JORNAL FACTOS DE ANGOLA Mundo Chavismo vence referendo sobre anexação de Essequibo e tensão aumenta com a Guiana

Chavismo vence referendo sobre anexação de Essequibo e tensão aumenta com a Guiana

Chavismo vence referendo sobre anexação de Essequibo e tensão aumenta com a Guiana post thumbnail image

Ou o chavismo vence neste domingo Referendo não vinculativo sobre a anexação de Essequibo, região de selva de 160 mil quilômetros quadrados em disputa com a Guiana, com mais de 90% dos votos e com participação próxima de 50%, atrás apenas do Centro Nacional Eleitoral (CNE). A intenção do Governo venezuelano de assumir ou controlar aquela parte da Guiana, que representa dois terços do seu território, aumenta a tensão com o país vizinho, que viu a convocação do chavismo às urnas como uma provocação explícita.

O presidente da CNE, Elvis Amoroso, declarou três horas depois do encerramento de dois centros de votação que a participação na defesa da soberania venezuelana de Essequibo e do Acordo de Genebra de 1966 estava limitada a “10 mil pessoas”, um número de eleitores que

Hugo Chavez Não chegue ao seu melhor momento. As autoridades chavistas negarão desde o início que o fluxo de pessoas aos centros eleitorais tenha sido baixo e declararão que a participação nas assembleias eleitorais foi massiva. Tem sido dada muita ênfase a todo este processo, indo além das duas partes e sendo um objectivo nacional, embora seja Miraflores que apela.

O Governo lançou uma enorme campanha nacionalista para promover um mapa da Venezuela que aumente o território – rico em petróleo e minerais – da Guiana Esequiba, maior que Portugal. Nicolás Maduro foi o primeiro a apoiar o referendo que poderá servir de sinal de partida para a sua campanha para as eleições presidenciais de 2024, onde enfrentará uma candidata da oposição, que poderá ser María Corina Machado, vencedora das primárias. A desqualificação é finalmente levantada. O aparelho estatal é promovido ou votado com outdoors, concertos,

merchandising, eleições militares e publicidade incessante nas redes sociais.

Apoiadores do governo comemoram a data de um centro de votação após o término do dia do referendo consultivo de El Essequibo.
Apoiadores do governo comemoram a data de um centro de votação após o término do dia do referendo consultivo de El Essequibo.Rayner Peña R (EFE)

No entanto, imagens de centros de votação vazios circulam ao longo do dia. Na ausência de gente, isso foi comentado há muito tempo e foi palpável nas prévias da televisão estatal venezuelana, onde muitos líderes nacionais e regionais falaram sobre o compromisso sagrado e o dever nacional. Em alguns centros de votação foi visível a presença de membros activos da Guarda Nacional e de estudantes da Universidade de Segurança Nacional, entre outros responsáveis ​​do Estado, à espera da sua vez de votar.

Alguns importantes políticos da oposição, como o ex-candidato presidencial Henrique Capriles ou o governador Manuel Rosales, decidirão apoiar a iniciativa e comparecerão para votar. Se não houver eleitores, estamos localizados onde votaremos. Contudo, os sectores mais intransigentes da oposição venezuelana, na sua maioria neste momento, optarão por questionar o conteúdo do referendo e, tal como o partido Vontade Popular, apelarão à população para “não se deixar manipular”. ” María Corina Machado afirmou que não participaria da consulta porque “a soberania nacional não se consulta, ela se exerce”.

Jorge Rodríguez, presidente do comando oficial que promoveu o referendo, felicitou a população pela sua participação e insistiu que a total ausência de incidentes é uma nova prova de que o sistema eleitoral venezuelano “é um dos melhores do mundo”, graças ao velocidade do processo. Alguns analistas afirmam que a rapidez da votação poderia explicar a ausência de filas e que os níveis de participação poderiam ser superiores às estimativas da oposição, que desconfia de dois números oficiais.

Amoroso declarou com seis dias de atraso que o confinamento de dois meses foi prolongado por mais duas horas, até às 20:00, para dar oportunidade a quem não pôde votar, dado que os cidadãos continuaram a votar. O Ministro da Defesa, Vladimir Padrino, expressou sua satisfação pelo resultado de uma iniciativa “cívica” para reivindicar a legítima soberania nacional em Essequibo. Os noticiários da televisão estatal afirmaram que esta foi “a primeira consulta popular em defesa da soberania nacional que foi realizada na nossa história”. Diosdado Cabello destacou a rapidez do processo, a ausência de incidentes e a disciplina da cidade.

referendo na Venezuela sobre território disputado com a Guiana

Na sexta feira, para a Guiana

Pedimos ao Tribunal Internacional de Justiça da ONU, com sede em Haia, que suspenda a consulta popular venezuelana, considerando a falta dela. O chavismo considera uma vitória para uma organização que não foi explicitamente suspensa no processo, o Tribunal das Nações Unidas reiterou suas advertências a Caracas “para não fazer nada que modifique a situação no território que a Guiana de facto administra e controla”, enquanto o chavismo determina o mérito da disputa pelo território analisado pelo tribunal, que é, justamente, a validade da fronteira defendida pela Guiana. Os magistrados também manifestaram preocupação com algumas das questões levantadas na consulta, à quinta. É disso que mais suspeitamos, porque o Governo Maduro recebe autorização popular para criar um Estado em território disputado e dar identidade venezuelana a pouco mais de 125 mil pessoas que vivem na selva e que não são guianenses.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Post