JOÃO PINTO NUNCA ESTUDOU ENSINO MÉDIO! – DITO DALI

  

  JOÃO   PINTO   NUNCA  ESTUDOU ENSINO MÉDIO! – DITO DALI

João Pinto não estudou ensino médio em Angola, nem em outra parte do mundo. Estudou com um certificado falso adquirido no pau-grande. Depois  de ter sido descoberto pela bófia angolana em Portugal, lhe foi colocado naltura duas opções:  

1. Entregar-se ao MPLA para os serviços de  bajulação ou;

2. Cumprir cadeia e ver sua imagem destruida por ter apresentado um certificado falso na faculdade  onde estudou, em Portugal!

Foi assim que o João Pinto decidiu então se entregar ao MPLA a preço de banana e ser usado até aos dias de hoje. João Pinto nunca ousará afrontar ou atirar-se contra o MPLA, ele sabe que tem rabo preso na Secreta angolana e não pode se mexer muito. 

Em 2019 enviei um questionário com perguntas ao João Pinto para responder às seguintes questões:

1. Senhor João Pinto. Queremos saber em que escola de Luanda ou noutro lugar o Sr. frequentou o ensino médio?

2. Qual é o teu número de processo e de estudante?

3. Quais são as turmas e o período que o senhor estudou?

4. Podes nos indicar pelo menos 10 dos teus colegas que tiveste quando estudavas ensino médio?

5. Podes nos dizer os nomes de alguns dos professores que tiveste quando estudavas ensino médio?

6. Quem foi o director geral da mesma escola e o director pedagógico ?

7. Como se chamava o nome da escola onde estudou?

8. Em que bairro se encontra localizada à escola?

Essas perguntas nunca foram respondidas pelo deputado João Pinto, que hoje cobra grau de Licenciado ao Adalberto Costa Júnior!

Senhor João Pinto, eu, Dito Dalí, desafio-te a vires apresentar publicamente o seu certificado do ensino médio e nos faça um favor de responder todas as questões essenciais aqui colocadas em nome da honestidade e Ética, os angolanos merecem um esclarecimento público.

Adalberto Costa Júnior está preparado para debater com todo MPLA em qualquer lugar, é só chamarem-no. Certificado não é grande coisa para ele, o importante é que quer servir os angolanos.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *