CHEGADA DE URNA SEM RESTOS MORTAIS (A experiência soviética)

CHEGADA DE URNA SEM RESTOS MORTAIS (A experiência soviética)

Em Luanda correm  insistentes  rumores segundo as quais   uma urna contendo o suposto  corpo de JES chega no próximo sábado.  Mas de Barcelona a resposta é está em espanhol:  “Desmentido total que o corpo viage esta semana a Angola. O Juiz  diz que o corpo não va se mover”.  

Sequestrar o corpo e levar a revelia a Luanda, também não.  Trazer  de Barcelona uma urna vazia, para fazer crer  que ganharam as filhas de JES e simular enterro, em Luanda? Se no velório, em Luanda, arranjaram uma nova “primogênita” do malogrado,  já ninguém  duvida das soluções que o governo apresenta  para as encrencas em que se mete. 

Os que estão dentro do MPLA,  mas que, ao mesmo  tempo,   não estão  dentro das suas gêneses, dirão que o “partido” seria incapaz de incorrer a isso. O jornalista e historiador José  Milhazes  que viveu em Moscovo, que nos conte, a solução soviética. 

Segundo as memórias de Karen Brutentz, antigo vice-presidente da Secção Internacional do Comité Central do Partido Comunista da União Soviética (PCUS), citado por José Milhazes no livro “Angola – O Princípio do Fim da União Soviética”, quando o Presidente Agostinho Neto morreu em Moscovo, o embaixador soviético  em Luanda propôs o envio de uma urna sem corpo do malogrado Presidente. 

Segundo Karen Brutentz, “Devido a uma proposta insensata do nosso embaixador o cadáver de Neto ficou para embalsamar em Moscovo, enquanto que os angolanos em luto despediam-se de Agostinho Neto sem saberem que a urna que passava estava vazia”. 

O cadáver de Agostinho Neto ficou em Moscovo para ser embalsamado, mas as «aventuras» continuaram: “o cadáver depois de embalsamado foi colocado numa urna de vidro hermeticamente fechada e transportado para Angola, (desta forma evitava-se que fosse feito qualquer exame). Quando chegou a Luanda, os dirigentes angolanos deram conta de que Agostinho Neto vinha sem óculos e queixaram-se aos russos de o cadáver não ser parecido com ele”. 

“Tivemos de trazer novamente o cadáver para Moscovo, abrir a urna de vidro e colocar os óculos no rosto do cadáver. Na Rússia não existe o costume de se sepultar os cadáveres com óculos!”,  esclarece Karen Brutentz

José Gama


 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *