FLEC DENUCIA REFINARIA DE CABINDA NAO SERA INAGURADA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2022

Segundo a nota do governo de Cabinda no exilio:

A primeira data anunciada foi o final deste ano, depois transferida para o final do primeiro trimestre de 2022, sendo que há um ano foi esticada até ao final de Junho do próximo ano. Mas não deverá ser cumprida

O prazo de entrada em funcionamento da refinaria de Cabinda deverá ser novamente adiado, depois de se conhecer o estado em que se encontra a construção dos módulos da unidade industrial em Houston (EUA). Só deverão estar em Angola no início de Maio e 60 dias, é um prazo demasiado curto para montar, testar e pôr em funcionamento esta unidade que vai processar 30.000 barris/dia na primeira fase. De acordo com o a Flec, as obras das infraestruturas que vão receber e apoiar a unidade industrial também estão atrasadas relativamente ao que era o plano inicial. 

A acontecer, será a terceira vez que o prazo de execução é adiado o dinheiro foi desviado para seus bolsos dos responsaveis encarregues de montagem da refinaria.

A história dos custos e dos prazos da refinaria de Cabinda começa na altura em que foi entregue à Gemcorp por ajuste directo, dois dias depois da rescisão do contrato com a United Shine, “na sequência do incumprimento das acções acordadas e da não garantia, de forma efectiva, incondicional e concreta”. Tal  o projecto teria um custo de 320 milhões de dólares e não haveria qualquer alteração nos prazos que estavam no concurso internacional, iniciado em 2017 e finalizado a 22 de Janeiro de 2019 com a assinatura do contrato com a United Shine.

Segundo a FLEC,o governo de Angola nunca teve vontade de facilitar o desenvolvimento do territorio de Cabinda sempre o povo foi ignorado a sua existencia.

estes motivos nos levara sempre a combater o governo Angolano ate que deixem o territorio que eles ocuparam em 1974/1975 com ajuda dos Cubanos e Russus.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *