A MORTE LHE FOI RESERVADA NUMA ZONA NOBRE DA CIDADE DE LUANDA BAIRRO HOJI YA HENDA

 

A MORTE LHE FOI RESERVADA  NUMA ZONA NOBRE DA CIDADE DE LUANDA BAIRRO HOJI YA HENDA

Angola onde envenenar alguém por ordens superiores ou por iniciativa própria .

ja é quase um decreto presidencial  ou seja  moda que chegou , pegou e ficou , ocorrência que já não espanta ninguém nem mesmo as famílias das vítimas .

Amigos e conhecidos que pouco ou quase nada fazem ou seja  ainda que quisessem .

Á quem iriam pedir que se fizesse investigações se raramente os eliminados já não estavam na lista dos que tinham que morrer sem vontade de Deus ?

Foi assim no caso do Carbono por exemplo e outros tantos , tantos. .

Que apesar de que ainda não me esqueci da conta certa registrada na minha memória , verdade é que todos os casos quando não silenciados .

São ignorados completamente onde para se viver ou se morrer também depende dos que governam o país , da sua povoação de informantes , lambedores  e dos seus esquadrões da morte na sombra.

Este nosso compatriota aqui na foto entrou na polícia em 1992  e chegou a fazer parte do contingente.

Que fazia guarnição da residência de Jonas Savimbi em Luanda no dia 19 do mês em curso esteve de serviço noturno e saiu no dia seguinte .

E em vez de ir a casa para descansar entendeu passar junto de uns amigos .

Nas imediações do mercado dos Kwanza para varrer uma maldita cerveja Cuca , longe de imaginar que ia ao encontro da morte que lhe reservaram não se sabe desde quando.

Qual não foi o espanto , depois de dar uma golada da tão fresquinha bitola .

Começou logo a secção de vômitos com sangue , levado para o hospital , só foi confirmar que já era mais um cadáver envenenado , lembrei-me do Nelson e outros tantos envenenados.

Uns envenenados na bitola , outros no vinho , na comida , pulverizados com substâncias químicas pelas miúdas da bófia em  quartos de hotéis e hospitais .

No pepsodent , no açúcar e até no feijão com farinha no comba do awilo , e tipo não passou nada , pois é assim em Angola.

Num país governado por gente séria  onde morrer não é decreto presidencial e mais fácil do que se sobreviver .

Nem era  preciso se desenterrar o morto , nem pauladas e socos na cara para se descobrir.

A cor do gato ou da gata que envenenou este compatriota , se por iniciativa própria ou por ordens superiores , mas é Angola estamos falados.

Fernando Vumby

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *