JORNAL FACTOS DE ANGOLA NACIONAL MÁFIA NO INAR:Legalizar seitas religiosas rende milhões

MÁFIA NO INAR:Legalizar seitas religiosas rende milhões

MÁFIA NO INAR:Legalizar seitas religiosas rende milhões post thumbnail image

Apesar de não se pagar nada, para quem quer ver registada e legalizada a sua confissão religiosa, com alguma facilidade, tem de desembolsar algo de forma ‘subterrânea’, como soe dizer-se.

O processo de registo e reconhecimento das confissões religiosas em Angola, junto do Instituto Nacional para os Assuntos Religiosos (INAR), adstrito ao Ministério da Cultura (MINCULT), tem sido moroso e confrangedor, havendo denúncias de esquemas de corrupção dentro deste organismo.

Dados apurados por este jornal, indicam que até em 2018, o INAR não reconhecia nenhuma confissão religiosa, das três mil solicitações que recebeu, e os requerentes professam a sua fé, de forma ilegal, contrastando o que estabelece a lei, mas praticado aos olhos de quem devia fiscalizar. Os indicadores actuais revelam que até naquele ano, o INAR controlava 81 igrejas, 97 por legalizar e na semana passada reconheceu três novas confissões religiosas, Igreja Eterna Santificada Unida (IESUA), Igreja de Comunhão Cristã de Angola (ICCA) e a Igreja de Reavivamento Espiritual Unida de Angola (IREUA), como atesta o Decreto Executivo 85/24 do ministro da Cultura, de 6 de Maio. Um dos grandes empecilhos tem sido reunir 100 mil assinaturas para legalizar uma igreja, de acordo com a Lei 02/ 04, de 21 de Maio, que, segundo o próprio INAR, em 2019 havia a tendência de reduzir este número para 60, para satisfazer às reclamações dos requerentes, mas até ao momento a situação mantém-se.

Enquanto se aguarda pelo reconhecimento, cuja demora o INAR nunca justificou publicamente, vão surgindo seitas como se de cogumelos na floresta se tratasse em época de chuva, um pouco por todo o país, essencialmente nas cidades, vilas e até mesmo nas zonas rurais, onde o número de templos contrasta com o número de fiéis. A justificação dada pelos religiosos é a de que o INAR não pode privar a profissão da fé dos fiéis, pelo que, enquanto se aguarda pela autorização, eles vão realizando o seu ministério para evangelizar os povos e resgatar almas para Cristo, segundo o reverendo-pastor Nzuzi António, presidente do Conselho das Igrejas do Reavivamento de Angola (CIRA), em declaração recentes ao Pungo a Ndongo. O religioso mostrou-se apreensivo pela morosidade que se verifica para a legalização de igrejas, mesmo depois de reunirem os requisitos exigidos por lei. “ Esta demora permite que as pessoas optem por fazer aquilo que a lei não permite, por um lado, por outro, as autoridades devem dar uma explicação, ao invés de ficarem no silêncio”, diz, em conversa recente via telefone. Defende que o Instituto Nacional para os Assuntos Religiosos deve ser célere para resolver os assuntos pendentes, para impedir que as pessoas actuem à margem da lei. “ A Constituição Angolana define o Estado como sendo laico, proíbe a discriminação religiosa, prevê o direito à liberdade de consciência, religião e culto”, explica, recordando que a lei exige que as confissões religiosas obtenham reconhecimento, “ mas alguém está a atropelar esta lei”, sublinha. O presidente do CIRA entende que enquanto o INAR não implementar reformas internas, no que concerne ao registo e consequente legalização de seitas religiosas e transformá-las em igrejas, dificilmente poderá combater a proliferação destas, sendo que o número cresce assustadoramente, nos últimos tempos. Nzuzi António diz não haver razões para que o INAR leve cerca de 10 anos ou mais para reconhecer uma confissão religiosa, caso queira combater o fenómeno de proliferação de seitas, espalhadas quase em todo o território nacional.

Corrupção Se para o registo de uma confissão religiosa não se paga nada, já na legalização, alguns membros que lidam com este dossier ‘cobram’, de forma sorrateira, avultadas somas que variam entre os 100 e os 200 milhões de kwanzas, respectivamente, cujo assunto remonta ainda ao consulado do então director Aponta que as igrejas mais recentes legalizadas pelo Gover- no e lideradas por an- golanos, são a IESUA, presidida pelo internacional apóstolo Victor Segunda, a ICCA, sob comando do reverendo Antunes Fernando Huambo, e a IREUA, respectivamente, seis anos depois “ Lisboa Santos revela um pastor pastor evangélico, que diz conhecer o “ dossier”. A fonte, um pastor evangélico, que falou escudando-se no anonimato, por temer eventuais represálias dos envolvidos neste esquema, revela que naquela altura o valor cobrado não era tão volumoso, mas que não estava abaixo dos 20 mil dólares, e era pago mesmo em moeda norte-americana, e muitos colegas seus optaram por esta via, mas que ele recusou, alegando que “a profissão da fé não se paga” , sublinha. Conta que para a legalização da congregação que dirige, não desembolsou nenhum tostão, e aconteceu no consulado da directora Maria Fátima Viegas, à qual teceu rasgados elogios, reconhecendo que durante a vigência daquela responsável à frente do INAR as coisas corriam a contento, ao contrário nos dias de hoje. Ainda sobre a legalização, a fonte diz que o dinheiro pode ser pago de forma faseada, mas os “negociadores ou intermediários” exigem o cumprimento do prazo estipulado, sob pena de não se obter a Declaração de Idoneidade, documento que autoriza o exercício da actividade religiosa e confere ao líder realizar o seu ministério e gerir todo o património da congregação. Em caso de conflito e alteração da denominação e da direcção, o valor aumenta para 150 milhões de kwanzas, que podem ser pagos também faseadamente, tendo em conta a actual crise financeira que o país está a atravessar. Há ainda também a possibilidade de o interessado dilatar o prazo do pagamento, desde que honre com o compromisso, explica a fonte. ‘ Forasteiros’ da RDC Sem quaisquer tendências xenófobas, a fonte questiona a facilidade que os congoleses.

Por: Ireneu Mujoco / Jornal Pungo a Ndongo

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Post