JORNAL FACTOS DE ANGOLA NACIONAL Corrupto An­tó­nio Mos­qui­to um dos vá­ri­os tes­tas-de-fer­ro de Isa­bel dos San­tos e do falecido Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos

Corrupto An­tó­nio Mos­qui­to um dos vá­ri­os tes­tas-de-fer­ro de Isa­bel dos San­tos e do falecido Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos

Corrupto An­tó­nio Mos­qui­to um dos vá­ri­os tes­tas-de-fer­ro de Isa­bel dos San­tos e do falecido Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos post thumbnail image

Acom­pra por 10,4 mi­lhões de eu­ros de 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, em­pre­sa pro­pri­e­tá­ria – en­tre ou­tros mei­os – dos jor­nais por­tu­gue­ses Diá­rio de No­tí­ci­as, Jor­nal de No­tí­ci­as e da rá­dio TSF, tor­na cla­ro o fre­te pres­ta­do, pe­lo la­ran­ja, vul­go tes­ta de fer­ro, An­tó­nio Mos- quito, não só à fi­lha, co­mo tam­bém ao Pre­si­den­te Edu­ar­do dos San­tos. “Ele não tem es­se di­nhei­ro, nun­ca te­ve. Se fos­se de­le, en­tão as su­as em­pre­sas em An­go­la res­pi­ra­ri­am saú­de. Ele tem di­fi­cul­da­des, tem sa­lá­ri­os em atra­so e in­dem­ni­za­ções pa­ra pa­gar aos tra­ba­lha­do­res an­go­la­nos, por­tan­to, na mi­nha opi­nião, ele é ape­nas o la­va­dor do di­nhei­ro su­jo e da cor­rup­ção de um re­gi­me, que hu­mi­lha os seus pa­ra dar show no es­tran­gei­ro”, afir­mou o eco­no­mis­ta Jú­lio Cam­pos. No en­tan­to, tal co­mo em An­go­la, tam­bém em Por­tu­gal, nas mais re­cen­tes aqui­si­ções, ao que pa­re­ce, o clã Dos San­tos, atra­vés de An­tó­nio Mos­qui­to, co­me­çam já a dei­xar uma fa­ma na­da boa, pois ao que F8 apu­rou, tra­ba­lha­do­res ago­ra des­pe­di­dos da Con­tro­lin­ves­te (gru­po de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al) es­tu­dam a pos­si­bi­li­da­de de apre­sen­tar quei­xa ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co por­tu­guês so­bre a ori­gem do di­nhei­ro de Mos­qui­to, en­qua­dran­do es­se in­ves­ti­men­to co­mo uma ope­ra­ção de la­va­gem de di­nhei­ro, co­nhe­ci­da que é a di­fi­cul­da­de in­ter­na das su­as em­pre­sas. In­ves­ti­ga­ções jor­na­lís­ti­cas apon­tam pa­ra que a fi­lha do pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos te­nha pa­go a An­tó­nio Mos­qui­to uma avul­ta­da co­mis­são, en­tre 10 a 20%, so­bre o va­lor des­pen­di­do na com­pra da So­a­res da Cos­ta e dos 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, cu­jo va­lor apon­ta­do (10,4 mi­lhões de eu­ros) co­mo li­qui­da­do em “di­nhei­ro vi­vo” po­de não ser o cor­rec­to. A apos­ta de Isa­bel dos San­tos em An­tó­nio Mos­qui­to vi­sa mas­ca­rar os seus in­ves­ti­men­tos que, em mui­to, ul­tra­pas­sam a sua ban­dei­ra pro­pa­gan­dís­ti­ca dos cri­té­ri­os ex­clu­si­va­men­te eco­nó­mi­cos. Cer­to é que An­tó­nio Mos­qui­to não tem ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra su­por­tar os in­ves­ti­men­tos que fez em Por­tu­gal, até por­que in­ter­na­men­te as su­as em­pre­sas não pres­tam con­tas nem são au­di­ta­das, sen­do voz cor­ren­te que es­tão mes­mo em que­da, ra­zão pe­la qual o em­pre­sá­rio tem si­tu­a­ções de tra­ba­lha­do­res com sa­lá­ri­os em atra­so e dí­vi­das que, por co­ber­tu­ra po­lí­ti­ca do re­gi­me, ain­da não se tor­na­ram um es­cân­da­lo. Os ne­gó­ci­os na área dos

Acom­pra por 10,4 mi­lhões de eu­ros de 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, em­pre­sa pro­pri­e­tá­ria – en­tre ou­tros mei­os – dos jor­nais por­tu­gue­ses Diá­rio de No­tí­ci­as, Jor­nal de No­tí­ci­as e da rá­dio TSF, tor­na cla­ro o fre­te pres­ta­do, pe­lo la­ran­ja, vul­go tes­ta de fer­ro, An­tó­nio Mos- quito, não só à fi­lha, co­mo tam­bém ao Pre­si­den­te Edu­ar­do dos San­tos. “Ele não tem es­se di­nhei­ro, nun­ca te­ve. Se fos­se de­le, en­tão as su­as em­pre­sas em An­go­la res­pi­ra­ri­am saú­de. Ele tem di­fi­cul­da­des, tem sa­lá­ri­os em atra­so e in­dem­ni­za­ções pa­ra pa­gar aos tra­ba­lha­do­res an­go­la­nos, por­tan­to, na mi­nha opi­nião, ele é ape­nas o la­va­dor do di­nhei­ro su­jo e da cor­rup­ção de um re­gi­me, que hu­mi­lha os seus pa­ra dar show no es­tran­gei­ro”, afir­mou o eco­no­mis­ta Jú­lio Cam­pos. No en­tan­to, tal co­mo em An­go­la, tam­bém em Por­tu­gal, nas mais re­cen­tes aqui­si­ções, ao que pa­re­ce, o clã Dos San­tos, atra­vés de An­tó­nio Mos­qui­to, co­me­çam já a dei­xar uma fa­ma na­da boa, pois ao que F8 apu­rou, tra­ba­lha­do­res ago­ra des­pe­di­dos da Con­tro­lin­ves­te (gru­po de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al) es­tu­dam a pos­si­bi­li­da­de de apre­sen­tar quei­xa ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co por­tu­guês so­bre a ori­gem do di­nhei­ro de Mos­qui­to, en­qua­dran­do es­se in­ves­ti­men­to co­mo uma ope­ra­ção de la­va­gem de di­nhei­ro, co­nhe­ci­da que é a di­fi­cul­da­de in­ter­na das su­as em­pre­sas. In­ves­ti­ga­ções jor­na­lís­ti­cas apon­tam pa­ra que a fi­lha do pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos te­nha pa­go a An­tó­nio Mos­qui­to uma avul­ta­da co­mis­são, en­tre 10 a 20%, so­bre o va­lor des­pen­di­do na com­pra da So­a­res da Cos­ta e dos 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, cu­jo va­lor apon­ta­do (10,4 mi­lhões de eu­ros) co­mo li­qui­da­do em “di­nhei­ro vi­vo” po­de não ser o cor­rec­to. A apos­ta de Isa­bel dos San­tos em An­tó­nio Mos­qui­to vi­sa mas­ca­rar os seus in­ves­ti­men­tos que, em mui­to, ul­tra­pas­sam a sua ban­dei­ra pro­pa­gan­dís­ti­ca dos cri­té­ri­os ex­clu­si­va­men­te eco­nó­mi­cos. Cer­to é que An­tó­nio Mos­qui­to não tem ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra su­por­tar os in­ves­ti­men­tos que fez em Por­tu­gal, até por­que in­ter­na­men­te as su­as em­pre­sas não pres­tam con­tas nem são au­di­ta­das, sen­do voz cor­ren­te que es­tão mes­mo em que­da, ra­zão pe­la qual o em­pre­sá­rio tem si­tu­a­ções de tra­ba­lha­do­res com sa­lá­ri­os em atra­so e dí­vi­das que, por co­ber­tu­ra po­lí­ti­ca do re­gi­me, ain­da não se tor­na­ram um es­cân­da­lo. Os ne­gó­ci­os na área dos

Acom­pra por 10,4 mi­lhões de eu­ros de 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, em­pre­sa pro­pri­e­tá­ria – en­tre ou­tros mei­os – dos jor­nais por­tu­gue­ses Diá­rio de No­tí­ci­as, Jor­nal de No­tí­ci­as e da rá­dio TSF, tor­na cla­ro o fre­te pres­ta­do, pe­lo la­ran­ja, vul­go tes­ta de fer­ro, An­tó­nio Mos- quito, não só à fi­lha, co­mo tam­bém ao Pre­si­den­te Edu­ar­do dos San­tos. “Ele não tem es­se di­nhei­ro, nun­ca te­ve. Se fos­se de­le, en­tão as su­as em­pre­sas em An­go­la res­pi­ra­ri­am saú­de. Ele tem di­fi­cul­da­des, tem sa­lá­ri­os em atra­so e in­dem­ni­za­ções pa­ra pa­gar aos tra­ba­lha­do­res an­go­la­nos, por­tan­to, na mi­nha opi­nião, ele é ape­nas o la­va­dor do di­nhei­ro su­jo e da cor­rup­ção de um re­gi­me, que hu­mi­lha os seus pa­ra dar show no es­tran­gei­ro”, afir­mou o eco­no­mis­ta Jú­lio Cam­pos. No en­tan­to, tal co­mo em An­go­la, tam­bém em Por­tu­gal, nas mais re­cen­tes aqui­si­ções, ao que pa­re­ce, o clã Dos San­tos, atra­vés de An­tó­nio Mos­qui­to, co­me­çam já a dei­xar uma fa­ma na­da boa, pois ao que F8 apu­rou, tra­ba­lha­do­res ago­ra des­pe­di­dos da Con­tro­lin­ves­te (gru­po de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al) es­tu­dam a pos­si­bi­li­da­de de apre­sen­tar quei­xa ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co por­tu­guês so­bre a ori­gem do di­nhei­ro de Mos­qui­to, en­qua­dran­do es­se in­ves­ti­men­to co­mo uma ope­ra­ção de la­va­gem de di­nhei­ro, co­nhe­ci­da que é a di­fi­cul­da­de in­ter­na das su­as em­pre­sas. In­ves­ti­ga­ções jor­na­lís­ti­cas apon­tam pa­ra que a fi­lha do pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos te­nha pa­go a An­tó­nio Mos­qui­to uma avul­ta­da co­mis­são, en­tre 10 a 20%, so­bre o va­lor des­pen­di­do na com­pra da So­a­res da Cos­ta e dos 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, cu­jo va­lor apon­ta­do (10,4 mi­lhões de eu­ros) co­mo li­qui­da­do em “di­nhei­ro vi­vo” po­de não ser o cor­rec­to. A apos­ta de Isa­bel dos San­tos em An­tó­nio Mos­qui­to vi­sa mas­ca­rar os seus in­ves­ti­men­tos que, em mui­to, ul­tra­pas­sam a sua ban­dei­ra pro­pa­gan­dís­ti­ca dos cri­té­ri­os ex­clu­si­va­men­te eco­nó­mi­cos. Cer­to é que An­tó­nio Mos­qui­to não tem ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra su­por­tar os in­ves­ti­men­tos que fez em Por­tu­gal, até por­que in­ter­na­men­te as su­as em­pre­sas não pres­tam con­tas nem são au­di­ta­das, sen­do voz cor­ren­te que es­tão mes­mo em que­da, ra­zão pe­la qual o em­pre­sá­rio tem si­tu­a­ções de tra­ba­lha­do­res com sa­lá­ri­os em atra­so e dí­vi­das que, por co­ber­tu­ra po­lí­ti­ca do re­gi­me, ain­da não se tor­na­ram um es­cân­da­lo. Os ne­gó­ci­os na área dos

Acom­pra por 10,4 mi­lhões de eu­ros de 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, em­pre­sa pro­pri­e­tá­ria – en­tre ou­tros mei­os – dos jor­nais por­tu­gue­ses Diá­rio de No­tí­ci­as, Jor­nal de No­tí­ci­as e da rá­dio TSF, tor­na cla­ro o fre­te pres­ta­do, pe­lo la­ran­ja, vul­go tes­ta de fer­ro, An­tó­nio Mos- quito, não só à fi­lha, co­mo tam­bém ao Pre­si­den­te Edu­ar­do dos San­tos. “Ele não tem es­se di­nhei­ro, nun­ca te­ve. Se fos­se de­le, en­tão as su­as em­pre­sas em An­go­la res­pi­ra­ri­am saú­de. Ele tem di­fi­cul­da­des, tem sa­lá­ri­os em atra­so e in­dem­ni­za­ções pa­ra pa­gar aos tra­ba­lha­do­res an­go­la­nos, por­tan­to, na mi­nha opi­nião, ele é ape­nas o la­va­dor do di­nhei­ro su­jo e da cor­rup­ção de um re­gi­me, que hu­mi­lha os seus pa­ra dar show no es­tran­gei­ro”, afir­mou o eco­no­mis­ta Jú­lio Cam­pos. No en­tan­to, tal co­mo em An­go­la, tam­bém em Por­tu­gal, nas mais re­cen­tes aqui­si­ções, ao que pa­re­ce, o clã Dos San­tos, atra­vés de An­tó­nio Mos­qui­to, co­me­çam já a dei­xar uma fa­ma na­da boa, pois ao que F8 apu­rou, tra­ba­lha­do­res ago­ra des­pe­di­dos da Con­tro­lin­ves­te (gru­po de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al) es­tu­dam a pos­si­bi­li­da­de de apre­sen­tar quei­xa ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co por­tu­guês so­bre a ori­gem do di­nhei­ro de Mos­qui­to, en­qua­dran­do es­se in­ves­ti­men­to co­mo uma ope­ra­ção de la­va­gem de di­nhei­ro, co­nhe­ci­da que é a di­fi­cul­da­de in­ter­na das su­as em­pre­sas. In­ves­ti­ga­ções jor­na­lís­ti­cas apon­tam pa­ra que a fi­lha do pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos te­nha pa­go a An­tó­nio Mos­qui­to uma avul­ta­da co­mis­são, en­tre 10 a 20%, so­bre o va­lor des­pen­di­do na com­pra da So­a­res da Cos­ta e dos 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, cu­jo va­lor apon­ta­do (10,4 mi­lhões de eu­ros) co­mo li­qui­da­do em “di­nhei­ro vi­vo” po­de não ser o cor­rec­to. A apos­ta de Isa­bel dos San­tos em An­tó­nio Mos­qui­to vi­sa mas­ca­rar os seus in­ves­ti­men­tos que, em mui­to, ul­tra­pas­sam a sua ban­dei­ra pro­pa­gan­dís­ti­ca dos cri­té­ri­os ex­clu­si­va­men­te eco­nó­mi­cos. Cer­to é que An­tó­nio Mos­qui­to não tem ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra su­por­tar os in­ves­ti­men­tos que fez em Por­tu­gal, até por­que in­ter­na­men­te as su­as em­pre­sas não pres­tam con­tas nem são au­di­ta­das, sen­do voz cor­ren­te que es­tão mes­mo em que­da, ra­zão pe­la qual o em­pre­sá­rio tem si­tu­a­ções de tra­ba­lha­do­res com sa­lá­ri­os em atra­so e dí­vi­das que, por co­ber­tu­ra po­lí­ti­ca do re­gi­me, ain­da não se tor­na­ram um es­cân­da­lo. Os ne­gó­ci­os na área dos

Acom­pra por 10,4 mi­lhões de eu­ros de 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, em­pre­sa pro­pri­e­tá­ria – en­tre ou­tros mei­os – dos jor­nais por­tu­gue­ses Diá­rio de No­tí­ci­as, Jor­nal de No­tí­ci­as e da rá­dio TSF, tor­na cla­ro o fre­te pres­ta­do, pe­lo la­ran­ja, vul­go tes­ta de fer­ro, An­tó­nio Mos- quito, não só à fi­lha, co­mo tam­bém ao Pre­si­den­te Edu­ar­do dos San­tos. “Ele não tem es­se di­nhei­ro, nun­ca te­ve. Se fos­se de­le, en­tão as su­as em­pre­sas em An­go­la res­pi­ra­ri­am saú­de. Ele tem di­fi­cul­da­des, tem sa­lá­ri­os em atra­so e in­dem­ni­za­ções pa­ra pa­gar aos tra­ba­lha­do­res an­go­la­nos, por­tan­to, na mi­nha opi­nião, ele é ape­nas o la­va­dor do di­nhei­ro su­jo e da cor­rup­ção de um re­gi­me, que hu­mi­lha os seus pa­ra dar show no es­tran­gei­ro”, afir­mou o eco­no­mis­ta Jú­lio Cam­pos. No en­tan­to, tal co­mo em An­go­la, tam­bém em Por­tu­gal, nas mais re­cen­tes aqui­si­ções, ao que pa­re­ce, o clã Dos San­tos, atra­vés de An­tó­nio Mos­qui­to, co­me­çam já a dei­xar uma fa­ma na­da boa, pois ao que F8 apu­rou, tra­ba­lha­do­res ago­ra des­pe­di­dos da Con­tro­lin­ves­te (gru­po de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al) es­tu­dam a pos­si­bi­li­da­de de apre­sen­tar quei­xa ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co por­tu­guês so­bre a ori­gem do di­nhei­ro de Mos­qui­to, en­qua­dran­do es­se in­ves­ti­men­to co­mo uma ope­ra­ção de la­va­gem de di­nhei­ro, co­nhe­ci­da que é a di­fi­cul­da­de in­ter­na das su­as em­pre­sas. In­ves­ti­ga­ções jor­na­lís­ti­cas apon­tam pa­ra que a fi­lha do pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos te­nha pa­go a An­tó­nio Mos­qui­to uma avul­ta­da co­mis­são, en­tre 10 a 20%, so­bre o va­lor des­pen­di­do na com­pra da So­a­res da Cos­ta e dos 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, cu­jo va­lor apon­ta­do (10,4 mi­lhões de eu­ros) co­mo li­qui­da­do em “di­nhei­ro vi­vo” po­de não ser o cor­rec­to. A apos­ta de Isa­bel dos San­tos em An­tó­nio Mos­qui­to vi­sa mas­ca­rar os seus in­ves­ti­men­tos que, em mui­to, ul­tra­pas­sam a sua ban­dei­ra pro­pa­gan­dís­ti­ca dos cri­té­ri­os ex­clu­si­va­men­te eco­nó­mi­cos. Cer­to é que An­tó­nio Mos­qui­to não tem ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra su­por­tar os in­ves­ti­men­tos que fez em Por­tu­gal, até por­que in­ter­na­men­te as su­as em­pre­sas não pres­tam con­tas nem são au­di­ta­das, sen­do voz cor­ren­te que es­tão mes­mo em que­da, ra­zão pe­la qual o em­pre­sá­rio tem si­tu­a­ções de tra­ba­lha­do­res com sa­lá­ri­os em atra­so e dí­vi­das que, por co­ber­tu­ra po­lí­ti­ca do re­gi­me, ain­da não se tor­na­ram um es­cân­da­lo. Os ne­gó­ci­os na área dos

Acom­pra por 10,4 mi­lhões de eu­ros de 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, em­pre­sa pro­pri­e­tá­ria – en­tre ou­tros mei­os – dos jor­nais por­tu­gue­ses Diá­rio de No­tí­ci­as, Jor­nal de No­tí­ci­as e da rá­dio TSF, tor­na cla­ro o fre­te pres­ta­do, pe­lo la­ran­ja, vul­go tes­ta de fer­ro, An­tó­nio Mos- quito, não só à fi­lha, co­mo tam­bém ao Pre­si­den­te Edu­ar­do dos San­tos. “Ele não tem es­se di­nhei­ro, nun­ca te­ve. Se fos­se de­le, en­tão as su­as em­pre­sas em An­go­la res­pi­ra­ri­am saú­de. Ele tem di­fi­cul­da­des, tem sa­lá­ri­os em atra­so e in­dem­ni­za­ções pa­ra pa­gar aos tra­ba­lha­do­res an­go­la­nos, por­tan­to, na mi­nha opi­nião, ele é ape­nas o la­va­dor do di­nhei­ro su­jo e da cor­rup­ção de um re­gi­me, que hu­mi­lha os seus pa­ra dar show no es­tran­gei­ro”, afir­mou o eco­no­mis­ta Jú­lio Cam­pos. No en­tan­to, tal co­mo em An­go­la, tam­bém em Por­tu­gal, nas mais re­cen­tes aqui­si­ções, ao que pa­re­ce, o clã Dos San­tos, atra­vés de An­tó­nio Mos­qui­to, co­me­çam já a dei­xar uma fa­ma na­da boa, pois ao que F8 apu­rou, tra­ba­lha­do­res ago­ra des­pe­di­dos da Con­tro­lin­ves­te (gru­po de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al) es­tu­dam a pos­si­bi­li­da­de de apre­sen­tar quei­xa ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co por­tu­guês so­bre a ori­gem do di­nhei­ro de Mos­qui­to, en­qua­dran­do es­se in­ves­ti­men­to co­mo uma ope­ra­ção de la­va­gem de di­nhei­ro, co­nhe­ci­da que é a di­fi­cul­da­de in­ter­na das su­as em­pre­sas. In­ves­ti­ga­ções jor­na­lís­ti­cas apon­tam pa­ra que a fi­lha do pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos te­nha pa­go a An­tó­nio Mos­qui­to uma avul­ta­da co­mis­são, en­tre 10 a 20%, so­bre o va­lor des­pen­di­do na com­pra da So­a­res da Cos­ta e dos 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, cu­jo va­lor apon­ta­do (10,4 mi­lhões de eu­ros) co­mo li­qui­da­do em “di­nhei­ro vi­vo” po­de não ser o cor­rec­to. A apos­ta de Isa­bel dos San­tos em An­tó­nio Mos­qui­to vi­sa mas­ca­rar os seus in­ves­ti­men­tos que, em mui­to, ul­tra­pas­sam a sua ban­dei­ra pro­pa­gan­dís­ti­ca dos cri­té­ri­os ex­clu­si­va­men­te eco­nó­mi­cos. Cer­to é que An­tó­nio Mos­qui­to não tem ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra su­por­tar os in­ves­ti­men­tos que fez em Por­tu­gal, até por­que in­ter­na­men­te as su­as em­pre­sas não pres­tam con­tas nem são au­di­ta­das, sen­do voz cor­ren­te que es­tão mes­mo em que­da, ra­zão pe­la qual o em­pre­sá­rio tem si­tu­a­ções de tra­ba­lha­do­res com sa­lá­ri­os em atra­so e dí­vi­das que, por co­ber­tu­ra po­lí­ti­ca do re­gi­me, ain­da não se tor­na­ram um es­cân­da­lo. Os ne­gó­ci­os na área dos

Acom­pra por 10,4 mi­lhões de eu­ros de 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, em­pre­sa pro­pri­e­tá­ria – en­tre ou­tros mei­os – dos jor­nais por­tu­gue­ses Diá­rio de No­tí­ci­as, Jor­nal de No­tí­ci­as e da rá­dio TSF, tor­na cla­ro o fre­te pres­ta­do, pe­lo la­ran­ja, vul­go tes­ta de fer­ro, An­tó­nio Mos- quito, não só à fi­lha, co­mo tam­bém ao Pre­si­den­te Edu­ar­do dos San­tos. “Ele não tem es­se di­nhei­ro, nun­ca te­ve. Se fos­se de­le, en­tão as su­as em­pre­sas em An­go­la res­pi­ra­ri­am saú­de. Ele tem di­fi­cul­da­des, tem sa­lá­ri­os em atra­so e in­dem­ni­za­ções pa­ra pa­gar aos tra­ba­lha­do­res an­go­la­nos, por­tan­to, na mi­nha opi­nião, ele é ape­nas o la­va­dor do di­nhei­ro su­jo e da cor­rup­ção de um re­gi­me, que hu­mi­lha os seus pa­ra dar show no es­tran­gei­ro”, afir­mou o eco­no­mis­ta Jú­lio Cam­pos. No en­tan­to, tal co­mo em An­go­la, tam­bém em Por­tu­gal, nas mais re­cen­tes aqui­si­ções, ao que pa­re­ce, o clã Dos San­tos, atra­vés de An­tó­nio Mos­qui­to, co­me­çam já a dei­xar uma fa­ma na­da boa, pois ao que F8 apu­rou, tra­ba­lha­do­res ago­ra des­pe­di­dos da Con­tro­lin­ves­te (gru­po de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al) es­tu­dam a pos­si­bi­li­da­de de apre­sen­tar quei­xa ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co por­tu­guês so­bre a ori­gem do di­nhei­ro de Mos­qui­to, en­qua­dran­do es­se in­ves­ti­men­to co­mo uma ope­ra­ção de la­va­gem de di­nhei­ro, co­nhe­ci­da que é a di­fi­cul­da­de in­ter­na das su­as em­pre­sas. In­ves­ti­ga­ções jor­na­lís­ti­cas apon­tam pa­ra que a fi­lha do pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos te­nha pa­go a An­tó­nio Mos­qui­to uma avul­ta­da co­mis­são, en­tre 10 a 20%, so­bre o va­lor des­pen­di­do na com­pra da So­a­res da Cos­ta e dos 27,5% da Con­tro­lin­ves­te, cu­jo va­lor apon­ta­do (10,4 mi­lhões de eu­ros) co­mo li­qui­da­do em “di­nhei­ro vi­vo” po­de não ser o cor­rec­to. A apos­ta de Isa­bel dos San­tos em An­tó­nio Mos­qui­to vi­sa mas­ca­rar os seus in­ves­ti­men­tos que, em mui­to, ul­tra­pas­sam a sua ban­dei­ra pro­pa­gan­dís­ti­ca dos cri­té­ri­os ex­clu­si­va­men­te eco­nó­mi­cos. Cer­to é que An­tó­nio Mos­qui­to não tem ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra su­por­tar os in­ves­ti­men­tos que fez em Por­tu­gal, até por­que in­ter­na­men­te as su­as em­pre­sas não pres­tam con­tas nem são au­di­ta­das, sen­do voz cor­ren­te que es­tão mes­mo em que­da, ra­zão pe­la qual o em­pre­sá­rio tem si­tu­a­ções de tra­ba­lha­do­res com sa­lá­ri­os em atra­so e dí­vi­das que, por co­ber­tu­ra po­lí­ti­ca do re­gi­me, ain­da não se tor­na­ram um es­cân­da­lo. Os ne­gó­ci­os na área dos

pe­tró­le­os e nos au­to­mó­veis (prin­ci­pais mo­to­res eco­nó­mi­cos do seu gru­po) es­tão em que­da li­vre e cor­rem o ris­co de um es­tron­do­so des­ca­la­bro. O que te­rá le­va­do An­tó­nio Mos­qui­to a al­te­rar a sua po­si­ção crí­ti­ca con­tra os avan­ços do clã pre­si­den­ci­al so­bre os seus ne­gó­ci­os? Re­cor­de-se, por exem­plo, que em 2005, pro­tes­tou de for­ma ve­e­men­te con­tra a ce­dên­cia ar­bi­trá­ria de 16% que a Mba­kas­si & Fi­lhos de­via de­ter na An­car – Au­to­mó­veis de An­go­la, a Tchi­zé dos San­tos, ou­tra fi­lha de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. A An­car fun­dia in­te­res­ses da Aca­pir, em­pre­sa per­ten­cen­te a Tchi­zé dos San­tos; da GEFI, a hol­ding em­pre­sa­ri­al do MPLA; da Su­nin­vest, a hol­ding em­pre­sa­ri­al da Fun­da- ção Edu­ar­do dos San­tos; e da Mba­kas­si & Fi­lhos (An­tó­nio Mos­qui­to), na ins­ta­la­ção de uma fá­bri­ca de mon­ta­gem de viaturas das mar­cas Volkswa­gen e Sko­da, em Lu­an­da. À da­ta, o pre­si­den­te da Fun­da­ção Edu­ar­do dos San­tos (FESA), Is­ma­el Di­o­go, foi ex­plí­ci­to ao afir­mar que, “na qua­li­da­de de man­da­tá­rio do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, pa­ra es­cla­re­ci­men­to das cir­cuns­tân­ci­as e ve­ra­ci­da­de de que a par­ti­ci­pa­ção na so­ci­e­da­de An­car – Au­to­mó­veis de An­go­la da ACA­PIR Lda. se de­via ao fac­to de uma só­cia ser fi­lha do Che­fe de Es­ta­do pa­ra a ob­ten­ção de fa­vo­res des­te pa­ra apro­va­ção do pro­jec­to de in­ves­ti­men­to da An­car Worldwi­de In­vest­ments Hol­ding (…).”

pe­tró­le­os e nos au­to­mó­veis (prin­ci­pais mo­to­res eco­nó­mi­cos do seu gru­po) es­tão em que­da li­vre e cor­rem o ris­co de um es­tron­do­so des­ca­la­bro. O que te­rá le­va­do An­tó­nio Mos­qui­to a al­te­rar a sua po­si­ção crí­ti­ca con­tra os avan­ços do clã pre­si­den­ci­al so­bre os seus ne­gó­ci­os? Re­cor­de-se, por exem­plo, que em 2005, pro­tes­tou de for­ma ve­e­men­te con­tra a ce­dên­cia ar­bi­trá­ria de 16% que a Mba­kas­si & Fi­lhos de­via de­ter na An­car – Au­to­mó­veis de An­go­la, a Tchi­zé dos San­tos, ou­tra fi­lha de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. A An­car fun­dia in­te­res­ses da Aca­pir, em­pre­sa per­ten­cen­te a Tchi­zé dos San­tos; da GEFI, a hol­ding em­pre­sa­ri­al do MPLA; da Su­nin­vest, a hol­ding em­pre­sa­ri­al da Fun­da- ção Edu­ar­do dos San­tos; e da Mba­kas­si & Fi­lhos (An­tó­nio Mos­qui­to), na ins­ta­la­ção de uma fá­bri­ca de mon­ta­gem de viaturas das mar­cas Volkswa­gen e Sko­da, em Lu­an­da. À da­ta, o pre­si­den­te da Fun­da­ção Edu­ar­do dos San­tos (FESA), Is­ma­el Di­o­go, foi ex­plí­ci­to ao afir­mar que, “na qua­li­da­de de man­da­tá­rio do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, pa­ra es­cla­re­ci­men­to das cir­cuns­tân­ci­as e ve­ra­ci­da­de de que a par­ti­ci­pa­ção na so­ci­e­da­de An­car – Au­to­mó­veis de An­go­la da ACA­PIR Lda. se de­via ao fac­to de uma só­cia ser fi­lha do Che­fe de Es­ta­do pa­ra a ob­ten­ção de fa­vo­res des­te pa­ra apro­va­ção do pro­jec­to de in­ves­ti­men­to da An­car Worldwi­de In­vest­ments Hol­ding (…).”

pe­tró­le­os e nos au­to­mó­veis (prin­ci­pais mo­to­res eco­nó­mi­cos do seu gru­po) es­tão em que­da li­vre e cor­rem o ris­co de um es­tron­do­so des­ca­la­bro. O que te­rá le­va­do An­tó­nio Mos­qui­to a al­te­rar a sua po­si­ção crí­ti­ca con­tra os avan­ços do clã pre­si­den­ci­al so­bre os seus ne­gó­ci­os? Re­cor­de-se, por exem­plo, que em 2005, pro­tes­tou de for­ma ve­e­men­te con­tra a ce­dên­cia ar­bi­trá­ria de 16% que a Mba­kas­si & Fi­lhos de­via de­ter na An­car – Au­to­mó­veis de An­go­la, a Tchi­zé dos San­tos, ou­tra fi­lha de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. A An­car fun­dia in­te­res­ses da Aca­pir, em­pre­sa per­ten­cen­te a Tchi­zé dos San­tos; da GEFI, a hol­ding em­pre­sa­ri­al do MPLA; da Su­nin­vest, a hol­ding em­pre­sa­ri­al da Fun­da- ção Edu­ar­do dos San­tos; e da Mba­kas­si & Fi­lhos (An­tó­nio Mos­qui­to), na ins­ta­la­ção de uma fá­bri­ca de mon­ta­gem de viaturas das mar­cas Volkswa­gen e Sko­da, em Lu­an­da. À da­ta, o pre­si­den­te da Fun­da­ção Edu­ar­do dos San­tos (FESA), Is­ma­el Di­o­go, foi ex­plí­ci­to ao afir­mar que, “na qua­li­da­de de man­da­tá­rio do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, pa­ra es­cla­re­ci­men­to das cir­cuns­tân­ci­as e ve­ra­ci­da­de de que a par­ti­ci­pa­ção na so­ci­e­da­de An­car – Au­to­mó­veis de An­go­la da ACA­PIR Lda. se de­via ao fac­to de uma só­cia ser fi­lha do Che­fe de Es­ta­do pa­ra a ob­ten­ção de fa­vo­res des­te pa­ra apro­va­ção do pro­jec­to de in­ves­ti­men­to da An­car Worldwi­de In­vest­ments Hol­ding (…).”

An­tó­nio Mos­qui­to não tem ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra su­por­tar os in­ves­ti­men­tos que fez em Por­tu­gal

A ac­ta do en­con­tro, co­mo re­ve­lou Ra­fa­el Marques, con­cluiu que, “em mo­men­to ne­nhum a An­car Worldwi­de In­vest­ments Hol­ding jus­ti­fi­cou a ofer­ta de 16% à ACA­PIR Lda ao fac­to de de­la ir be­ne­fi­ci­ar de fa­vo­res do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca na apro­va­ção do pro­jec­to”. Ao que o F8 apu­rou jun­to de fon­te sin­di­cal por­tu­gue­sa que acom­pa­nha o segundo pro­ces­so de des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo de 160 tra­ba­lha­do­res da Con­tro­lin­ves­te, o pri­mei­ro de­pois da en­tra­da do clã Dos San­tos, atra­vés do seu la­ran­ja, An­tó­nio Mos­qui­to, o em­pre­sá­rio an­go­la­no ter-se-á ma­ni­fes­ta­do “agas­ta­do” com a si­tu­a­ção, di­zen­do mes­mo que “na al­tu­ra do ne­gó­cio lhe fo­ra ga­ran­ti­do que a re­es­tru­tu­ra­ção do gru­po não im­pli- caria des­pe­di­men­tos”. “Ad­mi­to pôr tu­do em pra­tos lim­pos, pro­van­do que na­da te­nho a ver de fac­to com es­te ne­gó­cio”, te­rá di­to An­tó­nio Mos­qui­to a um em­pre­sá­rio por­tu­guês, seu ami­go dos tem­pos pré-in­de­pen­dên­cia, com quem se acon­se­lha re­gu­lar­men­te. A ver­da­de é que a che­ga­da de An­tó­nio Mos­qui­to à Con­tro­lin­ves­te, mes­mo sa­ben­do-se que o ver­da­dei­ro do­no era ou­tro, ou ou­tra, foi vis­ta pe­los tra­ba­lha­do­res co­mo uma luz ao fun­do do tú­nel. Mas foi sol de pou­ca du­ra. Nu­ma ope­ra­ção re­lâm­pa­go, a em­pre­sa avan­çou com um des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo de 140 tra­ba­lha­do­res, en­tre eles 64 jor­na­lis­tas, e a res­ci­são su­pos­ta­men­te ne­go­ci­a­da de con­tra­to com ou­tros 20.

A ac­ta do en­con­tro, co­mo re­ve­lou Ra­fa­el Marques, con­cluiu que, “em mo­men­to ne­nhum a An­car Worldwi­de In­vest­ments Hol­ding jus­ti­fi­cou a ofer­ta de 16% à ACA­PIR Lda ao fac­to de de­la ir be­ne­fi­ci­ar de fa­vo­res do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca na apro­va­ção do pro­jec­to”. Ao que o F8 apu­rou jun­to de fon­te sin­di­cal por­tu­gue­sa que acom­pa­nha o segundo pro­ces­so de des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo de 160 tra­ba­lha­do­res da Con­tro­lin­ves­te, o pri­mei­ro de­pois da en­tra­da do clã Dos San­tos, atra­vés do seu la­ran­ja, An­tó­nio Mos­qui­to, o em­pre­sá­rio an­go­la­no ter-se-á ma­ni­fes­ta­do “agas­ta­do” com a si­tu­a­ção, di­zen­do mes­mo que “na al­tu­ra do ne­gó­cio lhe fo­ra ga­ran­ti­do que a re­es­tru­tu­ra­ção do gru­po não im­pli- caria des­pe­di­men­tos”. “Ad­mi­to pôr tu­do em pra­tos lim­pos, pro­van­do que na­da te­nho a ver de fac­to com es­te ne­gó­cio”, te­rá di­to An­tó­nio Mos­qui­to a um em­pre­sá­rio por­tu­guês, seu ami­go dos tem­pos pré-in­de­pen­dên­cia, com quem se acon­se­lha re­gu­lar­men­te. A ver­da­de é que a che­ga­da de An­tó­nio Mos­qui­to à Con­tro­lin­ves­te, mes­mo sa­ben­do-se que o ver­da­dei­ro do­no era ou­tro, ou ou­tra, foi vis­ta pe­los tra­ba­lha­do­res co­mo uma luz ao fun­do do tú­nel. Mas foi sol de pou­ca du­ra. Nu­ma ope­ra­ção re­lâm­pa­go, a em­pre­sa avan­çou com um des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo de 140 tra­ba­lha­do­res, en­tre eles 64 jor­na­lis­tas, e a res­ci­são su­pos­ta­men­te ne­go­ci­a­da de con­tra­to com ou­tros 20.

A ac­ta do en­con­tro, co­mo re­ve­lou Ra­fa­el Marques, con­cluiu que, “em mo­men­to ne­nhum a An­car Worldwi­de In­vest­ments Hol­ding jus­ti­fi­cou a ofer­ta de 16% à ACA­PIR Lda ao fac­to de de­la ir be­ne­fi­ci­ar de fa­vo­res do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca na apro­va­ção do pro­jec­to”. Ao que o F8 apu­rou jun­to de fon­te sin­di­cal por­tu­gue­sa que acom­pa­nha o segundo pro­ces­so de des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo de 160 tra­ba­lha­do­res da Con­tro­lin­ves­te, o pri­mei­ro de­pois da en­tra­da do clã Dos San­tos, atra­vés do seu la­ran­ja, An­tó­nio Mos­qui­to, o em­pre­sá­rio an­go­la­no ter-se-á ma­ni­fes­ta­do “agas­ta­do” com a si­tu­a­ção, di­zen­do mes­mo que “na al­tu­ra do ne­gó­cio lhe fo­ra ga­ran­ti­do que a re­es­tru­tu­ra­ção do gru­po não im­pli- caria des­pe­di­men­tos”. “Ad­mi­to pôr tu­do em pra­tos lim­pos, pro­van­do que na­da te­nho a ver de fac­to com es­te ne­gó­cio”, te­rá di­to An­tó­nio Mos­qui­to a um em­pre­sá­rio por­tu­guês, seu ami­go dos tem­pos pré-in­de­pen­dên­cia, com quem se acon­se­lha re­gu­lar­men­te. A ver­da­de é que a che­ga­da de An­tó­nio Mos­qui­to à Con­tro­lin­ves­te, mes­mo sa­ben­do-se que o ver­da­dei­ro do­no era ou­tro, ou ou­tra, foi vis­ta pe­los tra­ba­lha­do­res co­mo uma luz ao fun­do do tú­nel. Mas foi sol de pou­ca du­ra. Nu­ma ope­ra­ção re­lâm­pa­go, a em­pre­sa avan­çou com um des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo de 140 tra­ba­lha­do­res, en­tre eles 64 jor­na­lis­tas, e a res­ci­são su­pos­ta­men­te ne­go­ci­a­da de con­tra­to com ou­tros 20.

Con­sen­su­al­men­te, Edu­ar­do dos San­tos e Isa­bel dos San­tos (em­bo­ra sob o “pseu­dó­ni­mo” de An­tó­nio Mos­qui­to) fi­cam li­ga­dos a mais es­ta atro­ci­da­de con­tra a li­ber­da­de de ex­pres­são, des­ta fei­ta em Por­tu­gal, dan­do ra­zão aos que sem­pre du­vi­da­ram da trans­pa­rên­cia des­te ne­gó­cio e da sua ver­ten­te em- pre­sa­ri­al. De fac­to, com o con­tri­bu­to de­ci­si­vo (por­que em re­la­ção aos ou­tros ac­ci­o­nis­tas a de­cep­ção já era co­nhe­ci­da) de An­tó­nio Mos­qui­to, a de­mo­cra­cia por­tu­gue­sa re­tro­ce­de e é apu­nha­la­da mor­tal­men­te. Dei­xou de ser fei­ta com uma co­mu­ni­ca­ção so­ci­al li­vre. A li­ber­da- de cons­trói-se, se­ja por cá ou em Por­tu­gal, com uma co­mu­ni­ca­ção so­ci­al plu­ral. Qu­a­ren­ta anos de­pois do 25 de Abril, num mo­men­to em que a cri­se so­ci­al e eco­nó­mi­ca atin­ge com inu­si­ta­da vi­o­lên­cia os por­tu­gue­ses, a Con­tro­lin­ves­te des­fe­re um gol­pe que mais pa­re­ce um pré-ates­ta­do de óbi­to (“es­te pro­ces­so não é pos­sí­vel de re­a­li­zar sem dor”, diz a Ad­mi­nis­tra­ção) no Diá­rio de No­tí­ci­as, Jor­nal de No­tí­ci­as, No­tí­ci­as Ma­ga­zi­ne, TSF, Glo­bal Ima­gens e O Jo­go. Co­mo é pos­sí­vel des­pe­dir 160 tra­ba­lha­do­res e in­sis­tir que es­te pro­ces­so tor­na­rá o “gru­po mais plu­ral, mais for­te, o mais in­flu­en- te e res­pei­ta­do do país”? É que­rer fa­zer o que, afi­nal, o re­gi­me da ver­da­dei­ra ac­ci­o­nis­ta an­go­la­na da Con­tro­lin­ves­te, Isa­bel dos San­tos, sa­be ser ine­xequí­vel: mais com mui­to me­nos. A de­mo­cra­cia, cá e lá, não se cons­trói com uma sa­cros­san­ta fo­lha de ex­cel. O DN e o JN fi­cam re­du­zi­dos às su­as se­des: o “Diá­rio de No­tí­ci­as” as­su­me-se co­mo jor­nal da ca­pi­tal e o “Jor­nal de No­tí­ci­as” que­da-se por Por­to-Gaia. “Foi pa­ra is­to que Por­tu­gal fe­chou os olhos à la­va­gem de di­nhei­ro do re­gi­me an­go­la­no”?, per­gun­tam mui­tos tra­ba­lha­do­res, dos des­pe­di­dos e dos que con­ti­nu­am a ter em­pre­go, da Con­tro­lin­ves­te. Des­de há mui­to, an­tes só com Jo­a­quim Oli­vei­ra e ago­ra com o clã Dos San­tos/An­tó­nio Mos­qui­to e Luís Mon­tez (por si­nal gen­ro de um ve­lho e que­ri­do ami­go de Edu­ar­do dos San­tos, o pre­si­den­te por­tu­guês, Ca­va­co Sil­va), que o “pla­no” pa­ra as pu­bli­ca­ções da Con­tro­lin­ves­te en­cer­ra uma bre­ve, mas fe­cun­da, his­tó­ria de des­pe­di­men­tos, ex­tin­ção de tí­tu­los, de per­da e de per­das. Em 2009, foi o pri­mei­ro des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo com a dis­pen­sa de 119 tra­ba­lha­do­res (60% de jor­na­lis­tas) e o en­cer­ra­men­to, em Ju­nho de 2010, do diá­rio “24 Ho­ras” e do gra­tui­to “Glo­bal”. A in­ten­ção des­te no­vo des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo e o que a Ad­mi­nis­tra­ção diz na sua jus­ti­fi­ca­ção dei­xam pou­cas dú­vi­das: a em­pre­sa pre­ci­pi­ta – na mais op­ti­mis­tas das hi­pó­te­ses – uma fu­são do DN e do JN, uma per­da de iden­ti­da­de dos jor­nais, sem que se per­ce­ba on­de quer a em­pre­sa re­for­çar a “di­ver­si­da­de” e “plu­ra­li­da­de” de vo­zes. “É o mai­or des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo na co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. Tem um im­pac­to ter­rí­vel pa­ra os tra­ba­lha­do­res nes­te mo­men­to de cri­se em que não há em­pre­go. Mas o im­pac­to não é só so­ci­al, tam­bém há uma per­da na

Con­sen­su­al­men­te, Edu­ar­do dos San­tos e Isa­bel dos San­tos (em­bo­ra sob o “pseu­dó­ni­mo” de An­tó­nio Mos­qui­to) fi­cam li­ga­dos a mais es­ta atro­ci­da­de con­tra a li­ber­da­de de ex­pres­são, des­ta fei­ta em Por­tu­gal, dan­do ra­zão aos que sem­pre du­vi­da­ram da trans­pa­rên­cia des­te ne­gó­cio e da sua ver­ten­te em- pre­sa­ri­al. De fac­to, com o con­tri­bu­to de­ci­si­vo (por­que em re­la­ção aos ou­tros ac­ci­o­nis­tas a de­cep­ção já era co­nhe­ci­da) de An­tó­nio Mos­qui­to, a de­mo­cra­cia por­tu­gue­sa re­tro­ce­de e é apu­nha­la­da mor­tal­men­te. Dei­xou de ser fei­ta com uma co­mu­ni­ca­ção so­ci­al li­vre. A li­ber­da- de cons­trói-se, se­ja por cá ou em Por­tu­gal, com uma co­mu­ni­ca­ção so­ci­al plu­ral. Qu­a­ren­ta anos de­pois do 25 de Abril, num mo­men­to em que a cri­se so­ci­al e eco­nó­mi­ca atin­ge com inu­si­ta­da vi­o­lên­cia os por­tu­gue­ses, a Con­tro­lin­ves­te des­fe­re um gol­pe que mais pa­re­ce um pré-ates­ta­do de óbi­to (“es­te pro­ces­so não é pos­sí­vel de re­a­li­zar sem dor”, diz a Ad­mi­nis­tra­ção) no Diá­rio de No­tí­ci­as, Jor­nal de No­tí­ci­as, No­tí­ci­as Ma­ga­zi­ne, TSF, Glo­bal Ima­gens e O Jo­go. Co­mo é pos­sí­vel des­pe­dir 160 tra­ba­lha­do­res e in­sis­tir que es­te pro­ces­so tor­na­rá o “gru­po mais plu­ral, mais for­te, o mais in­flu­en- te e res­pei­ta­do do país”? É que­rer fa­zer o que, afi­nal, o re­gi­me da ver­da­dei­ra ac­ci­o­nis­ta an­go­la­na da Con­tro­lin­ves­te, Isa­bel dos San­tos, sa­be ser ine­xequí­vel: mais com mui­to me­nos. A de­mo­cra­cia, cá e lá, não se cons­trói com uma sa­cros­san­ta fo­lha de ex­cel. O DN e o JN fi­cam re­du­zi­dos às su­as se­des: o “Diá­rio de No­tí­ci­as” as­su­me-se co­mo jor­nal da ca­pi­tal e o “Jor­nal de No­tí­ci­as” que­da-se por Por­to-Gaia. “Foi pa­ra is­to que Por­tu­gal fe­chou os olhos à la­va­gem de di­nhei­ro do re­gi­me an­go­la­no”?, per­gun­tam mui­tos tra­ba­lha­do­res, dos des­pe­di­dos e dos que con­ti­nu­am a ter em­pre­go, da Con­tro­lin­ves­te. Des­de há mui­to, an­tes só com Jo­a­quim Oli­vei­ra e ago­ra com o clã Dos San­tos/An­tó­nio Mos­qui­to e Luís Mon­tez (por si­nal gen­ro de um ve­lho e que­ri­do ami­go de Edu­ar­do dos San­tos, o pre­si­den­te por­tu­guês, Ca­va­co Sil­va), que o “pla­no” pa­ra as pu­bli­ca­ções da Con­tro­lin­ves­te en­cer­ra uma bre­ve, mas fe­cun­da, his­tó­ria de des­pe­di­men­tos, ex­tin­ção de tí­tu­los, de per­da e de per­das. Em 2009, foi o pri­mei­ro des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo com a dis­pen­sa de 119 tra­ba­lha­do­res (60% de jor­na­lis­tas) e o en­cer­ra­men­to, em Ju­nho de 2010, do diá­rio “24 Ho­ras” e do gra­tui­to “Glo­bal”. A in­ten­ção des­te no­vo des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo e o que a Ad­mi­nis­tra­ção diz na sua jus­ti­fi­ca­ção dei­xam pou­cas dú­vi­das: a em­pre­sa pre­ci­pi­ta – na mais op­ti­mis­tas das hi­pó­te­ses – uma fu­são do DN e do JN, uma per­da de iden­ti­da­de dos jor­nais, sem que se per­ce­ba on­de quer a em­pre­sa re­for­çar a “di­ver­si­da­de” e “plu­ra­li­da­de” de vo­zes. “É o mai­or des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo na co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. Tem um im­pac­to ter­rí­vel pa­ra os tra­ba­lha­do­res nes­te mo­men­to de cri­se em que não há em­pre­go. Mas o im­pac­to não é só so­ci­al, tam­bém há uma per­da na

Con­sen­su­al­men­te, Edu­ar­do dos San­tos e Isa­bel dos San­tos (em­bo­ra sob o “pseu­dó­ni­mo” de An­tó­nio Mos­qui­to) fi­cam li­ga­dos a mais es­ta atro­ci­da­de con­tra a li­ber­da­de de ex­pres­são, des­ta fei­ta em Por­tu­gal, dan­do ra­zão aos que sem­pre du­vi­da­ram da trans­pa­rên­cia des­te ne­gó­cio e da sua ver­ten­te em- pre­sa­ri­al. De fac­to, com o con­tri­bu­to de­ci­si­vo (por­que em re­la­ção aos ou­tros ac­ci­o­nis­tas a de­cep­ção já era co­nhe­ci­da) de An­tó­nio Mos­qui­to, a de­mo­cra­cia por­tu­gue­sa re­tro­ce­de e é apu­nha­la­da mor­tal­men­te. Dei­xou de ser fei­ta com uma co­mu­ni­ca­ção so­ci­al li­vre. A li­ber­da- de cons­trói-se, se­ja por cá ou em Por­tu­gal, com uma co­mu­ni­ca­ção so­ci­al plu­ral. Qu­a­ren­ta anos de­pois do 25 de Abril, num mo­men­to em que a cri­se so­ci­al e eco­nó­mi­ca atin­ge com inu­si­ta­da vi­o­lên­cia os por­tu­gue­ses, a Con­tro­lin­ves­te des­fe­re um gol­pe que mais pa­re­ce um pré-ates­ta­do de óbi­to (“es­te pro­ces­so não é pos­sí­vel de re­a­li­zar sem dor”, diz a Ad­mi­nis­tra­ção) no Diá­rio de No­tí­ci­as, Jor­nal de No­tí­ci­as, No­tí­ci­as Ma­ga­zi­ne, TSF, Glo­bal Ima­gens e O Jo­go. Co­mo é pos­sí­vel des­pe­dir 160 tra­ba­lha­do­res e in­sis­tir que es­te pro­ces­so tor­na­rá o “gru­po mais plu­ral, mais for­te, o mais in­flu­en- te e res­pei­ta­do do país”? É que­rer fa­zer o que, afi­nal, o re­gi­me da ver­da­dei­ra ac­ci­o­nis­ta an­go­la­na da Con­tro­lin­ves­te, Isa­bel dos San­tos, sa­be ser ine­xequí­vel: mais com mui­to me­nos. A de­mo­cra­cia, cá e lá, não se cons­trói com uma sa­cros­san­ta fo­lha de ex­cel. O DN e o JN fi­cam re­du­zi­dos às su­as se­des: o “Diá­rio de No­tí­ci­as” as­su­me-se co­mo jor­nal da ca­pi­tal e o “Jor­nal de No­tí­ci­as” que­da-se por Por­to-Gaia. “Foi pa­ra is­to que Por­tu­gal fe­chou os olhos à la­va­gem de di­nhei­ro do re­gi­me an­go­la­no”?, per­gun­tam mui­tos tra­ba­lha­do­res, dos des­pe­di­dos e dos que con­ti­nu­am a ter em­pre­go, da Con­tro­lin­ves­te. Des­de há mui­to, an­tes só com Jo­a­quim Oli­vei­ra e ago­ra com o clã Dos San­tos/An­tó­nio Mos­qui­to e Luís Mon­tez (por si­nal gen­ro de um ve­lho e que­ri­do ami­go de Edu­ar­do dos San­tos, o pre­si­den­te por­tu­guês, Ca­va­co Sil­va), que o “pla­no” pa­ra as pu­bli­ca­ções da Con­tro­lin­ves­te en­cer­ra uma bre­ve, mas fe­cun­da, his­tó­ria de des­pe­di­men­tos, ex­tin­ção de tí­tu­los, de per­da e de per­das. Em 2009, foi o pri­mei­ro des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo com a dis­pen­sa de 119 tra­ba­lha­do­res (60% de jor­na­lis­tas) e o en­cer­ra­men­to, em Ju­nho de 2010, do diá­rio “24 Ho­ras” e do gra­tui­to “Glo­bal”. A in­ten­ção des­te no­vo des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo e o que a Ad­mi­nis­tra­ção diz na sua jus­ti­fi­ca­ção dei­xam pou­cas dú­vi­das: a em­pre­sa pre­ci­pi­ta – na mais op­ti­mis­tas das hi­pó­te­ses – uma fu­são do DN e do JN, uma per­da de iden­ti­da­de dos jor­nais, sem que se per­ce­ba on­de quer a em­pre­sa re­for­çar a “di­ver­si­da­de” e “plu­ra­li­da­de” de vo­zes. “É o mai­or des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo na co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. Tem um im­pac­to ter­rí­vel pa­ra os tra­ba­lha­do­res nes­te mo­men­to de cri­se em que não há em­pre­go. Mas o im­pac­to não é só so­ci­al, tam­bém há uma per­da na

Con­sen­su­al­men­te, Edu­ar­do dos San­tos e Isa­bel dos San­tos (em­bo­ra sob o “pseu­dó­ni­mo” de An­tó­nio Mos­qui­to) fi­cam li­ga­dos a mais es­ta atro­ci­da­de con­tra a li­ber­da­de de ex­pres­são, des­ta fei­ta em Por­tu­gal, dan­do ra­zão aos que sem­pre du­vi­da­ram da trans­pa­rên­cia des­te ne­gó­cio e da sua ver­ten­te em- pre­sa­ri­al. De fac­to, com o con­tri­bu­to de­ci­si­vo (por­que em re­la­ção aos ou­tros ac­ci­o­nis­tas a de­cep­ção já era co­nhe­ci­da) de An­tó­nio Mos­qui­to, a de­mo­cra­cia por­tu­gue­sa re­tro­ce­de e é apu­nha­la­da mor­tal­men­te. Dei­xou de ser fei­ta com uma co­mu­ni­ca­ção so­ci­al li­vre. A li­ber­da- de cons­trói-se, se­ja por cá ou em Por­tu­gal, com uma co­mu­ni­ca­ção so­ci­al plu­ral. Qu­a­ren­ta anos de­pois do 25 de Abril, num mo­men­to em que a cri­se so­ci­al e eco­nó­mi­ca atin­ge com inu­si­ta­da vi­o­lên­cia os por­tu­gue­ses, a Con­tro­lin­ves­te des­fe­re um gol­pe que mais pa­re­ce um pré-ates­ta­do de óbi­to (“es­te pro­ces­so não é pos­sí­vel de re­a­li­zar sem dor”, diz a Ad­mi­nis­tra­ção) no Diá­rio de No­tí­ci­as, Jor­nal de No­tí­ci­as, No­tí­ci­as Ma­ga­zi­ne, TSF, Glo­bal Ima­gens e O Jo­go. Co­mo é pos­sí­vel des­pe­dir 160 tra­ba­lha­do­res e in­sis­tir que es­te pro­ces­so tor­na­rá o “gru­po mais plu­ral, mais for­te, o mais in­flu­en- te e res­pei­ta­do do país”? É que­rer fa­zer o que, afi­nal, o re­gi­me da ver­da­dei­ra ac­ci­o­nis­ta an­go­la­na da Con­tro­lin­ves­te, Isa­bel dos San­tos, sa­be ser ine­xequí­vel: mais com mui­to me­nos. A de­mo­cra­cia, cá e lá, não se cons­trói com uma sa­cros­san­ta fo­lha de ex­cel. O DN e o JN fi­cam re­du­zi­dos às su­as se­des: o “Diá­rio de No­tí­ci­as” as­su­me-se co­mo jor­nal da ca­pi­tal e o “Jor­nal de No­tí­ci­as” que­da-se por Por­to-Gaia. “Foi pa­ra is­to que Por­tu­gal fe­chou os olhos à la­va­gem de di­nhei­ro do re­gi­me an­go­la­no”?, per­gun­tam mui­tos tra­ba­lha­do­res, dos des­pe­di­dos e dos que con­ti­nu­am a ter em­pre­go, da Con­tro­lin­ves­te. Des­de há mui­to, an­tes só com Jo­a­quim Oli­vei­ra e ago­ra com o clã Dos San­tos/An­tó­nio Mos­qui­to e Luís Mon­tez (por si­nal gen­ro de um ve­lho e que­ri­do ami­go de Edu­ar­do dos San­tos, o pre­si­den­te por­tu­guês, Ca­va­co Sil­va), que o “pla­no” pa­ra as pu­bli­ca­ções da Con­tro­lin­ves­te en­cer­ra uma bre­ve, mas fe­cun­da, his­tó­ria de des­pe­di­men­tos, ex­tin­ção de tí­tu­los, de per­da e de per­das. Em 2009, foi o pri­mei­ro des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo com a dis­pen­sa de 119 tra­ba­lha­do­res (60% de jor­na­lis­tas) e o en­cer­ra­men­to, em Ju­nho de 2010, do diá­rio “24 Ho­ras” e do gra­tui­to “Glo­bal”. A in­ten­ção des­te no­vo des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo e o que a Ad­mi­nis­tra­ção diz na sua jus­ti­fi­ca­ção dei­xam pou­cas dú­vi­das: a em­pre­sa pre­ci­pi­ta – na mais op­ti­mis­tas das hi­pó­te­ses – uma fu­são do DN e do JN, uma per­da de iden­ti­da­de dos jor­nais, sem que se per­ce­ba on­de quer a em­pre­sa re­for­çar a “di­ver­si­da­de” e “plu­ra­li­da­de” de vo­zes. “É o mai­or des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo na co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. Tem um im­pac­to ter­rí­vel pa­ra os tra­ba­lha­do­res nes­te mo­men­to de cri­se em que não há em­pre­go. Mas o im­pac­to não é só so­ci­al, tam­bém há uma per­da na

qua­li­da­de da in­for­ma­ção e no plu­ra­lis­mo, o que é mui­to im­por­tan­te”, afir­ma a vi­ce-pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Jor­na­lis­tas (SJ), Ro­sá­ria Ra­to. A pro­pó­si­to das ac­ções de pro­tes­to le­va­das a ca­bo, Al­fre­do Maio, pre­si­den­te do SJ, diz que têm co­mo “ob­jec­ti­vo é cri­ar-se um co­ro de pro­tes­to con­tra es­te des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo bru­tal”. “No es­pa­ço de cin­co anos, es­ta­mos a fa­lar de 280 pes­so­as des­pe­di­das num gru­po que tem dos prin­ci­pais ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al do país. A ar­gu­men­ta­ção da em­pre­sa, além das ava­li­a­ções, ida­de e sa­lá­ri­os, pas­sa por fa­lar nas si­ner­gi­as que po­dem ser cri­a­das en­tre os vá­ri­os tí­tu­los com a par­ti­lha de con­teú­dos. Va­mos, por­tan­to, ter um úni­co olhar so­bre um mes­mo acon­te­ci­men­to em cin­co ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção”, diz Hél­der Ro­ba­lo, um dos jor­na­lis­tas des­pe­di­dos. Por via do re­cen­te au­men­to de ca­pi­tal, 16,1 mi­lhões de eu­ros fo­ram apli­ca­dos em di­nhei­ro. Mon­tan­te que abar­ca os 10,4 mi­lhões de Edu­ar­do dos San­tos/Isa­bel dos San­tos/An­tó­nio Mos­qui­to, além de 5,69 mi­lhões de eu­ros a car­go de Luís Mon­tez. Re­gis­tou-se ain­da a con­ver­são de cré­di­tos em ca­pi­tal por par­te do BES e do BCP, que têm uma par­ti­ci­pa­ção de 15% ca­da um, avaliadas em 5,69 mi­lhões. As­sim, a Con­tro­lin­ves­te Con­teú­dos de­tém um ca­pi­tal so­ci­al de 37,9 mi­lhões de eu­ros. No to­tal, segundo a nos­sa fon­te o clã Dos San­tos, atra­vés do seu la­ran­ja, An­tó­nio Mos­qui­to já te­rá in­ves­ti­do com a sua as­si­na­tu­ra pe­lo me­nos 80 mi­lhões de eu­ros em Por­tu­gal, após ter com­pra­do a mai­o­ria do ca­pi­tal da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção. E to­dos es­tes ne­gó­ci­os fo­ram con­cre­ti­za­dos num rai­de em que, em ape­nas 24 ho­ras, não só ad­qui­riu a cons­tru­to­ra co­mo par­ta re­le­van­te da Con­tro­lin­ves­te. Co­mo ne­gó­ci­os com a Con­tro­lin­ves­te, o ad­vo­ga­do Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho foi elei­to pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, do qual fa­zem ain­da par­te Luís Mon­tez, Ro­lan­do Oli­vei­ra (fi­lho de Jo­a­quim Oli­vei­ra), Jor­ge Car­rei­ra, Ví­tor Ri­bei­ro e Jo­sé Car­los Lou­ren­ço. Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho é um dos fun­da­do­res da In­te­ro­ceâ­ni­co, uma so­ci­e­da­de que jun­tou in­te­res­ses por­tu­gue­ses e an­go­la­nos. Era, em 2010, a fi­gu­ra com mais car­gos en­tre os ad­mi­nis­tra­do­res não exe­cu­ti­vos das com­pa­nhi­as do PSI-20, e tam­bém o mais bem pa­go. É pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Zon, mem­bro da co­mis­são de re­mu­ne­ra­ções do BES, vi­ce-pre­si­den­te da me­sa da as­sem­bleia ge­ral da CGD e pre­si­den­te da me­sa na Galp Ener­gia. E es­tes são ape­nas os car­gos em em­pre­sas co­ta­das, já que Pro­en­ça de Car­va­lho de­sem­pe­nha fun­ções se­me­lhan­tes em mais de 30 em­pre­sas. Con­si­de­ran­do ape­nas es­tas qua­tro em­pre­sas (já que só é pos­sí­vel sa­ber a re­mu­ne­ra­ção em em­pre­sas co­ta­das em bol­sa), o ad­vo­ga­do re­ce­beu 252 mil eu­ros. Ten­do em con­ta que es­te­ve pre­sen­te em 16 reu­niões, Pro­en­ça de Car­va­lho re­ce­beu, em mé­dia e em 2009, 15,8 mil eu­ros por reu­nião.‹ A ní­vel da In­te­ro­ceâ­ni­co, o lí­der des­ta em­pre­sa é Car­los da Sil­va, pre­si­den­te e ac­ci­o­nis­ta do Ban­co Atlân­ti­co (on­de a So­nan­gol tem uma for­te pre­sen­ça), ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra de ca­pi­tais an­go­la­nos que par­ti­ci­pou na as­ses­so­ria fi­nan­cei­ra do ne­gó­cio da So­a­res da Cos­ta. Car­los Sil­va é tam­bém vi­ce-pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do BCP, on­de a So­nan­gol é a mai­or ac­ci­o­nis­ta, com 19,4%, fi­can­do a In­te­ro­ceâ­ni­co com 2,1%. Cou­be ao BCP mon­tar a ope­ra­ção fi­nan­cei­ra li­ga­da ao ne­gó­cio da Con­tro­lin­ves­te. Segundo a Con­tro­lin­ves­te, a en­tra­da de An­tó­nio Mos­qui­to iria per­mi­tir cri­ar “um gru­po de media no es­pa­ço da lu­so­fo­nia po­ten­ci­a­dor da aber­tu­ra a no­vos mer­ca­dos” e à “cap­ta­ção de si­ner­gi­as mui­to re­le­van­tes”. O que, vê-se ago­ra, pas­sa por to­dos es­tes des­pe­di­men­tos. Com a agra­van­te de que ga­ran­tia que “pre­ten­de al­can­çar e re­for­çar uma po­si­ção de li­de­ran­ça nos seg­men­tos on­de es­tá pre­sen­te e pers­pec­ti­va no­vos ne­gó­ci­os”. A si­tu­a­ção re­al é de tal or­dem que, mais uma vez, se ques­ti­o­na o que es­ta­rá por trás des­te ne­gó­cio que en­vol­ve mi­lhões de eu­ros de ori­gem des­co­nhe­ci­da mas trans­por­ta­dos por An­tó­nio Mos­qui­to. De fac­to, o sec­tor da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al é uma área es­tra­nha a es­te em­pre­sá­rio, ao con­trá­rio – por exem­plo – do que se pas­sa com a com­pra da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção, em­pre­sa cu­ja prin­ci­pal fon­te de re­cei­tas es­tá pre­ci­sa­men­te no nos­so país. Re­cor­de-se que o nos­so país te­ve um pe­so de 44,1% nas ven­das, atin­gin­do os 353,5 mi­lhões de eu­ros (mais 8% do

qua­li­da­de da in­for­ma­ção e no plu­ra­lis­mo, o que é mui­to im­por­tan­te”, afir­ma a vi­ce-pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Jor­na­lis­tas (SJ), Ro­sá­ria Ra­to. A pro­pó­si­to das ac­ções de pro­tes­to le­va­das a ca­bo, Al­fre­do Maio, pre­si­den­te do SJ, diz que têm co­mo “ob­jec­ti­vo é cri­ar-se um co­ro de pro­tes­to con­tra es­te des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo bru­tal”. “No es­pa­ço de cin­co anos, es­ta­mos a fa­lar de 280 pes­so­as des­pe­di­das num gru­po que tem dos prin­ci­pais ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al do país. A ar­gu­men­ta­ção da em­pre­sa, além das ava­li­a­ções, ida­de e sa­lá­ri­os, pas­sa por fa­lar nas si­ner­gi­as que po­dem ser cri­a­das en­tre os vá­ri­os tí­tu­los com a par­ti­lha de con­teú­dos. Va­mos, por­tan­to, ter um úni­co olhar so­bre um mes­mo acon­te­ci­men­to em cin­co ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção”, diz Hél­der Ro­ba­lo, um dos jor­na­lis­tas des­pe­di­dos. Por via do re­cen­te au­men­to de ca­pi­tal, 16,1 mi­lhões de eu­ros fo­ram apli­ca­dos em di­nhei­ro. Mon­tan­te que abar­ca os 10,4 mi­lhões de Edu­ar­do dos San­tos/Isa­bel dos San­tos/An­tó­nio Mos­qui­to, além de 5,69 mi­lhões de eu­ros a car­go de Luís Mon­tez. Re­gis­tou-se ain­da a con­ver­são de cré­di­tos em ca­pi­tal por par­te do BES e do BCP, que têm uma par­ti­ci­pa­ção de 15% ca­da um, avaliadas em 5,69 mi­lhões. As­sim, a Con­tro­lin­ves­te Con­teú­dos de­tém um ca­pi­tal so­ci­al de 37,9 mi­lhões de eu­ros. No to­tal, segundo a nos­sa fon­te o clã Dos San­tos, atra­vés do seu la­ran­ja, An­tó­nio Mos­qui­to já te­rá in­ves­ti­do com a sua as­si­na­tu­ra pe­lo me­nos 80 mi­lhões de eu­ros em Por­tu­gal, após ter com­pra­do a mai­o­ria do ca­pi­tal da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção. E to­dos es­tes ne­gó­ci­os fo­ram con­cre­ti­za­dos num rai­de em que, em ape­nas 24 ho­ras, não só ad­qui­riu a cons­tru­to­ra co­mo par­ta re­le­van­te da Con­tro­lin­ves­te. Co­mo ne­gó­ci­os com a Con­tro­lin­ves­te, o ad­vo­ga­do Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho foi elei­to pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, do qual fa­zem ain­da par­te Luís Mon­tez, Ro­lan­do Oli­vei­ra (fi­lho de Jo­a­quim Oli­vei­ra), Jor­ge Car­rei­ra, Ví­tor Ri­bei­ro e Jo­sé Car­los Lou­ren­ço. Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho é um dos fun­da­do­res da In­te­ro­ceâ­ni­co, uma so­ci­e­da­de que jun­tou in­te­res­ses por­tu­gue­ses e an­go­la­nos. Era, em 2010, a fi­gu­ra com mais car­gos en­tre os ad­mi­nis­tra­do­res não exe­cu­ti­vos das com­pa­nhi­as do PSI-20, e tam­bém o mais bem pa­go. É pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Zon, mem­bro da co­mis­são de re­mu­ne­ra­ções do BES, vi­ce-pre­si­den­te da me­sa da as­sem­bleia ge­ral da CGD e pre­si­den­te da me­sa na Galp Ener­gia. E es­tes são ape­nas os car­gos em em­pre­sas co­ta­das, já que Pro­en­ça de Car­va­lho de­sem­pe­nha fun­ções se­me­lhan­tes em mais de 30 em­pre­sas. Con­si­de­ran­do ape­nas es­tas qua­tro em­pre­sas (já que só é pos­sí­vel sa­ber a re­mu­ne­ra­ção em em­pre­sas co­ta­das em bol­sa), o ad­vo­ga­do re­ce­beu 252 mil eu­ros. Ten­do em con­ta que es­te­ve pre­sen­te em 16 reu­niões, Pro­en­ça de Car­va­lho re­ce­beu, em mé­dia e em 2009, 15,8 mil eu­ros por reu­nião.‹ A ní­vel da In­te­ro­ceâ­ni­co, o lí­der des­ta em­pre­sa é Car­los da Sil­va, pre­si­den­te e ac­ci­o­nis­ta do Ban­co Atlân­ti­co (on­de a So­nan­gol tem uma for­te pre­sen­ça), ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra de ca­pi­tais an­go­la­nos que par­ti­ci­pou na as­ses­so­ria fi­nan­cei­ra do ne­gó­cio da So­a­res da Cos­ta. Car­los Sil­va é tam­bém vi­ce-pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do BCP, on­de a So­nan­gol é a mai­or ac­ci­o­nis­ta, com 19,4%, fi­can­do a In­te­ro­ceâ­ni­co com 2,1%. Cou­be ao BCP mon­tar a ope­ra­ção fi­nan­cei­ra li­ga­da ao ne­gó­cio da Con­tro­lin­ves­te. Segundo a Con­tro­lin­ves­te, a en­tra­da de An­tó­nio Mos­qui­to iria per­mi­tir cri­ar “um gru­po de media no es­pa­ço da lu­so­fo­nia po­ten­ci­a­dor da aber­tu­ra a no­vos mer­ca­dos” e à “cap­ta­ção de si­ner­gi­as mui­to re­le­van­tes”. O que, vê-se ago­ra, pas­sa por to­dos es­tes des­pe­di­men­tos. Com a agra­van­te de que ga­ran­tia que “pre­ten­de al­can­çar e re­for­çar uma po­si­ção de li­de­ran­ça nos seg­men­tos on­de es­tá pre­sen­te e pers­pec­ti­va no­vos ne­gó­ci­os”. A si­tu­a­ção re­al é de tal or­dem que, mais uma vez, se ques­ti­o­na o que es­ta­rá por trás des­te ne­gó­cio que en­vol­ve mi­lhões de eu­ros de ori­gem des­co­nhe­ci­da mas trans­por­ta­dos por An­tó­nio Mos­qui­to. De fac­to, o sec­tor da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al é uma área es­tra­nha a es­te em­pre­sá­rio, ao con­trá­rio – por exem­plo – do que se pas­sa com a com­pra da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção, em­pre­sa cu­ja prin­ci­pal fon­te de re­cei­tas es­tá pre­ci­sa­men­te no nos­so país. Re­cor­de-se que o nos­so país te­ve um pe­so de 44,1% nas ven­das, atin­gin­do os 353,5 mi­lhões de eu­ros (mais 8% do

qua­li­da­de da in­for­ma­ção e no plu­ra­lis­mo, o que é mui­to im­por­tan­te”, afir­ma a vi­ce-pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Jor­na­lis­tas (SJ), Ro­sá­ria Ra­to. A pro­pó­si­to das ac­ções de pro­tes­to le­va­das a ca­bo, Al­fre­do Maio, pre­si­den­te do SJ, diz que têm co­mo “ob­jec­ti­vo é cri­ar-se um co­ro de pro­tes­to con­tra es­te des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo bru­tal”. “No es­pa­ço de cin­co anos, es­ta­mos a fa­lar de 280 pes­so­as des­pe­di­das num gru­po que tem dos prin­ci­pais ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al do país. A ar­gu­men­ta­ção da em­pre­sa, além das ava­li­a­ções, ida­de e sa­lá­ri­os, pas­sa por fa­lar nas si­ner­gi­as que po­dem ser cri­a­das en­tre os vá­ri­os tí­tu­los com a par­ti­lha de con­teú­dos. Va­mos, por­tan­to, ter um úni­co olhar so­bre um mes­mo acon­te­ci­men­to em cin­co ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção”, diz Hél­der Ro­ba­lo, um dos jor­na­lis­tas des­pe­di­dos. Por via do re­cen­te au­men­to de ca­pi­tal, 16,1 mi­lhões de eu­ros fo­ram apli­ca­dos em di­nhei­ro. Mon­tan­te que abar­ca os 10,4 mi­lhões de Edu­ar­do dos San­tos/Isa­bel dos San­tos/An­tó­nio Mos­qui­to, além de 5,69 mi­lhões de eu­ros a car­go de Luís Mon­tez. Re­gis­tou-se ain­da a con­ver­são de cré­di­tos em ca­pi­tal por par­te do BES e do BCP, que têm uma par­ti­ci­pa­ção de 15% ca­da um, avaliadas em 5,69 mi­lhões. As­sim, a Con­tro­lin­ves­te Con­teú­dos de­tém um ca­pi­tal so­ci­al de 37,9 mi­lhões de eu­ros. No to­tal, segundo a nos­sa fon­te o clã Dos San­tos, atra­vés do seu la­ran­ja, An­tó­nio Mos­qui­to já te­rá in­ves­ti­do com a sua as­si­na­tu­ra pe­lo me­nos 80 mi­lhões de eu­ros em Por­tu­gal, após ter com­pra­do a mai­o­ria do ca­pi­tal da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção. E to­dos es­tes ne­gó­ci­os fo­ram con­cre­ti­za­dos num rai­de em que, em ape­nas 24 ho­ras, não só ad­qui­riu a cons­tru­to­ra co­mo par­ta re­le­van­te da Con­tro­lin­ves­te. Co­mo ne­gó­ci­os com a Con­tro­lin­ves­te, o ad­vo­ga­do Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho foi elei­to pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, do qual fa­zem ain­da par­te Luís Mon­tez, Ro­lan­do Oli­vei­ra (fi­lho de Jo­a­quim Oli­vei­ra), Jor­ge Car­rei­ra, Ví­tor Ri­bei­ro e Jo­sé Car­los Lou­ren­ço. Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho é um dos fun­da­do­res da In­te­ro­ceâ­ni­co, uma so­ci­e­da­de que jun­tou in­te­res­ses por­tu­gue­ses e an­go­la­nos. Era, em 2010, a fi­gu­ra com mais car­gos en­tre os ad­mi­nis­tra­do­res não exe­cu­ti­vos das com­pa­nhi­as do PSI-20, e tam­bém o mais bem pa­go. É pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Zon, mem­bro da co­mis­são de re­mu­ne­ra­ções do BES, vi­ce-pre­si­den­te da me­sa da as­sem­bleia ge­ral da CGD e pre­si­den­te da me­sa na Galp Ener­gia. E es­tes são ape­nas os car­gos em em­pre­sas co­ta­das, já que Pro­en­ça de Car­va­lho de­sem­pe­nha fun­ções se­me­lhan­tes em mais de 30 em­pre­sas. Con­si­de­ran­do ape­nas es­tas qua­tro em­pre­sas (já que só é pos­sí­vel sa­ber a re­mu­ne­ra­ção em em­pre­sas co­ta­das em bol­sa), o ad­vo­ga­do re­ce­beu 252 mil eu­ros. Ten­do em con­ta que es­te­ve pre­sen­te em 16 reu­niões, Pro­en­ça de Car­va­lho re­ce­beu, em mé­dia e em 2009, 15,8 mil eu­ros por reu­nião.‹ A ní­vel da In­te­ro­ceâ­ni­co, o lí­der des­ta em­pre­sa é Car­los da Sil­va, pre­si­den­te e ac­ci­o­nis­ta do Ban­co Atlân­ti­co (on­de a So­nan­gol tem uma for­te pre­sen­ça), ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra de ca­pi­tais an­go­la­nos que par­ti­ci­pou na as­ses­so­ria fi­nan­cei­ra do ne­gó­cio da So­a­res da Cos­ta. Car­los Sil­va é tam­bém vi­ce-pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do BCP, on­de a So­nan­gol é a mai­or ac­ci­o­nis­ta, com 19,4%, fi­can­do a In­te­ro­ceâ­ni­co com 2,1%. Cou­be ao BCP mon­tar a ope­ra­ção fi­nan­cei­ra li­ga­da ao ne­gó­cio da Con­tro­lin­ves­te. Segundo a Con­tro­lin­ves­te, a en­tra­da de An­tó­nio Mos­qui­to iria per­mi­tir cri­ar “um gru­po de media no es­pa­ço da lu­so­fo­nia po­ten­ci­a­dor da aber­tu­ra a no­vos mer­ca­dos” e à “cap­ta­ção de si­ner­gi­as mui­to re­le­van­tes”. O que, vê-se ago­ra, pas­sa por to­dos es­tes des­pe­di­men­tos. Com a agra­van­te de que ga­ran­tia que “pre­ten­de al­can­çar e re­for­çar uma po­si­ção de li­de­ran­ça nos seg­men­tos on­de es­tá pre­sen­te e pers­pec­ti­va no­vos ne­gó­ci­os”. A si­tu­a­ção re­al é de tal or­dem que, mais uma vez, se ques­ti­o­na o que es­ta­rá por trás des­te ne­gó­cio que en­vol­ve mi­lhões de eu­ros de ori­gem des­co­nhe­ci­da mas trans­por­ta­dos por An­tó­nio Mos­qui­to. De fac­to, o sec­tor da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al é uma área es­tra­nha a es­te em­pre­sá­rio, ao con­trá­rio – por exem­plo – do que se pas­sa com a com­pra da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção, em­pre­sa cu­ja prin­ci­pal fon­te de re­cei­tas es­tá pre­ci­sa­men­te no nos­so país. Re­cor­de-se que o nos­so país te­ve um pe­so de 44,1% nas ven­das, atin­gin­do os 353,5 mi­lhões de eu­ros (mais 8% do

qua­li­da­de da in­for­ma­ção e no plu­ra­lis­mo, o que é mui­to im­por­tan­te”, afir­ma a vi­ce-pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Jor­na­lis­tas (SJ), Ro­sá­ria Ra­to. A pro­pó­si­to das ac­ções de pro­tes­to le­va­das a ca­bo, Al­fre­do Maio, pre­si­den­te do SJ, diz que têm co­mo “ob­jec­ti­vo é cri­ar-se um co­ro de pro­tes­to con­tra es­te des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo bru­tal”. “No es­pa­ço de cin­co anos, es­ta­mos a fa­lar de 280 pes­so­as des­pe­di­das num gru­po que tem dos prin­ci­pais ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al do país. A ar­gu­men­ta­ção da em­pre­sa, além das ava­li­a­ções, ida­de e sa­lá­ri­os, pas­sa por fa­lar nas si­ner­gi­as que po­dem ser cri­a­das en­tre os vá­ri­os tí­tu­los com a par­ti­lha de con­teú­dos. Va­mos, por­tan­to, ter um úni­co olhar so­bre um mes­mo acon­te­ci­men­to em cin­co ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção”, diz Hél­der Ro­ba­lo, um dos jor­na­lis­tas des­pe­di­dos. Por via do re­cen­te au­men­to de ca­pi­tal, 16,1 mi­lhões de eu­ros fo­ram apli­ca­dos em di­nhei­ro. Mon­tan­te que abar­ca os 10,4 mi­lhões de Edu­ar­do dos San­tos/Isa­bel dos San­tos/An­tó­nio Mos­qui­to, além de 5,69 mi­lhões de eu­ros a car­go de Luís Mon­tez. Re­gis­tou-se ain­da a con­ver­são de cré­di­tos em ca­pi­tal por par­te do BES e do BCP, que têm uma par­ti­ci­pa­ção de 15% ca­da um, avaliadas em 5,69 mi­lhões. As­sim, a Con­tro­lin­ves­te Con­teú­dos de­tém um ca­pi­tal so­ci­al de 37,9 mi­lhões de eu­ros. No to­tal, segundo a nos­sa fon­te o clã Dos San­tos, atra­vés do seu la­ran­ja, An­tó­nio Mos­qui­to já te­rá in­ves­ti­do com a sua as­si­na­tu­ra pe­lo me­nos 80 mi­lhões de eu­ros em Por­tu­gal, após ter com­pra­do a mai­o­ria do ca­pi­tal da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção. E to­dos es­tes ne­gó­ci­os fo­ram con­cre­ti­za­dos num rai­de em que, em ape­nas 24 ho­ras, não só ad­qui­riu a cons­tru­to­ra co­mo par­ta re­le­van­te da Con­tro­lin­ves­te. Co­mo ne­gó­ci­os com a Con­tro­lin­ves­te, o ad­vo­ga­do Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho foi elei­to pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, do qual fa­zem ain­da par­te Luís Mon­tez, Ro­lan­do Oli­vei­ra (fi­lho de Jo­a­quim Oli­vei­ra), Jor­ge Car­rei­ra, Ví­tor Ri­bei­ro e Jo­sé Car­los Lou­ren­ço. Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho é um dos fun­da­do­res da In­te­ro­ceâ­ni­co, uma so­ci­e­da­de que jun­tou in­te­res­ses por­tu­gue­ses e an­go­la­nos. Era, em 2010, a fi­gu­ra com mais car­gos en­tre os ad­mi­nis­tra­do­res não exe­cu­ti­vos das com­pa­nhi­as do PSI-20, e tam­bém o mais bem pa­go. É pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Zon, mem­bro da co­mis­são de re­mu­ne­ra­ções do BES, vi­ce-pre­si­den­te da me­sa da as­sem­bleia ge­ral da CGD e pre­si­den­te da me­sa na Galp Ener­gia. E es­tes são ape­nas os car­gos em em­pre­sas co­ta­das, já que Pro­en­ça de Car­va­lho de­sem­pe­nha fun­ções se­me­lhan­tes em mais de 30 em­pre­sas. Con­si­de­ran­do ape­nas es­tas qua­tro em­pre­sas (já que só é pos­sí­vel sa­ber a re­mu­ne­ra­ção em em­pre­sas co­ta­das em bol­sa), o ad­vo­ga­do re­ce­beu 252 mil eu­ros. Ten­do em con­ta que es­te­ve pre­sen­te em 16 reu­niões, Pro­en­ça de Car­va­lho re­ce­beu, em mé­dia e em 2009, 15,8 mil eu­ros por reu­nião.‹ A ní­vel da In­te­ro­ceâ­ni­co, o lí­der des­ta em­pre­sa é Car­los da Sil­va, pre­si­den­te e ac­ci­o­nis­ta do Ban­co Atlân­ti­co (on­de a So­nan­gol tem uma for­te pre­sen­ça), ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra de ca­pi­tais an­go­la­nos que par­ti­ci­pou na as­ses­so­ria fi­nan­cei­ra do ne­gó­cio da So­a­res da Cos­ta. Car­los Sil­va é tam­bém vi­ce-pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do BCP, on­de a So­nan­gol é a mai­or ac­ci­o­nis­ta, com 19,4%, fi­can­do a In­te­ro­ceâ­ni­co com 2,1%. Cou­be ao BCP mon­tar a ope­ra­ção fi­nan­cei­ra li­ga­da ao ne­gó­cio da Con­tro­lin­ves­te. Segundo a Con­tro­lin­ves­te, a en­tra­da de An­tó­nio Mos­qui­to iria per­mi­tir cri­ar “um gru­po de media no es­pa­ço da lu­so­fo­nia po­ten­ci­a­dor da aber­tu­ra a no­vos mer­ca­dos” e à “cap­ta­ção de si­ner­gi­as mui­to re­le­van­tes”. O que, vê-se ago­ra, pas­sa por to­dos es­tes des­pe­di­men­tos. Com a agra­van­te de que ga­ran­tia que “pre­ten­de al­can­çar e re­for­çar uma po­si­ção de li­de­ran­ça nos seg­men­tos on­de es­tá pre­sen­te e pers­pec­ti­va no­vos ne­gó­ci­os”. A si­tu­a­ção re­al é de tal or­dem que, mais uma vez, se ques­ti­o­na o que es­ta­rá por trás des­te ne­gó­cio que en­vol­ve mi­lhões de eu­ros de ori­gem des­co­nhe­ci­da mas trans­por­ta­dos por An­tó­nio Mos­qui­to. De fac­to, o sec­tor da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al é uma área es­tra­nha a es­te em­pre­sá­rio, ao con­trá­rio – por exem­plo – do que se pas­sa com a com­pra da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção, em­pre­sa cu­ja prin­ci­pal fon­te de re­cei­tas es­tá pre­ci­sa­men­te no nos­so país. Re­cor­de-se que o nos­so país te­ve um pe­so de 44,1% nas ven­das, atin­gin­do os 353,5 mi­lhões de eu­ros (mais 8% do

qua­li­da­de da in­for­ma­ção e no plu­ra­lis­mo, o que é mui­to im­por­tan­te”, afir­ma a vi­ce-pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Jor­na­lis­tas (SJ), Ro­sá­ria Ra­to. A pro­pó­si­to das ac­ções de pro­tes­to le­va­das a ca­bo, Al­fre­do Maio, pre­si­den­te do SJ, diz que têm co­mo “ob­jec­ti­vo é cri­ar-se um co­ro de pro­tes­to con­tra es­te des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo bru­tal”. “No es­pa­ço de cin­co anos, es­ta­mos a fa­lar de 280 pes­so­as des­pe­di­das num gru­po que tem dos prin­ci­pais ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al do país. A ar­gu­men­ta­ção da em­pre­sa, além das ava­li­a­ções, ida­de e sa­lá­ri­os, pas­sa por fa­lar nas si­ner­gi­as que po­dem ser cri­a­das en­tre os vá­ri­os tí­tu­los com a par­ti­lha de con­teú­dos. Va­mos, por­tan­to, ter um úni­co olhar so­bre um mes­mo acon­te­ci­men­to em cin­co ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção”, diz Hél­der Ro­ba­lo, um dos jor­na­lis­tas des­pe­di­dos. Por via do re­cen­te au­men­to de ca­pi­tal, 16,1 mi­lhões de eu­ros fo­ram apli­ca­dos em di­nhei­ro. Mon­tan­te que abar­ca os 10,4 mi­lhões de Edu­ar­do dos San­tos/Isa­bel dos San­tos/An­tó­nio Mos­qui­to, além de 5,69 mi­lhões de eu­ros a car­go de Luís Mon­tez. Re­gis­tou-se ain­da a con­ver­são de cré­di­tos em ca­pi­tal por par­te do BES e do BCP, que têm uma par­ti­ci­pa­ção de 15% ca­da um, avaliadas em 5,69 mi­lhões. As­sim, a Con­tro­lin­ves­te Con­teú­dos de­tém um ca­pi­tal so­ci­al de 37,9 mi­lhões de eu­ros. No to­tal, segundo a nos­sa fon­te o clã Dos San­tos, atra­vés do seu la­ran­ja, An­tó­nio Mos­qui­to já te­rá in­ves­ti­do com a sua as­si­na­tu­ra pe­lo me­nos 80 mi­lhões de eu­ros em Por­tu­gal, após ter com­pra­do a mai­o­ria do ca­pi­tal da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção. E to­dos es­tes ne­gó­ci­os fo­ram con­cre­ti­za­dos num rai­de em que, em ape­nas 24 ho­ras, não só ad­qui­riu a cons­tru­to­ra co­mo par­ta re­le­van­te da Con­tro­lin­ves­te. Co­mo ne­gó­ci­os com a Con­tro­lin­ves­te, o ad­vo­ga­do Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho foi elei­to pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, do qual fa­zem ain­da par­te Luís Mon­tez, Ro­lan­do Oli­vei­ra (fi­lho de Jo­a­quim Oli­vei­ra), Jor­ge Car­rei­ra, Ví­tor Ri­bei­ro e Jo­sé Car­los Lou­ren­ço. Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho é um dos fun­da­do­res da In­te­ro­ceâ­ni­co, uma so­ci­e­da­de que jun­tou in­te­res­ses por­tu­gue­ses e an­go­la­nos. Era, em 2010, a fi­gu­ra com mais car­gos en­tre os ad­mi­nis­tra­do­res não exe­cu­ti­vos das com­pa­nhi­as do PSI-20, e tam­bém o mais bem pa­go. É pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Zon, mem­bro da co­mis­são de re­mu­ne­ra­ções do BES, vi­ce-pre­si­den­te da me­sa da as­sem­bleia ge­ral da CGD e pre­si­den­te da me­sa na Galp Ener­gia. E es­tes são ape­nas os car­gos em em­pre­sas co­ta­das, já que Pro­en­ça de Car­va­lho de­sem­pe­nha fun­ções se­me­lhan­tes em mais de 30 em­pre­sas. Con­si­de­ran­do ape­nas es­tas qua­tro em­pre­sas (já que só é pos­sí­vel sa­ber a re­mu­ne­ra­ção em em­pre­sas co­ta­das em bol­sa), o ad­vo­ga­do re­ce­beu 252 mil eu­ros. Ten­do em con­ta que es­te­ve pre­sen­te em 16 reu­niões, Pro­en­ça de Car­va­lho re­ce­beu, em mé­dia e em 2009, 15,8 mil eu­ros por reu­nião.‹ A ní­vel da In­te­ro­ceâ­ni­co, o lí­der des­ta em­pre­sa é Car­los da Sil­va, pre­si­den­te e ac­ci­o­nis­ta do Ban­co Atlân­ti­co (on­de a So­nan­gol tem uma for­te pre­sen­ça), ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra de ca­pi­tais an­go­la­nos que par­ti­ci­pou na as­ses­so­ria fi­nan­cei­ra do ne­gó­cio da So­a­res da Cos­ta. Car­los Sil­va é tam­bém vi­ce-pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do BCP, on­de a So­nan­gol é a mai­or ac­ci­o­nis­ta, com 19,4%, fi­can­do a In­te­ro­ceâ­ni­co com 2,1%. Cou­be ao BCP mon­tar a ope­ra­ção fi­nan­cei­ra li­ga­da ao ne­gó­cio da Con­tro­lin­ves­te. Segundo a Con­tro­lin­ves­te, a en­tra­da de An­tó­nio Mos­qui­to iria per­mi­tir cri­ar “um gru­po de media no es­pa­ço da lu­so­fo­nia po­ten­ci­a­dor da aber­tu­ra a no­vos mer­ca­dos” e à “cap­ta­ção de si­ner­gi­as mui­to re­le­van­tes”. O que, vê-se ago­ra, pas­sa por to­dos es­tes des­pe­di­men­tos. Com a agra­van­te de que ga­ran­tia que “pre­ten­de al­can­çar e re­for­çar uma po­si­ção de li­de­ran­ça nos seg­men­tos on­de es­tá pre­sen­te e pers­pec­ti­va no­vos ne­gó­ci­os”. A si­tu­a­ção re­al é de tal or­dem que, mais uma vez, se ques­ti­o­na o que es­ta­rá por trás des­te ne­gó­cio que en­vol­ve mi­lhões de eu­ros de ori­gem des­co­nhe­ci­da mas trans­por­ta­dos por An­tó­nio Mos­qui­to. De fac­to, o sec­tor da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al é uma área es­tra­nha a es­te em­pre­sá­rio, ao con­trá­rio – por exem­plo – do que se pas­sa com a com­pra da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção, em­pre­sa cu­ja prin­ci­pal fon­te de re­cei­tas es­tá pre­ci­sa­men­te no nos­so país. Re­cor­de-se que o nos­so país te­ve um pe­so de 44,1% nas ven­das, atin­gin­do os 353,5 mi­lhões de eu­ros (mais 8% do

qua­li­da­de da in­for­ma­ção e no plu­ra­lis­mo, o que é mui­to im­por­tan­te”, afir­ma a vi­ce-pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Jor­na­lis­tas (SJ), Ro­sá­ria Ra­to. A pro­pó­si­to das ac­ções de pro­tes­to le­va­das a ca­bo, Al­fre­do Maio, pre­si­den­te do SJ, diz que têm co­mo “ob­jec­ti­vo é cri­ar-se um co­ro de pro­tes­to con­tra es­te des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo bru­tal”. “No es­pa­ço de cin­co anos, es­ta­mos a fa­lar de 280 pes­so­as des­pe­di­das num gru­po que tem dos prin­ci­pais ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al do país. A ar­gu­men­ta­ção da em­pre­sa, além das ava­li­a­ções, ida­de e sa­lá­ri­os, pas­sa por fa­lar nas si­ner­gi­as que po­dem ser cri­a­das en­tre os vá­ri­os tí­tu­los com a par­ti­lha de con­teú­dos. Va­mos, por­tan­to, ter um úni­co olhar so­bre um mes­mo acon­te­ci­men­to em cin­co ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção”, diz Hél­der Ro­ba­lo, um dos jor­na­lis­tas des­pe­di­dos. Por via do re­cen­te au­men­to de ca­pi­tal, 16,1 mi­lhões de eu­ros fo­ram apli­ca­dos em di­nhei­ro. Mon­tan­te que abar­ca os 10,4 mi­lhões de Edu­ar­do dos San­tos/Isa­bel dos San­tos/An­tó­nio Mos­qui­to, além de 5,69 mi­lhões de eu­ros a car­go de Luís Mon­tez. Re­gis­tou-se ain­da a con­ver­são de cré­di­tos em ca­pi­tal por par­te do BES e do BCP, que têm uma par­ti­ci­pa­ção de 15% ca­da um, avaliadas em 5,69 mi­lhões. As­sim, a Con­tro­lin­ves­te Con­teú­dos de­tém um ca­pi­tal so­ci­al de 37,9 mi­lhões de eu­ros. No to­tal, segundo a nos­sa fon­te o clã Dos San­tos, atra­vés do seu la­ran­ja, An­tó­nio Mos­qui­to já te­rá in­ves­ti­do com a sua as­si­na­tu­ra pe­lo me­nos 80 mi­lhões de eu­ros em Por­tu­gal, após ter com­pra­do a mai­o­ria do ca­pi­tal da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção. E to­dos es­tes ne­gó­ci­os fo­ram con­cre­ti­za­dos num rai­de em que, em ape­nas 24 ho­ras, não só ad­qui­riu a cons­tru­to­ra co­mo par­ta re­le­van­te da Con­tro­lin­ves­te. Co­mo ne­gó­ci­os com a Con­tro­lin­ves­te, o ad­vo­ga­do Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho foi elei­to pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, do qual fa­zem ain­da par­te Luís Mon­tez, Ro­lan­do Oli­vei­ra (fi­lho de Jo­a­quim Oli­vei­ra), Jor­ge Car­rei­ra, Ví­tor Ri­bei­ro e Jo­sé Car­los Lou­ren­ço. Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho é um dos fun­da­do­res da In­te­ro­ceâ­ni­co, uma so­ci­e­da­de que jun­tou in­te­res­ses por­tu­gue­ses e an­go­la­nos. Era, em 2010, a fi­gu­ra com mais car­gos en­tre os ad­mi­nis­tra­do­res não exe­cu­ti­vos das com­pa­nhi­as do PSI-20, e tam­bém o mais bem pa­go. É pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Zon, mem­bro da co­mis­são de re­mu­ne­ra­ções do BES, vi­ce-pre­si­den­te da me­sa da as­sem­bleia ge­ral da CGD e pre­si­den­te da me­sa na Galp Ener­gia. E es­tes são ape­nas os car­gos em em­pre­sas co­ta­das, já que Pro­en­ça de Car­va­lho de­sem­pe­nha fun­ções se­me­lhan­tes em mais de 30 em­pre­sas. Con­si­de­ran­do ape­nas es­tas qua­tro em­pre­sas (já que só é pos­sí­vel sa­ber a re­mu­ne­ra­ção em em­pre­sas co­ta­das em bol­sa), o ad­vo­ga­do re­ce­beu 252 mil eu­ros. Ten­do em con­ta que es­te­ve pre­sen­te em 16 reu­niões, Pro­en­ça de Car­va­lho re­ce­beu, em mé­dia e em 2009, 15,8 mil eu­ros por reu­nião.‹ A ní­vel da In­te­ro­ceâ­ni­co, o lí­der des­ta em­pre­sa é Car­los da Sil­va, pre­si­den­te e ac­ci­o­nis­ta do Ban­co Atlân­ti­co (on­de a So­nan­gol tem uma for­te pre­sen­ça), ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra de ca­pi­tais an­go­la­nos que par­ti­ci­pou na as­ses­so­ria fi­nan­cei­ra do ne­gó­cio da So­a­res da Cos­ta. Car­los Sil­va é tam­bém vi­ce-pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do BCP, on­de a So­nan­gol é a mai­or ac­ci­o­nis­ta, com 19,4%, fi­can­do a In­te­ro­ceâ­ni­co com 2,1%. Cou­be ao BCP mon­tar a ope­ra­ção fi­nan­cei­ra li­ga­da ao ne­gó­cio da Con­tro­lin­ves­te. Segundo a Con­tro­lin­ves­te, a en­tra­da de An­tó­nio Mos­qui­to iria per­mi­tir cri­ar “um gru­po de media no es­pa­ço da lu­so­fo­nia po­ten­ci­a­dor da aber­tu­ra a no­vos mer­ca­dos” e à “cap­ta­ção de si­ner­gi­as mui­to re­le­van­tes”. O que, vê-se ago­ra, pas­sa por to­dos es­tes des­pe­di­men­tos. Com a agra­van­te de que ga­ran­tia que “pre­ten­de al­can­çar e re­for­çar uma po­si­ção de li­de­ran­ça nos seg­men­tos on­de es­tá pre­sen­te e pers­pec­ti­va no­vos ne­gó­ci­os”. A si­tu­a­ção re­al é de tal or­dem que, mais uma vez, se ques­ti­o­na o que es­ta­rá por trás des­te ne­gó­cio que en­vol­ve mi­lhões de eu­ros de ori­gem des­co­nhe­ci­da mas trans­por­ta­dos por An­tó­nio Mos­qui­to. De fac­to, o sec­tor da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al é uma área es­tra­nha a es­te em­pre­sá­rio, ao con­trá­rio – por exem­plo – do que se pas­sa com a com­pra da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção, em­pre­sa cu­ja prin­ci­pal fon­te de re­cei­tas es­tá pre­ci­sa­men­te no nos­so país. Re­cor­de-se que o nos­so país te­ve um pe­so de 44,1% nas ven­das, atin­gin­do os 353,5 mi­lhões de eu­ros (mais 8% do

qua­li­da­de da in­for­ma­ção e no plu­ra­lis­mo, o que é mui­to im­por­tan­te”, afir­ma a vi­ce-pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Jor­na­lis­tas (SJ), Ro­sá­ria Ra­to. A pro­pó­si­to das ac­ções de pro­tes­to le­va­das a ca­bo, Al­fre­do Maio, pre­si­den­te do SJ, diz que têm co­mo “ob­jec­ti­vo é cri­ar-se um co­ro de pro­tes­to con­tra es­te des­pe­di­men­to co­lec­ti­vo bru­tal”. “No es­pa­ço de cin­co anos, es­ta­mos a fa­lar de 280 pes­so­as des­pe­di­das num gru­po que tem dos prin­ci­pais ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al do país. A ar­gu­men­ta­ção da em­pre­sa, além das ava­li­a­ções, ida­de e sa­lá­ri­os, pas­sa por fa­lar nas si­ner­gi­as que po­dem ser cri­a­das en­tre os vá­ri­os tí­tu­los com a par­ti­lha de con­teú­dos. Va­mos, por­tan­to, ter um úni­co olhar so­bre um mes­mo acon­te­ci­men­to em cin­co ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção”, diz Hél­der Ro­ba­lo, um dos jor­na­lis­tas des­pe­di­dos. Por via do re­cen­te au­men­to de ca­pi­tal, 16,1 mi­lhões de eu­ros fo­ram apli­ca­dos em di­nhei­ro. Mon­tan­te que abar­ca os 10,4 mi­lhões de Edu­ar­do dos San­tos/Isa­bel dos San­tos/An­tó­nio Mos­qui­to, além de 5,69 mi­lhões de eu­ros a car­go de Luís Mon­tez. Re­gis­tou-se ain­da a con­ver­são de cré­di­tos em ca­pi­tal por par­te do BES e do BCP, que têm uma par­ti­ci­pa­ção de 15% ca­da um, avaliadas em 5,69 mi­lhões. As­sim, a Con­tro­lin­ves­te Con­teú­dos de­tém um ca­pi­tal so­ci­al de 37,9 mi­lhões de eu­ros. No to­tal, segundo a nos­sa fon­te o clã Dos San­tos, atra­vés do seu la­ran­ja, An­tó­nio Mos­qui­to já te­rá in­ves­ti­do com a sua as­si­na­tu­ra pe­lo me­nos 80 mi­lhões de eu­ros em Por­tu­gal, após ter com­pra­do a mai­o­ria do ca­pi­tal da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção. E to­dos es­tes ne­gó­ci­os fo­ram con­cre­ti­za­dos num rai­de em que, em ape­nas 24 ho­ras, não só ad­qui­riu a cons­tru­to­ra co­mo par­ta re­le­van­te da Con­tro­lin­ves­te. Co­mo ne­gó­ci­os com a Con­tro­lin­ves­te, o ad­vo­ga­do Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho foi elei­to pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, do qual fa­zem ain­da par­te Luís Mon­tez, Ro­lan­do Oli­vei­ra (fi­lho de Jo­a­quim Oli­vei­ra), Jor­ge Car­rei­ra, Ví­tor Ri­bei­ro e Jo­sé Car­los Lou­ren­ço. Daniel Pro­en­ça de Car­va­lho é um dos fun­da­do­res da In­te­ro­ceâ­ni­co, uma so­ci­e­da­de que jun­tou in­te­res­ses por­tu­gue­ses e an­go­la­nos. Era, em 2010, a fi­gu­ra com mais car­gos en­tre os ad­mi­nis­tra­do­res não exe­cu­ti­vos das com­pa­nhi­as do PSI-20, e tam­bém o mais bem pa­go. É pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Zon, mem­bro da co­mis­são de re­mu­ne­ra­ções do BES, vi­ce-pre­si­den­te da me­sa da as­sem­bleia ge­ral da CGD e pre­si­den­te da me­sa na Galp Ener­gia. E es­tes são ape­nas os car­gos em em­pre­sas co­ta­das, já que Pro­en­ça de Car­va­lho de­sem­pe­nha fun­ções se­me­lhan­tes em mais de 30 em­pre­sas. Con­si­de­ran­do ape­nas es­tas qua­tro em­pre­sas (já que só é pos­sí­vel sa­ber a re­mu­ne­ra­ção em em­pre­sas co­ta­das em bol­sa), o ad­vo­ga­do re­ce­beu 252 mil eu­ros. Ten­do em con­ta que es­te­ve pre­sen­te em 16 reu­niões, Pro­en­ça de Car­va­lho re­ce­beu, em mé­dia e em 2009, 15,8 mil eu­ros por reu­nião.‹ A ní­vel da In­te­ro­ceâ­ni­co, o lí­der des­ta em­pre­sa é Car­los da Sil­va, pre­si­den­te e ac­ci­o­nis­ta do Ban­co Atlân­ti­co (on­de a So­nan­gol tem uma for­te pre­sen­ça), ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra de ca­pi­tais an­go­la­nos que par­ti­ci­pou na as­ses­so­ria fi­nan­cei­ra do ne­gó­cio da So­a­res da Cos­ta. Car­los Sil­va é tam­bém vi­ce-pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do BCP, on­de a So­nan­gol é a mai­or ac­ci­o­nis­ta, com 19,4%, fi­can­do a In­te­ro­ceâ­ni­co com 2,1%. Cou­be ao BCP mon­tar a ope­ra­ção fi­nan­cei­ra li­ga­da ao ne­gó­cio da Con­tro­lin­ves­te. Segundo a Con­tro­lin­ves­te, a en­tra­da de An­tó­nio Mos­qui­to iria per­mi­tir cri­ar “um gru­po de media no es­pa­ço da lu­so­fo­nia po­ten­ci­a­dor da aber­tu­ra a no­vos mer­ca­dos” e à “cap­ta­ção de si­ner­gi­as mui­to re­le­van­tes”. O que, vê-se ago­ra, pas­sa por to­dos es­tes des­pe­di­men­tos. Com a agra­van­te de que ga­ran­tia que “pre­ten­de al­can­çar e re­for­çar uma po­si­ção de li­de­ran­ça nos seg­men­tos on­de es­tá pre­sen­te e pers­pec­ti­va no­vos ne­gó­ci­os”. A si­tu­a­ção re­al é de tal or­dem que, mais uma vez, se ques­ti­o­na o que es­ta­rá por trás des­te ne­gó­cio que en­vol­ve mi­lhões de eu­ros de ori­gem des­co­nhe­ci­da mas trans­por­ta­dos por An­tó­nio Mos­qui­to. De fac­to, o sec­tor da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al é uma área es­tra­nha a es­te em­pre­sá­rio, ao con­trá­rio – por exem­plo – do que se pas­sa com a com­pra da So­a­res da Cos­ta Cons­tru­ção, em­pre­sa cu­ja prin­ci­pal fon­te de re­cei­tas es­tá pre­ci­sa­men­te no nos­so país. Re­cor­de-se que o nos­so país te­ve um pe­so de 44,1% nas ven­das, atin­gin­do os 353,5 mi­lhões de eu­ros (mais 8% do

que em 2011).

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Post