JORNAL FACTOS DE ANGOLA CORRUPTOS EM ANGOLA Como as elites angolanas construíram uma rede de bancos privados para transferir suas riquezas para a União Europeia

Como as elites angolanas construíram uma rede de bancos privados para transferir suas riquezas para a União Europeia

 Como as elites angolanas construíram uma rede de bancos privados para transferir suas riquezas para a União Europeia


Como as elites angolanas construíram uma rede de banco privado para levar suas riquezas para a União Europeia Um grupo de funcionários do governo angolano e altos executivos de bancos canalizou centenas de milhões de dólares para fora do país com pouca supervisão, criando a sua própria rede bancária privada através da qual enviavam o dinheiro para Portugal e para outras partes da União Europeia, concluiu uma investigação do OCCRP.

Por Moussa Garcia 

12 Maio,2021

A rede enviou pelo menos $ 324 milhões através dos seus bancos, sendo a maior parte dos fundos proveniente de Angola. Além disso, descobriu-se que US $ 257 milhões eram detidos por empresas europeias estreitamente associadas a esses funcionários.

O regime foi documentado em 2016 pelos reguladores portugueses em dois relatórios de auditoria, que não foram divulgados anteriormente. Nos relatórios, os bancos que o grupo constituiu e utilizou foram descritos como tendo violado dezenas de regulamentos bancários portugueses. Os resultados da auditoria, em que os milhões do grupo foram sinalizados como altamente suspeitos, foram levados ao conhecimento de funcionários portugueses e da União Europeia, mas a rede financeira secreta ainda funciona hoje.

“A liderança de Portugal não foi sensível aos danos de longo prazo que a lavagem deste dinheiro causaria ao país”, disse Ana Gomes, uma ex-deputada portuguesa no Parlamento Europeu.

Além de prejudicar a reputação de Portugal, a rede continua a corromper o país, acrescentou ela.

Gomes disse numa entrevista que o seu funcionamento exigia uma “rede disseminadora de corrupção e evasão fiscal concebida por muitos advogados, banqueiros, contabilistas, consultores, empresários, funcionários públicos e políticos portugueses”.

O esquema em curso teve implicações ainda mais terríveis para Angola.

Quase metade da população do país da África Austral vive na pobreza. Parte do dinheiro que desapareceu na rede poderia ter sido gasto em infraestrutura, educação ou clínicas de saúde.

Dois homens que trabalharam em estreita colaboração com o ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos, que deixou o cargo em 2017 sob o manto de acusações de corrupção, pareciam ser os arquitetos do sistema: o ex-vice-presidente Manuel Vicente e seu sócio Leopoldino Fragoso do Nascimento, mais conhecido como Dino. General reformado e ex-chefe das comunicações presidenciais, Dino é uma das pessoas mais ricas de Angola. Dino e a presidência angolana não responderam a um pedido de comentário. Vicente não foi encontrado para comentar.

Mais de uma dúzia de funcionários influentes e seus familiares usaram o sistema. Por exemplo, empresas supostamente associadas a Isabel dos Santos, filha do ex-presidente, receberam milhões.

Grande parte da riqueza do grupo de elite está ligada à Sonangol, a empresa estatal de petróleo de Angola e fonte de pelo menos 75 por cento das receitas públicas do país.

 “Sob Vicente, a Sonangol deixou de ser uma empresa petrolífera bastante focada para se tornar uma constelação de mais de 70 joint ventures e subsidiárias operando em quatro continentes, realmente um labirinto de interesses baseados no petróleo, mas estendendo-se maciçamente para além do setor petrolífero ”, disse Ricardo Soares de Oliveira, professor de política africana na Universidade de Oxford e especialista no setor bancário angolano. O dinheiro também foi desviado de outras fontes públicas, incluindo supostamente mais de US $ 150 milhões em empréstimos do banco central de Angola que nunca foram reembolsados.

O pipeline de dinheiro começou em Angola, onde as conexões políticas permitiram que as elites escapassem do escrutínio dos reguladores. O grupo exerceu controlo sobre alguns dos maiores credores do país, incluindo o Banco Africano de Investimentos (BAI), o Banco de Negócios Internacional (BNI) e o Banco Privado Atlântico (BPA).

As elites angolanas alargaram então o pipeline com a criação de sucursais estrangeiras do BNI e do BPA, tornando-se efectivamente accionistas e clientes destes bancos. Isso permitiu que eles transferissem grandes somas de dinheiro por meio de uma rede bancária privada com pouco escrutínio.

As sucursais estrangeiras – duas em Portugal e uma em Cabo Verde – não implementaram controlos padronizados de combate ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo e não realizaram quaisquer diligências devidas aos clientes identificados como suspeitos pelos reguladores internacionais. Os bancos tinham muito poucos clientes, muitas vezes ganhando pouco dinheiro ou mesmo operando com prejuízo, sugerindo que a lucratividade não era seu objetivo principal.

Muitos detalhes sobre a rede podem ser encontrados nos dois relatórios de auditoria do Banco de Portugal, o banco central do país. Para descobrir o vasto gasoduto angolano-europeu, os repórteres também vasculharam correspondência interna, documentos confidenciais de investigadores que não foram incluídos nos relatórios de auditoria e fontes públicas, como dados corporativos. Os repórteres não tinham acesso às listas de clientes dos bancos, por isso não foi possível determinar os valores exatos enviados ou recebidos por indivíduos específicos. Mas o facto de as elites angolanas terem sido capazes de enviar centenas de milhões através da sua rede – e que continua 

Uma década após a criação do BAI, o grupo começou a expandir a sua rede bancária para além de Angola.

Eles olharam primeiro para a nação insular da África Ocidental de Cabo Verde, uma ex-colônia portuguesa conhecida como um paraíso fiscal internacional. Em 2006, o grupo instalou ali um banco denominado Banco Privado Internacional (BPI), com o mesmo nome de Banco Privado Atlantico, banco angolano que fundaram no mesmo ano.

“Cabo Verde foi absolutamente crucial”, disse Gomes, o ex-parlamentar europeu. “Eles usaram isso como uma das etapas para difundir a origem de seu dinheiro.”

O banco cabo-verdiano não é conhecido por ter qualquer presença física genuína no país para além de uma caixa de correio na capital, Praia. Funcionava em opacidade quase total, não compartilhando informações sobre suas atividades e não publicando relatórios financeiros anuais.

Para além da presidência do banco angolano com o mesmo nome, Vicente era o maior accionista do BPI, com uma participação de 35 por cento, de acordo com a auditoria do Banco de Portugal. Palhares detinha 30 por cento. O general João de Matos, antigo chefe do Estado-Maior das Forças Armadas Angolanas do então Presidente dos Santos, detinha 25 por cento. Outros 10 por cento pertenciam a Jose Garcia Boyol, que era presidente do banco e também era vice-presidente de outro banco controlado pelo grupo.

Os acionistas do banco cabo-verdiano trocavam frequentemente ações entre si numa aparente tentativa de evitar o escrutínio regulatório. Em um exemplo observado na auditoria, o banco pediu ao banco central do país permissão para transferir todas as ações de Vicente para Palhares, demonstrando uma relação comercial confiável entre um dos funcionários públicos mais seniores de Angola e um de seus principais banqueiros. Nesse caso, o governo recusou o pedido.

Os relatórios de auditoria portugueses mostram que dinheiro de Angola passava por contas cabo-verdianas para outros bancos que o grupo controlava em Portugal e noutros pontos da Europa.

O banco central de Cabo Verde, responsável pela regulamentação dos credores do país, não respondeu aos pedidos de comentário, enquanto o BPI não foi encontrado para comentar.

No entanto, as elites angolanas ainda estavam expostas aos reguladores, visto que o dinheiro que passava por Cabo Verde foi para outras instituições financeiras que não estavam sob o seu controlo.

Para resolver esse problema, eles precisavam criar seus próprios bancos na Europa.

Em 2014, o grupo recebeu autorização das autoridades portuguesas para lançar um novo banco, o BNI Europa, em Lisboa. Tratava-se de uma sucursal estrangeira do Banco de Negócios Internacional (BNI), um credor angolano amplamente controlado por Palhares, o antigo funcionário do banco central.

A presença física do BNI Europa equivalia a uma única mesa em um prédio. Em dezembro de 2015, o banco ainda contava com 97 clientes autênticos, maioritariamente angolanos.

Para estabelecer uma base de clientes europeus, o banco fez parceria com Saving Global, um sistema de investimento alemão online, agregando mais 2.400 clientes. No entanto, esses clientes representavam apenas 6% do dinheiro que fluía pelo banco e nenhum deles tinha contas nele. Eles usaram a instituição apenas como uma plataforma para transferência de fundos. A Saving Global não respondeu aos pedidos de comentários.

Na realidade, o BNI Europa parecia existir apenas como um canal financeiro para os fundos que saíam de Angola. O banco era “totalmente dependente” do BNI, a sua sucursal angolana, afirmaram os auditores, sendo 85 por cento dos ativos do banco em 2016 originários desse banco.

Como o dinheiro foi enviado do BNI para sua própria agência, essas transferências foram protegidas de investigações jurídicas e financeiras. Os auditores concluíram que o BNI Europa não tinha informações sobre a origem destes fundos.

Além disso, uma vez que o BNI Europa é quase inteiramente detido pela sua matriz angolana, o dinheiro que fluía de um para o outro continuava a proporcionar valor aos mesmos accionistas. Os fundos não haviam realmente mudado de mãos, mas agora haviam sido transferidos com sucesso para a Europa com pouco escrutínio.

Um excerto da auditoria do Banco de Portugal ao BNI Europa. 

O banco não tinha procedimentos para estabelecer informações padrão sobre seus clientes. Ele também carecia de ferramentas de combate à lavagem de dinheiro para examinar as transações, algumas das quais a auditoria descreveu como “enormes”, incluindo aquelas que envolviam clientes com ligações políticas.

A equipe de conformidade do banco consistia em um diretor que não tinha permissão para acessar as contas de certos clientes. Por exemplo, a conta pertencente ao filho do maior acionista do banco, Mario Palhares, estava fora dos limites, de acordo com os auditores. A filha de Palhares, Lúcia, entrou a bordo como gerente de clientes e abriu contas diretamente para clientes que faziam transações bancárias com sua empresa-mãe, o BNI. Palhares não foi encontrado para comentar.

Depois de realizar uma auditoria de amostra aos clientes do BNI Europa, os investigadores descobriram que nenhuma informação substantiva tinha sido recolhida sobre cerca de 71 por cento dos indivíduos e 100 por cento dos clientes empresariais. O banco deveria ter investigado a grande maioria dos clientes incluídos na amostra, disseram os auditores.

O BNI Europa também não tinha acesso às contas abertas pela sua casa-mãe, o que colocava essencialmente o grosso da sua própria atividade financeira fora da sua esfera de competência. Em uma carta aos auditores de 30 de junho de 2016, o BNI Europa disse que não era possível fornecer registros de transações que fluem por suas contas, porque apenas sua matriz os tinha.

“Pedimos as nossas sinceras desculpas”, escreveu o BNI Europa aos auditores. Em resposta aos pedidos de comentários dos jornalistas, uma porta-voz do banco afirmou: “A natureza dos nossos negócios e a lei impõem-nos um dever especial de confidencialidade, que impede o Banco BNI Europa de responder devidamente ao seu pedido… O Banco BNI Europa tem agiu com a devida transparência para com todas as autoridades e observa que, tanto quanto é do seu conhecimento, nenhuma acusação, acusação ou multa lhe foi imposta em relação a tais alegações. ”

O BNI não respondeu aos pedidos de comentário. 

O grupo de elite angolano abriu também uma sucursal portuguesa do Banco Privado Atlântico (BPA), outro banco que controlava em Angola.

A maioria das ações do novo banco, BPA Europa, são detidas por Carlos da Silva, advogado amplamente considerado associado de Vicente. A opaca estrutura de propriedade europeia do banco também inclui cerca de uma dúzia de empresas em grande parte detidas em paraísos fiscais, como Luxemburgo, onde seus verdadeiros proprietários beneficiários podem ser representados por procuradores. Da Silva não foi encontrado para comentar.

À primeira vista, o negócio que as divisões do banco reportaram em 2016 não parecia fora do normal: os clientes empresariais receberam empréstimos no valor de 125 milhões de euros e fizeram depósitos no valor de 57 milhões de euros.

No entanto, quando os auditores abriram os livros no início de 2016, eles descobriram que mais de 60 por cento das reservas do banco vieram do banco central de Angola ou de depósitos feitos por bancos angolanos de alto risco nos quais altos funcionários do governo possuíam ações.

Em uma tática semelhante ao BNI, o banco fez parceria com a empresa alemã de fintech Savedo para aumentar sua base de clientes europeus.


“Levamos muito a sério as acusações contra bancos que usam nossa plataforma”, disse o chefe de comunicações da empresa, Attila Rosenbaum. “No momento em que um banco perder sua licença ou permissão [da autoridade supervisora], a cooperação com [esse banco] será encerrada.”


O BPA Europa também dependia largamente do capital angolano, com uma lista de clientes de angolanos politicamente influentes que incluía Dino, Vicente e o seu associado, da Silva. A equipe do banco parece ter evitado examinar as contas de alguns de seus clientes mais sensíveis, como o filho de Vicente. O banco, que agora é conhecido como Banco Atlantico Europa (BAE), disse que “menos de 1 por cento” de seus clientes estão politicamente expostos, e que realiza a devida diligência neles.


Alguns desses principais clientes também eram acionistas e diretores do banco. O acordo permitiu ao banco movimentar dinheiro em seu nome, usando uma variedade de técnicas opacas, que obscureciam a origem dos fundos.

Um porta-voz do banco disse que não há “nenhuma pessoa politicamente exposta ou qualquer banco em nossa estrutura de acionistas”. Acrescentou: “Angola é um mercado importante para a BAE, mas a BAE tem muitos outros ramos de negócio.” Tem mais de 20.000 “clientes ativos ricos”, a maioria dos quais portugueses, disse.

A auditoria do Banco de Portugal constatou que empresas associadas a angolanos influentes, e já assinaladas como problemáticas pelas autoridades portuguesas, mantinham negócios regulares com o BPA Europa. Por exemplo, Dino e sua esposa mantinham várias contas no banco, incluindo uma associada à Cochan, uma empresa que ele controlava que supostamente fez negócios de bilhões de dólares com a Sonangol em parceria com o comerciante internacional de commodities Trafigura. Ao lado de Vicente e Kopelipa, Dino foi identificado em documentos judiciais dos EUA como acumulando vasta riqueza por meio de negócios relacionados ao petróleo envolvendo a Sonangol.

Os acionistas do BPA Europa usaram a infraestrutura financeira do banco para esconder milhões de dólares provenientes de Angola em holdings com contas bancárias europeias. Um desses clientes era a empresa angolana GAM Holdings, alegadamente ligada a Isabel dos Santos, filha do ex-presidente do país.

As transferências, que ascenderam a pelo menos 63 milhões de euros, foram dirigidas a várias empresas, incluindo subsidiárias da GAM Holdings, cujo accionista maioritário, Antonio Mosquito, foi considerado pela comunicação social angolana uma associada comercial de Santos.

Em uma série de e-mails, dos Santos negou qualquer negociação com Mosquito ou Vicente.

Os auditores portugueses constataram que o BPA Europa não cumpria as regras exigidas para “Conheça o Seu Cliente”. Eles identificaram uma falta de devida diligência básica, produzindo uma lista de violações e violações que incluíam o uso de sistemas eletrônicos desatualizados que poderiam permitir que pessoas não autorizadas manejassem contas em nome do banco.

Os auditores disseram que o banco tendia a não adquirir conhecimento básico de seus clientes, comentando que “as características dos proprietários beneficiários finais de pessoas jurídicas não são levadas em consideração … porque eles não são carregados no sistema”.

O BPA Europa também carecia de ferramentas para identificar relações e transações potencialmente suspeitas por clientes corporativos, institucionais e correspondentes, como outros bancos angolanos, incluindo o BNI e o próprio banco-mãe do BPA Europa.

De facto, o BPA Europa parecia ter sido estruturado de forma a garantir que essa informação não seria recolhida, constataram os auditores.

Seus responsáveis ​​pela conformidade – funcionários iniciantes em meio período que os auditores disseram “não ter nenhuma experiência na área” – trabalhavam a céu aberto, próximos a outros departamentos. O chefe da unidade de compliance também era secretário da empresa e “nem tinha conhecimento geral” sobre lavagem de dinheiro, segundo a auditoria.

O resultado foi um processo que “não permitiu a identificação de uma ampla gama de movimentos suspeitos por trás dos crimes de lavagem de dinheiro”, e as consequências foram claras.

Em mais de 60 por cento das contas de clientes individuais examinadas pelos auditores, faltavam informações importantes, como o propósito da relação comercial ou o motivo da transação. O mesmo acontecia com todas as contas corporativas.

Os auditores notaram que a não realização de due diligence por parte dos bancos angolanos e das suas sucursais de Lisboa obscureceu a origem das transacções, criando um ambiente perfeito para o branqueamento de capitais.

Um porta-voz do banco afirmou que este “opera sob as rigorosas regras do Banco Central Europeu e é diretamente supervisionado pelo Banco Central de Portugal, regras que cumprimos na íntegra”.

“A BAE colabora integralmente com todas as autoridades em qualquer assunto, incluindo aqueles relacionados com a Prevenção de Lavagem de Dinheiro e Combate ao Financiamento do Terrorismo ou Compliance, implementando todas as determinações e recomendações emitidas pelos Supervisores.”

O Banco de Portugal não respondeu a pedidos de comentário sobre bancos específicos. No entanto, referiu que entre 2015 e 2016 realizou auditorias a várias instituições financeiras “incluindo aquelas de capital angolano”. O banco disse que as suas auditorias resultaram em mais de 500 medidas de supervisão e 300 processos administrativos, incluindo vários envolvendo lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo. 

Em 2018, a auditoria do Banco de Portugal foi levada ao conhecimento do Governo português, do Banco Central Europeu, da Autoridade Bancária Europeia e do Comissário para os Assuntos Económicos e Monetários da União Europeia.


Mas as autoridades portuguesas pareceram mostrar pouco interesse em examinar as suas conclusões e permitiram que os bancos angolanos continuassem a operar.


“Esta foi a época da crise financeira de Portugal e também foi a altura em que a elite angolana começou a acumular fortunas após a sua longa guerra civil”, disse Gomes sobre o período, durante o qual o governo português foi forçado a aceitar um resgate de $ 110 mil milhões de da UE.


“Portanto, é claro que Portugal ficou feliz em acomodar a necessidade dos angolanos de lavar seu dinheiro e reinvesti-lo, porque isso significava um influxo de dinheiro para o país”, disse ela.

Cada vez mais preocupado com a disseminação da corrupção no setor bancário, Gomes pressionou por uma ação. Em cartas obtidas pelo OCCRP, perguntou ao banco central português o que está a fazer, se é que está a fazer alguma coisa, para travar a actividade suspeita que tem lugar nos bancos angolanos. O Banco de Portugal não respondeu, citando a responsabilidade de manter “sigilo profissional”.


Gomes e quatro outros parlamentares europeus também levantaram a questão em uma carta à Autoridade Bancária Europeia em 2015, mas a agência respondeu que prevenir a lavagem de dinheiro não estava dentro de seu mandato. A EBA não respondeu aos pedidos de comentários.


Vários dos angolanos poderosos que utilizaram a opaca rede financeira violaram ou violaram a legislação portuguesa e da UE contra o branqueamento de capitais, incluindo uma regra que rege as transacções e relações comerciais de pessoas politicamente expostas. No entanto, nenhum deles foi processado.


“A UE precisa tomar medidas concretas para harmonizar os padrões de combate à lavagem de dinheiro …”, disse Maira Martini, especialista em corrupção e fluxos financeiros ilícitos da Transparência Internacional. “Ele também precisa considerar um órgão dedicado de combate à lavagem de dinheiro com poderes para supervisionar e punir os Estados-Membros por não cumprirem.”

Os bancos constituídos pelos angolanos continuam a operar tanto em Cabo Verde como em Portugal. Centenas de milhões passaram pelos bancos-mãe e suas filiais nos últimos anos, e a origem exata de grande parte desse dinheiro permanece desconhecida.

“Se apenas uma fração desses recursos mal obtidos tivesse sido aplicada para fins mais convencionais – saúde, educação, infraestrutura de boa qualidade – nem todos os problemas teriam sido resolvidos”, disse Soares de Oliveira, o professor de Oxford. “Mas Angola seria um país diferente hoje.”

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Post