentar o conflito em causa – que Belém alerta não ser juridicamente fácil, por se tratar de um espaço declarado como insolvente e onde pelo menos algumas casas terão sido adquiridas no regime de ‘time share’ -, Marcelo tomou indiretamente partido ao pressionar a entrada do representante dos privados no espaço interditado por ordem do Governo.


As alternativas que já estarão a ser analisadas para instalar os trabalhadores cujas condições de residência não oferecem as mais elementares garantias para o necessário isolamento – chegam a estar mais de 10 num quarto – são bem vistas em Belém.


E o presidente da câmara de Odemira – que garante ter apresentado queixa junto da PJ há mais de dois anos sobre as irregulares condições de contratação dos imigrantes, na sua maioria asiáticos – já terá sido contactado pela Presidência.


Como o Expresso noticiou, a Polícia Judiciária irá investigar denúncias de autênticas redes de tráfico humano no sudoeste alentejano. Onde há dezenas de empresas de prestação de serviços que exploram a mão de obra migrante nas campanhas de apanha de frutos silvestres.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *