Angola, de língua portuguesa, chama a atenção da Comunidade e da Francofonia

 Matar dois coelhos com uma cajadada só. É esta a ambição do novo presidente angolano, João Lourenço, que deseja, contra todas as probabilidades, ver o seu país, uma ex-colónia portuguesa, integrar a Francofonia e a Comunidade Britânica.

A missão não será impossível, segundo o Chefe de Estado, que tenta a todo custo atrair investidores estrangeiros para seu país produtor de petróleo, mas há anos atolado em uma profunda crise econômica.

João Lourenço aponta para Moçambique, outra ex-colônia portuguesa que se juntou à Comunidade em 1995.

“Angola não está rodeada de países de língua portuguesa”, frisou alegremente para justificar a sua iniciativa. É pressionado ao norte pela República Democrática do Congo e Congo-Brazzaville, seguidores da língua de Molière. Ao sul e a leste pela Namibia e Zambia.

“Portanto, não estranhe que estejamos agora a pedir a adesão à Francofonia disse o presidente Angolano.

o errro do presidente Angolano

O povo angolano mal consegue escrever em português porque o sistema de ensino entrou em colapso”, diz ele, “se você não consegue educar o seu povo na língua oficial, qual é o sentido de se em outra comunidades de língua oficial.ja mais a França ira ajudar os Africanos a desenvolver o continente.

Por Moussa Garcia

17 Maio,2021

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *