Uma cimeira para tirar a África da crise e financiar o seu desenvolvimento

 O presidente francês Emmanuel Macron reúne na terça-feira cerca de trinta líderes africanos e europeus, bem como instituições multilaterais, para tentar encontrar soluções sem precedentes para a crise de financiamento de uma África que aspira controlar o seu desenvolvimento e se livrar da armadilha. será precedida na segunda-feira por uma conferência de apoio à transição no Sudão. O primeiro-ministro sudanês, Abdallah Hamdok, havia indicado em entrevista recente à AFP que queria discutir nesta ocasião um “alívio da dívida com o Clube de Paris”, o “maior credor” do país, com cerca de 38% de seus 60 bilhões de dólares em moeda estrangeira dívida.


A ideia desta “Cimeira sobre o financiamento das economias africanas” germinou no outono, quando o Fundo Monetário Internacional calculou que a África corria o risco de encontrar um défice de financiamento (“défice financeiro”) de 290 mil milhões de dólares até 2023.


Certamente, o crescimento do continente, que viveu sua primeira recessão em meio século no ano passado (-2,1%), deve se recuperar 3,4% em 2021 e 4% em 2022. serviço da dívida pública instituído em abril de 2020 por iniciativa do Conselho de Paris O Clube e o G20 também ajudaram a dar um novo fôlego ao suspender o pagamento de 5,7 mil milhões de euros em juros de cerca de cinquenta países.


E o G20 conseguiu convencer a China, de longe o maior credor bilateral do continente, e credores privados, a participar de futuras renegociações da dívida.


Mas isso não será suficiente. “Não podemos fazer com as receitas de ontem” enquanto “coletivamente estamos em processo de abandonar a África para soluções que datam dos anos 60”, estimou Emmanuel Macron no final de abril, apelando a um “financiamento New Deal da África”.


E o chefe de estado francês alertou para o risco de um efeito bumerangue, entre “redução das oportunidades econômicas”, “migração suportada” e “expansão do terrorismo”.


Sem mencionar a pandemia de Covid-19. O continente deplora apenas 130 mil mortos, mas “só uma vitória total, incluindo a África, será capaz de superar esta pandemia”, alertaram 18 líderes africanos e europeus em uma coluna publicada no Jeune Afrique em meados de abril.


– “Diálogo exigente” –


Apelando a uma “moratória imediata ao serviço de todas as dívidas externas (…) até ao fim da pandemia” e a um santuário de ajuda ao desenvolvimento, também instaram o FMI a atribuir direitos de saque especiais (DSE) aos países africanos. proporcionar-lhes “liquidez essencial para a compra de produtos básicos e equipamentos médicos essenciais”.


Se for aceito o princípio da emissão de DES de 650 bilhões de dólares, dos quais 34 serão destinados à África, seu valor é considerado insuficiente, segundo a presidência francesa, o que sugere a venda de ouro do FMI para alimentar empréstimos a juros zero para países africanos.


As condições impostas pelo FMI em troca de seu apoio também continuam em debate.


Na segunda-feira, o presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, pediu-lhe que permitisse que os países africanos deixassem seus déficits orçamentários aumentarem. Eles poderiam “lidar melhor com a pandemia” e “financiar os gastos urgentes da luta contra o terrorismo”, argumentou.


Por sua vez, a Oxfam exige que o FMI e o Banco Mundial renunciem às “condicionalidades fiscais injustas ou regressivas no contexto de seus empréstimos e programas”. Segundo a ONG, a instituição com sede em Washington, por exemplo, exigiu da Nigéria um aumento do IVA que penaliza as famílias mais pobres.


Mas o investimento privado também terá que ser mobilizado para financiar o desenvolvimento de um continente que aspira sair da lógica da assistência.


“O desenvolvimento moderno requer (…) um diálogo exigente com os investidores privados”, em particular para financiar as infraestruturas, e não apenas através de donativos, disse à AFP (BOAD) Serge Ekué, presidente do Banco de Desenvolvimento da África Ocidental.


Um encontro bilateral entre o presidente francês e moçambicano também está agendado à margem da cúpula na manhã de terça-feira, para abordar em particular a situação no norte do país, lutando com uma guerrilha jihadista

 Por Moussa Garcia

17 Maio,2021

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *