Ruanda diz que questiona a credibilidade dos EUA na mediação da paz na região dos Grandes Lagos

Redação:Factos de Angola

Kigali, 19 fev (Xinhua) — Ruanda disse que questiona “a capacidade dos Estados Unidos de servir como um mediador confiável na região dos Grandes Lagos”.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação Internacional do Ruanda afirmou no domingo que uma declaração emitida pelo Departamento de Estado dos EUA no dia anterior “distorce fundamentalmente” a realidade dos conflitos no leste da República Democrática do Congo (RDC).

A declaração dos EUA “está em contradição intrigante com a substância e o tom do processo de construção de confiança iniciado pelo Diretor de Inteligência Nacional dos EUA em Novembro de 2023, que criou um quadro produtivo para a desescalada”, afirmou a declaração do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Ruanda.

“O Ruanda procurará esclarecimentos junto do governo dos EUA para determinar se a sua declaração representa uma mudança abrupta na política ou simplesmente uma falta de coordenação interna”, afirma o comunicado.

O Ministério das Relações Exteriores de Ruanda estava respondendo a uma declaração do Departamento de Estado dos EUA no sábado que “condena veementemente o agravamento da violência no leste da República Democrática do Congo (RDC) causado pelas ações do grupo armado M23 apoiado por Ruanda e sancionado pelos EUA e pela ONU”. grupo, incluindo suas recentes incursões na cidade de Sake.”

“Esta escalada aumentou o risco para milhões de pessoas já expostas a abusos dos direitos humanos, incluindo deslocamentos, privações e ataques”, afirma o comunicado dos EUA. “Apelamos ao M23 para que cesse imediatamente as hostilidades e se retire das suas actuais posições em torno de Sake e Goma e de acordo com os processos de Luanda e Nairobi.”

Goma é a capital da província de Kivu do Norte, na RDC.

“Os Estados Unidos condenam o apoio do Ruanda ao grupo armado M23 e apelam ao Ruanda para que retire imediatamente todo o pessoal das Forças de Defesa do Ruanda da RDC e remova os seus sistemas de mísseis terra-ar, que ameaçam as vidas de civis, da ONU e de outras forças de manutenção da paz regionais. , atores humanitários e voos comerciais no leste da RDC”, afirmou o comunicado do Departamento de Estado.

“Apelamos ao governo da RDC para que continue a apoiar medidas de criação de confiança, incluindo a cessação da cooperação com as Forças Democráticas para a Libertação do Ruanda (FDLR), um grupo armado considerado uma ‘força negativa’ pelos órgãos regionais e pelo governo da RDC e que expõe a população civil a riscos”, acrescenta o comunicado dos EUA.

O Ruanda, na sua declaração de domingo, disse que considera as FDLR como um grupo terrorista cujos elementos estão ligados ao genocídio de 1994, quando cerca de 1 milhão de pessoas, a maioria da comunidade tutsi e hutus moderados, foram mortas por extremistas hutus num período de 100 dias.

“Foi o Departamento de Estado dos EUA que, em Dezembro de 2001, adicionou as FDLR – então conhecidas como ‘ALIR, também conhecido como Interahamwe, ex-FAR’ – à Lista de Exclusão Terrorista ao abrigo das disposições da Lei Patriota, depois do grupo ter sido assassinado, e em alguns casos de violação, oito turistas ocidentais em Bwindi, Uganda, incluindo dois americanos”, afirmou o comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Ruanda.

“Caracterizar este grupo genocida e terrorista meramente como ‘um grupo armado nomeado como uma ‘força negativa’ pelos órgãos regionais e pelo governo da RDC’ é um ato chocante e cínico de realpolitik, que põe em causa a capacidade dos Estados Unidos servir como um mediador confiável na região dos Grandes Lagos”, disse o comunicado.

O Ruanda, que tem negado consistentemente as acusações de apoiar os rebeldes do M23, disse que a declaração dos EUA “distorce fundamentalmente as realidades” em relação ao conflito no leste da RDC.

Afirmou que garantir a desmobilização e o repatriamento das FDLR para o Ruanda é “um requisito inegociável para proteger a integridade territorial do Ruanda”.

Desde a primeira semana deste mês, em meio a deslocamentos em massa, 15 civis foram mortos e 29 feridos após novos combates nas cidades de Goma e Sake, disse o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) na semana passada. Cerca de 135 mil pessoas deslocadas internamente fugiram da cidade de Sake para Goma

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *