JORNAL FACTOS DE ANGOLA CORRUPTOS EM ANGOLA O tráfico de influências, o conflito de interesses, o favoritismo e os privilégios dos detentores do poder na alienação de bens do Estado a seu favor prosseguem sem vergonha

O tráfico de influências, o conflito de interesses, o favoritismo e os privilégios dos detentores do poder na alienação de bens do Estado a seu favor prosseguem sem vergonha

 O EXEMPLO VEM DE CIMA, MAS JOÃO LOURENÇO NÃO O DÁ

Outra maka mais, ai na corimba na cave da casa do Massano governador do BNA, esta a pipocar. a tal de Best Fly esta na jogada de levar as malas nos seus avioes.

O tráfico de influências, o conflito de interesses, o favoritismo e os privilégios dos detentores do poder na alienação de bens do Estado a seu favor prosseguem sem vergonha

O tráfico de influências, o conflito de interesses, o favoritismo e os privilégios dos detentores do poder na alienação de bens do Estado a seu favor prosseguem sem vergonha e ao abrigo de toda a impunidade. A conversa contra a corrupção de João Lourenço e as trapalhadas da Procuradoria-Geral da República na constituição de arguidos sonantes parecem apenas manobras de distracção.

A 12 de Fevereiro passado, Ex ministro das Finanças, Archer Mangueira atual Governador do Namibe , procedeu à alienação de cinco aviões ligeiros, três Beechcraft 1900 e Twin Otter, pertencentes ao Estado angolano.

No seu Despacho n.º 47/18, o ex ministro Archer Mangueira ordenou ao director-geral do Património de Estado, Valentim Joaquim Manuel, a celebração de contratos de compra e venda dos aviões com as seguintes empresas: SJL – Aeronáutica, EAPA e Air Jet ambas pertecente a familia Lourenço.

A SJL – Aeronáutica foi criada em 2010 pelo general Sequeira João Lourenço, irmão do presidente João Lourenço.

Por sua vez a EAPA – Sociedade Agropecuária de Angola é uma empresa pertencente ao actual vice-presidente da Assembleia Nacional e membro do Bureau Político do MPLA, o general Higino Carneiro.

A Air Jet é do ex-oficial da Força Aérea Nacional de Angola (FANA) António de Jesus Janota Bete.

A grande questão que se coloca é muito simples: porquê estes e não outros? O despacho do ex ministro não dá resposta a esta questão. E o que temos é o irmão do presidente da República e o vice-presidente da Assembleia Nacional a fazerem negócios com o Estado.

A questão do irmão do presidente da República coloca na berlinda a Lei da Probidade Pública – Lei n.º 3/10, de 5 de Março. De acordo com o artigo 28.º deste normativo, o agente público deve abster-se de intervir em situações em que estejam em causa seus familiares directos. Ora, atendendo às especificidades da Constituição angolana, qualquer assunto tratado com um ministro é-o juridicamente com o presidente da República, pois o ministro é apenas um auxiliar sem poder próprio. Neste caso concreto, é o presidente João Lourenço que delega poderes no ex ministro Mangueira, que por sua vez delega poderes no director-geral do Património de Estado, Valentim Manuel, para alienar os aviões ao irmão do presidente. Se repararmos, tecnicamente, é o presidente da República quem vende os aviões ao irmão, através de uma cascata de delegações. Isto, obviamente, viola o artigo 28.º da Lei da Probidade Pública.

E, mais do que violar a lei, quer a situação do irmão do presidente, quer a situação do general Higino Carneiro violam a Nova Moral Pública que se esperava que João Lourenço estivesse a implementar. Ficou provado, durante o mandato de José Eduardo dos Santos, que as leis não bastavam. Elas existiam, mas a moral dominante era a do saque. Ninguém cumpria a lei.

Exige-se que João Lourenço vá além dos discursos e comece por praticar uma Nova Moral Pública de civismo, cidadania e cumprimento das normas, de forma exigente e inequívoca.

Fonte https://cnnangola.org/wp/

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Post

94 milhões 670 mil 607 dólares dinheiro roubado pelos Brasileiros, doutora Maria Mendes directora da Maternidade Lucrécia Paim protege um desses burladores94 milhões 670 mil 607 dólares dinheiro roubado pelos Brasileiros, doutora Maria Mendes directora da Maternidade Lucrécia Paim protege um desses burladores

94 milhões 670 mil 607 dólares dinheiro roubado pelos Brasileiros, doutora Maria Mendes directora da Maternidade Lucrécia Paim protege um desses burladores  Andersom de Oliveira Costa brasileiro criminoso protegido pela