Israel lança ofensiva aérea e de artilharia em grande escala contra Gaza

 O Exército israelense ataca mais de 150 alvos, principalmente no subsolo, a partir do solo, com forças estacionadas na fronteira, e do ar, na maior escalada do conflito nos últimos sete anos 

Um dilúvio de fogo caiu por mais de 40 minutos na Faixa de Gaza no quinto dia de hostilidades. Israel lançou uma ofensiva terrestre e aérea em grande escala contra o Hamas na manhã de sexta-feira, em uma intervenção sem precedentes desde a guerra de 2014. Mais de 550 tiros de artilharia concentrada e fogo de tanque Na fronteira do enclave, eles se juntaram aos bombardeios massivos de 160 aviões de combate com 450 mísseis contra mais de 150 posições das milícias de Gaza. O principal objetivo do ataque coordenado foi a destruição de grande parte da rede interna de túneis, composta por quilômetros de passagens, por meio das quais os combatentes do Hamas viajam para plataformas de lançamento de foguetes e postos de ataque nas proximidades da linha divisória com Israel, um porta-voz militar relatado no início desta manhã.



O Exército havia inicialmente confirmado a entrada de soldados do outro lado da cerca de separação com Gaza, mas logo depois outra fonte militar oficial esclareceu que houve uma falha de comunicação e que as tropas não haviam penetrado no enclave palestino. “Houve um mal-entendido devido às imprecisões”, reconheceu o porta-voz internacional das Forças Armadas, o tenente-coronel Jonathan Conricus.


A mídia de Gaza garantiu nas redes sociais que durante mais de uma hora houve dezenas de bombardeios terrestres e aéreos que causaram um número indeterminado de mortos e feridos. O Hamas havia alertado em um comunicado que se as tropas israelenses invadissem qualquer parte de Gaza “a ofensiva terrestre oferecerá a oportunidade de aumentar o número de mortos e prisioneiros entre o inimigo”.


O Gabinete de Segurança, órgão do governo que toma decisões importantes em caso de guerra, se reuniu na noite de quinta-feira na sede das Forças Armadas em Tel Aviv para discutir os planos para a chamada Operação Guardião das Muralhas. “O Hamas vai pagar um alto preço por seus ataques a Israel”, disse o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em um comunicado divulgado após a reunião. “A última palavra ainda não foi dita nesta operação, que só terminará quando for necessário”, acrescentou.


O Chefe do Exército, General Avi Kochavi, ordenou o envio de três brigadas para a fronteira, enquanto o Estado-Maior da Divisão Sul mobilizou mais de 9.000 reservistas.

Chaves para entender o conflito entre Israel e Palestina

Pelo menos 115 palestinos – incluindo milicianos e civis, incluindo 27 crianças e 11 mulheres – foram mortos em ataques aéreos israelenses desde o início da ofensiva na tarde de segunda-feira, e mais de 600 pessoas ficaram feridas, segundo o Ministério da Defesa. . O porta-voz oficial do Exército garantiu na manhã desta sexta-feira que os tiros maciços de artilharia foram dirigidos a alvos específicos do Hamas para minimizar os danos colaterais aos civis.


Oito pessoas em Israel, incluindo dois menores e um soldado, morreram devido ao lançamento de foguetes do enclave e outras 200 ficaram feridas. Muitos dos israelenses que vivem em áreas próximas à Faixa pernoitaram em abrigos antiaéreos, enfrentando a queda de cerca de 200 projéteis lançados pelas milícias.


Autoridades do Hamas sinalizaram que estão prontas para um cessar-fogo em nome das milícias de Gaza, relata a Al Jazeera, mas Israel mantém sua rejeição à trégua enquanto os projéteis continuarem caindo em seu território. Mais de 1.700 foguetes foram disparados desde segunda-feira, dos quais 300 caíram dentro da Faixa, sobre o sul e centro do país.


“Agora não é hora de falar”, disse o chefe do Shin Bet (serviço de inteligência interno), Nadav Argaman, que lidera a estratégia de assassinatos seletivos de dezenas de comandantes do Hamas e da Jihad Islâmica, segundo a imprensa hebraica. Até que a aviação e a artilharia tenham esgotado a lista de bancos de dados de alvos militares na Faixa de Gaza, a fim de fortalecer a capacidade de dissuasão de Israel, não se espera que a intensidade das hostilidades comece a diminuir.


Funeral de 15 palestinos que morreram em um ataque aéreo das Forças Israelenses, nesta quinta-feira, em Gaza.

Galeria de fotos: A escalada da violência entre Israel e Palestina

Quatro andares ocupados por chefes de milícias e um prédio de seis andares foram destruídos em ataques da aviação, que concentrou o fogo de seus mísseis contra os blocos mais emblemáticos da Cidade de Gaza.


Escritórios de mídia

Os partidos islâmicos e milícias têm escritórios em muitos deles, mas também hospedam escritórios comerciais ou de mídia, 20 dos quais perderam suas sedes, de acordo com Repórteres Sem Fronteiras.


Em meio a esse clima de incerteza 

Por Moussa Garcia 

14 Maio,2021

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *