JORNAL FACTOS DE ANGOLA Mundo Prefeito de Kiev abre hostilidades políticas na Ucrânia ao acusar Zelensky de autoritarism

Prefeito de Kiev abre hostilidades políticas na Ucrânia ao acusar Zelensky de autoritarism

Prefeito de Kiev abre hostilidades políticas na Ucrânia ao acusar Zelensky de autoritarism post thumbnail image

Destaques: Prefeito de Kiev abre hostilidades políticas na Ucrânia ao acusar Zelensky de autoritarismo. Vitali Klitschko critica o presidente por acumular excesso de poder e por não ter preparado o país para a invasão russa. As eleições presidenciais deverão realizar-se em Março de 2024, mas de acordo com a Constituição, se a lei marcial estiver em vigor, não será possível organizar eleições. O único contrapoder que resta na Ucrânia, um país cada vez mais centralista, na sua opinião, são os municípios.

 


A trégua política na Ucrânia acabou. As hostilidades eclodiram no topo do governo ucraniano, coincidindo com o futuro sombrio que aguarda o país no campo de batalha. O prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, acusou o presidente Volodymyr Zelensky de concentrar muito poder e empurrar o país para o autoritarismo. “Não somos mais diferentes da Rússia, onde tudo depende do humor de uma pessoa”, disse Klitschko ao semanário alemão Der Spiegel na sexta-feira.

A tumultuada vida política da Ucrânia assinou um armistício no dia em que o presidente russo Vladimir Putin anunciou a sua invasão, 24 de fevereiro de 2022. Quase dois anos depois, a tensão já não se consegue esconder atrás de mensagens patrióticas banais de unidade. Klitschko, que é prefeito da capital há nove anos e também candidato à presidência, concedeu duas entrevistas que sinalizam uma nova fase na vida política ucraniana.

O presidente da Câmara de Kiev aproveitou a crescente agitação que ganha terreno na sociedade. Klitschko criticou Zelensky por ter cometido vários erros, sendo o principal deles não ter preparado a Ucrânia para uma invasão. “As pessoas se perguntam por que não estávamos preparados para a guerra, por que Zelensky negou até o último momento que isso fosse possível, ou por que os russos conseguiram chegar a Kiev tão rapidamente. Há tanta informação que não era verdade”, disse Klitschko ao 20 Minutes da Suíça. edição no sábado.

O ex-campeão peso-pesado de boxe e líder político da oposição já destacou essa mesma crítica a Zelenski em entrevista ao EL PAÍS em setembro de 2022: o presidente descartou que uma invasão russa fosse possível até poucas horas antes de ela acontecer, negando avisos dos serviços de inteligência dos EUA que um ataque russo era iminente.

Klitschko atacou especialmente Zelenski pelo poder que monopolizou o gabinete do presidente, deixando o governo e também a Rada, o parlamento ucraniano, onde o seu partido tem maioria absoluta, em segundo plano. Para Klitschko, o único contrapoder que resta na Ucrânia, um país cada vez mais centralista, na sua opinião, são os municípios. A Der Spiegel também falou com o deputado Oleksii Goncharenko, a voz mais conhecida da Solidariedade Europeia, o principal partido da oposição. Goncharenko denunciou que as decisões sobre um país inteiro estão a ser tomadas por Zelensky e pelo seu braço direito, Andrii Yermak. Goncharenko aprofundou-se numa das críticas mais comuns a Zelensky, o controlo férreo sobre os meios de comunicação, especificamente, com as notícias unificadas que foram criadas desde o início da guerra: “O líder está confortável com o facto de não haver críticas e de que ele controla uma grande parte da mídia.”

O prefeito, com o chefe do exército

Klitschko sublinhou ainda a questão que mais desconforto tem causado na Presidência, as divergências tornadas públicas neste mês de Novembro com o comandante-em-chefe das Forças Armadas Ucranianas, Valeri Zaluzhni. Este general anunciou no The Economist , numa entrevista e num longo artigo, que a situação na frente não era susceptível de mudar a favor da Ucrânia e que o país deveria preparar-se para uma guerra a longo prazo. Zelensky repudiou publicamente Zaluzhni, sublinhando que não é verdade que a frente esteja paralisada e que o país não precise de mensagens negativas. O prefeito de Kiev deu seu apoio ao soldado: “Podemos mentir com euforia para nosso povo e nossos aliados. Mas não podemos fazer isso para sempre. Alguns de nossos políticos criticaram injustamente Zaluzhni por suas palavras claras. Dou-lhe meu apoio .”

Questionado se aspira a ser presidente, Klitschko evitou responder, alegando que a situação exige lealdade a Zelensky. Numa hipotética eleição presidencial e legislativa, as sondagens ainda dão uma grande maioria de apoio ao actual presidente e ao seu partido, o Servidor do Povo. As eleições presidenciais deverão realizar-se em Março de 2024. As eleições para renovar o parlamento deveriam ter sido realizadas neste Outono, mas de acordo com a Constituição, se a lei marcial estiver em vigor, não será possível organizar eleições.

Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky durante uma visita à frente de Kharkiv, quinta-feira, 30 de novembro de 2023.Anadolu (Anadolu via Getty Images)

A equipa de Zelensky abriu o debate no Verão sobre a oportunidade de realizar eleições presidenciais e legislativas, após a reforma da Constituição, eleições que lhe seriam, com toda a probabilidade, favoráveis. Mas as sondagens indicam que a população está contra as eleições, porque há uma série de reveses que limitariam a pluralidade do voto, desde a impossibilidade de participação dos territórios ocupados pela Rússia até aos milhões de ucranianos que se mudaram para o estrangeiro. Mas dos Estados Unidos, o principal apoiante financeiro e militar de Kiev, juntamente com a União Europeia, mais vozes nos partidos Democrata e Republicano apelam à Ucrânia para que faça um esforço para demonstrar o seu compromisso com a democracia. Para Zelensky, o problema é que quanto mais o tempo passa, mais descontentamento existe contra ele. The Economist publicou esta semana os resultados de uma sondagem na qual Zelensky recebe apenas 32% de apoio popular, em comparação com 70% para Zaluzhni.

The Economist também informou que a presidência ucraniana pressionou Zaluzhni para limitar as suas intervenções públicas. Fontes próximas do comandante-em-chefe disseram a este jornal em Abril passado que o gabinete do presidente exigiu que Zaluzhny evitasse a sua presença nos meios de comunicação, a fim de conter a sua popularidade. Outras fontes militares na frente sul do país dizem que a equipa do presidente exigiu que outro homem do partido particularmente popular de Zelensky, Vitalii Kim, o governador de Mykolaiv, diminuísse a sua presença pública.

Os casos de corrupção e os fracos resultados militares na frente estão a minar o peso popular de Zelensky. A grande contra-ofensiva ucraniana que começou em Junho não deu em nada e o inimigo está a avançar nas frentes de Donetsk e Kharkiv. As pessoas estão a ficar cansadas de fazer sacrifícios para continuar a lutar contra a Rússia, segundo empresas de sondagens. Tanto Klitschko como Goncharenko são políticos mais nacionalistas do que Zelensky, ainda menos inclinados do que ele a dar qualquer coisa à Rússia. Mas há outros políticos que estão a ganhar notoriedade e que defendem a abertura de negociações de paz, sendo o mais proeminente Oleskii Arestovich, antigo confidente de Zelensky.

Decisões baseadas na razão, e não nas emoções, são difíceis de tomar enquanto o invasor russo continuar na Ucrânia. Mesmo assim, 60% da população continua a ser a favor do combate até que os russos sejam expulsos de todo o território, segundo uma sondagem Gallup de Outubro passado. As atrocidades russas continuam a ocorrer, como evidenciado pelo vídeo que circulou nas redes sociais esta semana sobre a execução de dois soldados ucranianos que se renderam numa trincheira na frente. O exército confirmou a veracidade das imagens e o Ministério Público ucraniano abriu uma investigação sobre um possível crime de guerra.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Post