Presidente da República inaugura o novo Hospital Militar Principal

O Presidente da República, João Lourenço, inaugurou  o novo Hospital Militar Principal, acompanhado pela Primeira-dama, Ana Dias Lourenço e por membros do Executivo. Localizada no Distrito Urbano da Maianga, Município de Luanda, a obra esteve a cargo do Grupo OMATAPALO e incluiu a construção de dois edifícios, com quatro pisos, cada. Além da edificação destes novos edifícios, foram feitos trabalhos de requalificação das áreas adjacentes, com novas infra-estruturas envolventes, incluindo, todo o projecto paisagístico, iluminação e o necessário apetrechamento.

O parque de estacionamento foi igualmente requalificado e ampliado, tendo agora 90 lugares para garantir a comodidade e acessibilidade dos utentes. Esta nova unidade de saúde, com capacidade para 160 camas, possui cinco blocos operatórios, salas de cuidados intensivos, centro de imagiologia, salas de urologia, estomatologia, ortopedia, enfermarias, centro de produção de oxigénio, farmácias, entre outras valências que refletem o compromisso do Executivo em assegurar as melhores condições de assistência médica e medicamentosa às Forças Armadas Angolanas e suas famílias. Além disso, este hospital está preparado para actuar em situações de emergência de saúde pública, crises pandémicas e desastres naturais, contribuindo assim para a segurança e bem-estar de toda a população. Leonel Canhanga, Director da Obra, mostrou-se orgulhoso e afirma que “a inauguração deste hospital marca não apenas o término de uma jornada, mas também, o início de uma nova era de cuidados de saúde no país. A qualidade e a capacidade técnica demonstrada pelo Grupo OMATAPALO e por todos os envolvidos são um testemunho do compromisso incansável com o bemestar dos nossos cidadãos”. Com uma área bruta de 20,267 mil m2, o Hospital Militar Principal, vai entrar brevemente na sua segunda fase de construção e reabilitação e está previsto erguer um edifício com 7 andares e outras infra-estruturas de apoio. Com estas obras, pretende-se que a instituição pública seja também um centro de formação de referência a nível nacional, formando e treinando novos médicos e especialistas em diversas áreas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *