JORNAL FACTOS DE ANGOLA NACIONAL Início da produção na refinaria de Cabinda adiado para Outubro de 2027

Início da produção na refinaria de Cabinda adiado para Outubro de 2027

Início da produção na refinaria de Cabinda  adiado para Outubro de 2027 post thumbnail image

Nova refinaria de Cabinda, com arranque previsto para 2024, foi adiada para Outubro de 2027 por falta de dinheiro para conclusão das obras portanto a noticia ainda nao foi informada as autoridades angolanas.

A história dos custos e dos prazos da refinaria de Cabinda começa na altura em que foi entregue à Gemcorp por ajuste directo, dois dias depois da rescisão do contrato com a United Shine, “na sequência do incumprimento das acções acordadas e da não garantia, de forma efectiva, incondicional e concreta”  na altura, foi dito que o projecto teria um custo de 320 milhões de dólares e não haveria qualquer alteração nos prazos que estavam no concurso internacional, iniciado em 2017 e finalizado a 22 de Janeiro de 2019 com a assinatura do contrato com a United Shine.

A primeira fase da nova refinaria de Angola de 60 mil barris por dia em Cabinda que deveria produzir seus primeiros produtos em meados de 2024, o aumento global nos projetos de refino afetam os custos e as aquisições,
O projecto da refinaria de Cabinda é uma das três novas refinarias planeadas para o segundo maior produtor de petróleo bruto de África, com o objectivo de reduzir a sua dependência da importação de quase todas as suas necessidades internas de produtos refinados.
A primeira fase implicará a construção de uma unidade de petróleo bruto de 30.000 bpd que produz nafta, combustível de aviação, diesel e combustível pesado.
“Por quanto tempo a crise financeira que enfrenta a empresa gestora da obra  (já que) isso já impactou nossas compras porque alguns preços aumentaram desde os planos de despesas iniciais”.disse a nossa fonte.
“O governo de Angola quer que seja o mais rapidamente possível, mas demora muito tempo para a aquisição de alguns equipamentos, como bombas e compressores”, acrescentou.
O  governo haviam projetado anteriormente que o início das operações seria em 2022.
Cerca de 90% do financiamento de capital para a fábrica foi obtido pelo grupo de investimento Gemcorp, com sede no Reino Unido, principalmente junto de instituições financeiras africanas como o Afreximbank, sendo os restantes 10% fornecidos pelo grupo petrolífero estatal angolano Sonangol.

A maior fatia deste financiamento foi desviado para outros fins que originou atraso das obras “Neste momento, os bancos estão com dificuldades em finalizar o seu compromisso inicial de dinheiro, que será o primeiro terço do dinheiro necessário”,sobre o projecto, que custa cerca de mil milhões de dólares.
A refinaria será abastecida com petróleo local de Cabinda transportado através de uma bóia offshore e estão a ser consideradas diferentes configurações para a segunda e terceira fases.
“Estamos a tentar fazer o que é melhor para o governo de Angola, por isso estamos a tentar olhar até para o potencial de aumentar a produção para mais de 60 mil bpd,

.De acordo com o que o Jornal Maka Mavulo apurou, as obras das infraestruturas da refinaria de Cabinda que recebeu  o  apoio a unidade industrial também estão atrasadas relativamente ao que era o plano inicial.

A acontecer, será a terceira vez que o prazo de execução é adiado.

A primeira data anunciada foi o final de 2021, depois transferida para o final do primeiro trimestre de 2022, sendo que há um ano foi esticada até ao final de Junho ano 2023. Mas nada foi cumprida  disse.a fonte ao Jornal Factos de Angola

Por: Gomes Muginga

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Post